Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Terreno em área invadida de Balneário Camboriú custa R$ 35 mil

Quinta, 9/2/2017 11:14.

Cópia de um contrato obtida pelo Página 3 mostra que as invasões em área de preservação permanente não são feitas por pessoas carentes e sim por quem pode pagar até R$ 35 mil por um lote.

O crime é praticado por uma quadrilha organizada que até o momento obteve sucesso já que as autoridades, incluindo Ministério Público e Judiciário, se revelaram incapazes de deter a venda fraudulenta dos lotes em áreas de proteção ambiental.

O Página 3 apurou que apesar de operação realizada pela Guarda Municipal dias atrás, numa invasão no São Judas, a construção de casas continua em ritmo acelerado.

Informações não confirmadas pela reportagem dão conta de que pelo menos um vereador faz parte de quadrilha, recebendo vantagem financeira e votos no negócio.

Esse vereador teria prometido aos invasores que a prefeitura regularizaria seus lotes.

Também estaria envolvido no crime um ex-cargo de confiança da prefeitura lotado naquela região da cidade até o final de 2016.

Fotos:

 



 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Fabrício Oliveira é acusado de omissão em relação ao loteamento clandestino Vila Fortaleza


Política


Cidade

Devido a declarações falsas, BC Port é alvo de investigação 


Cidade

Vice-prefeito quer estudar o assunto com mais cuidado 


Publicidade


Publicidade


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Esportes


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Terreno em área invadida de Balneário Camboriú custa R$ 35 mil

Quinta, 9/2/2017 11:14.

Cópia de um contrato obtida pelo Página 3 mostra que as invasões em área de preservação permanente não são feitas por pessoas carentes e sim por quem pode pagar até R$ 35 mil por um lote.

O crime é praticado por uma quadrilha organizada que até o momento obteve sucesso já que as autoridades, incluindo Ministério Público e Judiciário, se revelaram incapazes de deter a venda fraudulenta dos lotes em áreas de proteção ambiental.

O Página 3 apurou que apesar de operação realizada pela Guarda Municipal dias atrás, numa invasão no São Judas, a construção de casas continua em ritmo acelerado.

Informações não confirmadas pela reportagem dão conta de que pelo menos um vereador faz parte de quadrilha, recebendo vantagem financeira e votos no negócio.

Esse vereador teria prometido aos invasores que a prefeitura regularizaria seus lotes.

Também estaria envolvido no crime um ex-cargo de confiança da prefeitura lotado naquela região da cidade até o final de 2016.

Fotos:

 



 

Publicidade

Publicidade