Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Comandante da PM emite nota de repúdio contra o Página 3
Arquivo JP3.
José Evaldo Hoffmann Junior.

Segunda, 2/1/2017 17:32.

O comandante do 12 Batalhão de Polícia Militar, José Evaldo Hoffmann Junior, emitiu “nota de repúdio contra o jornal Pagina 3 que é acusado de praticar “jornalismo marrom”.

O comandante está indignado porque o Página 3 criticou um informe distribuído pela PM à imprensa onde afirma que “...o Réveillon transcorreu na maior tranquilidade e de acordo com o planejamento da Polícia Militar...”.

A crítica foi feita porque um morador do Centro foi assaltado e morto e isso não pode ser considerado "tranquilo", pelo contrário.

O Facebook do 12 BPM mostra o informe onde a PM afirma que a Operação Revéillon transcorreu sem ocorrências relevantes.


 

Posteriormente, muitas horas depois este mesmo texto foi alterado para incluir e lamentar a morte da pessoa que foi assaltada.

Era uma tentativa de mascarar o que havia sido mascarado, uma morte por assalto, no Centro da cidade, na noite do Réveillon.

 

     

O jornal Página 3 não pretende discutir publicamente com um comandante irresponsável, manipulador contumaz e que considera normal a região de Camboriú e Balneário Camboriú viverem sob criminalidade endêmica, com 23 homicídios nos últimos 12 meses.

A nota de repúdio assinada por este comandante tem o seguinte teor: 
 

Nota de Repúdio ao “Jornal Página3”

O 12º Batalhão de Polícia Militar repudia veementemente a matéria veiculada pelo jornal “Página3” onde ataca a Instituição Polícia Militar.

A quem interessa mentir e manipular informações? Qual o objetivo de dizer que a PM não considera relevante a morte de uma pessoa? Senão deixar a população contra a Polícia Militar e vender o terror, pintando um quadro frio e falso, criando uma sensação de insegurança e desconstruindo todo o trabalho feito com muito sacrifício pela Polícia Militar?

A VERDADE:

O Comandante do 12º Batalhão informou à imprensa através de um grupo no WhatsApp com 134 profissionais, às 3h22 da madrugada do dia 01/01, que até aquele momento a operação Réveillon transcorria de forma tranquila e sem ocorrências relevantes. Poucos minutos após a publicação desse informativo, ocorreu o roubo onde a vítima foi alveja e após socorrida com vida e conduzida ao hospital.

No período da tarde, a Assessoria de Comunicação do 12º BPM enviou release para toda a imprensa informando que a operação Réveillon (cobertura do evento nas orlas das praias) transcorreu sem ocorrências relevantes, constando no mesmo texto sobre o roubo ocorrido no centro da cidade onde a vítima foi alvejada e socorrida com vida pelo SAMU. (Até o fechamento do release não havia informação do óbito da vítima).

Ainda na tarde do dia 01/01, novo release foi enviado informando que a vítima, infelizmente, havia falecido, frisando que “uma única ocorrência grave e de extrema relevância foi registrada pela PM, na rua 2650, adjacente entre a Terceira Avenida e Avenida Brasil, quando um indivíduo supostamente reagiu a um roubo entrando em luta corporal com o criminoso e foi alvejado no peito, foi socorrido com vida pelo SAMU e encaminhado ao Hospital, onde, infelizmente, perdeu a vida. Lamentamos profundamente que uma vida se interrompa dessa forma e não mediremos esforços para identificar e prender o autor do crime.”

A MENTIRA:

Ao que parece, o editor do jornal manipulou a parte final do release, enganando seus leitores e usando uma tragédia para atacar a Polícia Militar.

Já não basta o sofrimento da família com o ocorrido e este jornal os obriga a ver o nome do ente querido sendo usado para ataques infundados contra uma instituição com 181 anos de existência.

Infelizmente esse jornal repete o que é acostumado a fazer, utilizando-se da conhecida “imprensa marrom” para manipular informações repassadas pela Polícia Militar e denegrir a imagem da corporação, meramente por questões pessoais.

Lamentamos profundamente o ocorrido com a vítima, inclusive em nota publicada na página oficial do Batalhão no Facebook - (https://www.facebook.com/12BPM/photos/a.301585913185528.85244.289135514430568/1415015755175866/?type=3) e REPUDIAMOS a forma como o editor do JORNAL PÁGINA 3 tentou distorcer a verdade dos fatos e tentou manipular a população contra uma instituição séria e essencial à sociedade catarinense.

Assina,
José Evaldo Hoffmann Junior
Tenente Coronel PM
Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Comandante da PM emite nota de repúdio contra o Página 3

Arquivo JP3.
José Evaldo Hoffmann Junior.
José Evaldo Hoffmann Junior.
Segunda, 2/1/2017 17:32.

O comandante do 12 Batalhão de Polícia Militar, José Evaldo Hoffmann Junior, emitiu “nota de repúdio contra o jornal Pagina 3 que é acusado de praticar “jornalismo marrom”.

O comandante está indignado porque o Página 3 criticou um informe distribuído pela PM à imprensa onde afirma que “...o Réveillon transcorreu na maior tranquilidade e de acordo com o planejamento da Polícia Militar...”.

A crítica foi feita porque um morador do Centro foi assaltado e morto e isso não pode ser considerado "tranquilo", pelo contrário.

O Facebook do 12 BPM mostra o informe onde a PM afirma que a Operação Revéillon transcorreu sem ocorrências relevantes.


 

Posteriormente, muitas horas depois este mesmo texto foi alterado para incluir e lamentar a morte da pessoa que foi assaltada.

Era uma tentativa de mascarar o que havia sido mascarado, uma morte por assalto, no Centro da cidade, na noite do Réveillon.

 

     

O jornal Página 3 não pretende discutir publicamente com um comandante irresponsável, manipulador contumaz e que considera normal a região de Camboriú e Balneário Camboriú viverem sob criminalidade endêmica, com 23 homicídios nos últimos 12 meses.

A nota de repúdio assinada por este comandante tem o seguinte teor: 
 

Nota de Repúdio ao “Jornal Página3”

O 12º Batalhão de Polícia Militar repudia veementemente a matéria veiculada pelo jornal “Página3” onde ataca a Instituição Polícia Militar.

A quem interessa mentir e manipular informações? Qual o objetivo de dizer que a PM não considera relevante a morte de uma pessoa? Senão deixar a população contra a Polícia Militar e vender o terror, pintando um quadro frio e falso, criando uma sensação de insegurança e desconstruindo todo o trabalho feito com muito sacrifício pela Polícia Militar?

A VERDADE:

O Comandante do 12º Batalhão informou à imprensa através de um grupo no WhatsApp com 134 profissionais, às 3h22 da madrugada do dia 01/01, que até aquele momento a operação Réveillon transcorria de forma tranquila e sem ocorrências relevantes. Poucos minutos após a publicação desse informativo, ocorreu o roubo onde a vítima foi alveja e após socorrida com vida e conduzida ao hospital.

No período da tarde, a Assessoria de Comunicação do 12º BPM enviou release para toda a imprensa informando que a operação Réveillon (cobertura do evento nas orlas das praias) transcorreu sem ocorrências relevantes, constando no mesmo texto sobre o roubo ocorrido no centro da cidade onde a vítima foi alvejada e socorrida com vida pelo SAMU. (Até o fechamento do release não havia informação do óbito da vítima).

Ainda na tarde do dia 01/01, novo release foi enviado informando que a vítima, infelizmente, havia falecido, frisando que “uma única ocorrência grave e de extrema relevância foi registrada pela PM, na rua 2650, adjacente entre a Terceira Avenida e Avenida Brasil, quando um indivíduo supostamente reagiu a um roubo entrando em luta corporal com o criminoso e foi alvejado no peito, foi socorrido com vida pelo SAMU e encaminhado ao Hospital, onde, infelizmente, perdeu a vida. Lamentamos profundamente que uma vida se interrompa dessa forma e não mediremos esforços para identificar e prender o autor do crime.”

A MENTIRA:

Ao que parece, o editor do jornal manipulou a parte final do release, enganando seus leitores e usando uma tragédia para atacar a Polícia Militar.

Já não basta o sofrimento da família com o ocorrido e este jornal os obriga a ver o nome do ente querido sendo usado para ataques infundados contra uma instituição com 181 anos de existência.

Infelizmente esse jornal repete o que é acostumado a fazer, utilizando-se da conhecida “imprensa marrom” para manipular informações repassadas pela Polícia Militar e denegrir a imagem da corporação, meramente por questões pessoais.

Lamentamos profundamente o ocorrido com a vítima, inclusive em nota publicada na página oficial do Batalhão no Facebook - (https://www.facebook.com/12BPM/photos/a.301585913185528.85244.289135514430568/1415015755175866/?type=3) e REPUDIAMOS a forma como o editor do JORNAL PÁGINA 3 tentou distorcer a verdade dos fatos e tentou manipular a população contra uma instituição séria e essencial à sociedade catarinense.

Assina,
José Evaldo Hoffmann Junior
Tenente Coronel PM
Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar 

Publicidade

Publicidade