Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Jornais de todo o mundo repercutem a prisão de Sérgio Cabral
EBC.
Cabral foi preso depois de, segundo as autoridades, roubar durante dois mandatos seguidos.

Quinta, 17/11/2016 16:47.

A imprensa estadunidense deu hoje (17) amplo destaque à prisão do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, como parte de uma investigação sobre suborno e desfalque em projetos de construção no Brasil. Entre os pontos ressaltados sobre o ex-governador, os jornais americanos lembram que ele ajudou a levar os Jogos Olímpicos para o Rio.

O The New York Times (NYT) noticiou que Cabral foi preso no âmbito de um inquérito destinado a investigar o desvio de US$ 64 milhões (R$ 224 milhões) em obras públicas. O jornal observa que ele foi governador do estado do Rio de 2007 a 2014, quando renunciou em meio a suspeitas de corrupção e crescentes manifestações de rua.

A prisão de Cabral, segundo o NYT, reflete o avanço das investigações sobre setores da classe política brasileira que ficaram à margem das principais denúncias e casos recentes de corrupção. No início, as investigações atingiram com mais intensidade o Partido dos Trabalhadores (PT), da ex-presidente Dilma Rousseff, afastada do cargo em agosto depois de ser acusada de manipulação orçamentária. O PT, lembrou o jornal, sofreu grandes perdas nas últimas eleições municipais.

Outro importante jornal americano, o The Wall Street Journal (WSJ), informou que Sérgio Cabral, preso hoje, é suspeito de liderar um plano para inflar contratos em troca de contratos públicos de construção, incluindo a renovação de um contrato de mais de R$ 1 bilhão (US$ 294 milhões) do estádio do Maracanã, antes da Copa do Mundo de 2014. Segundo o WSJ, a polícia brasileira informa que, ao todo, R$ 220 milhões foram desviados de obras públicas pelo esquema.

Outros países

Jornais de todo o mundo também repercutiram a notícia. O indiano The Indian Express publicou que o ex-governador do Rio foi preso como parte de uma investigação de corrupção ligada a projetos da Copa do Mundo. Segundo o jornal, Cabral é um dos políticos de maior importância a ser preso nos últimos meses no âmbito da Operação Lava Jato e sua prisão pode "alimentar mais instabilidade política no Brasil". Os promotores, de acordo com o jornal indiano, acusam Cabral de liderar um grupo que desviou US$ 64 milhões de esquemas de construção pública.

O site da BBC, de Londres, diz que a prisão de Cabral faz parte uma investigação que começou com a denúncia de dois diretores de empresas de construção de que o ex-governador recebeu propinas em troca de contratos lucrativos, como a reforma do Maracanã.

O jornal britânico The Guardian informa que a prisão ocorreu depois que procuradores federais acusaram o ex-governador de liderar uma organização criminosa. Além do Maracanã, o jornal também cita o recebimento de propinas por Cabral em obras em algumas das maiores favelas do Rio e em uma rodovia no entorno da cidade.

MPF diz que Cabral recebeu “mesadas” de empreiteiras de 2007 a 2014

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral teria recebido propina de construtoras em seus dois mandatos, entre 2007 e 2014, afirmaram hoje (17) a Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público Federal. Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

De acordo com Ministério Público Federal, Sérgio Cabral chegou a receber R$ 350 mil de “mesada” da Andrade Gutierrez e R$ 200 mil da Carioca Engenharia que, no segundo mandato, aumentou o pagamento para R$ 500 mil.

As investigações começaram em julho, a partir de informações colhidas em acordos de delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia. A PF e o MPF se concentraram na apuração de irregularidades em três obras, cada uma orçada em mais de R$ 1 bilhão: a reforma do Maracanã para a Copa de 2014, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Favelas e o Arco Metropolitano. A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, por sua vez, investigou a contratação da Andrade Gutierrez para a obra de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj).

Segundo a apuração, a propina de 5% sobre as obras era paga em espécie. Havia ainda uma "taxa de oxigenação" de 1% para operadores do esquema. Com esses valores, os investigadores afirmam que chega a R$ 224 milhões a propina paga nas três obras investigadas pela força-tarefa no Rio de Janeiro, e a R$ 2,7 milhões, que foi objeto da apuração em Curitiba.

Todo o dinheiro era movimentado em espécie e era ocultado com a compra de obras de arte, objetos de luxo, barcos e roupas, além da realização de consultorias fictícias. Entre os integrantes da quadrilha, estariam o amigo de infância de Cabral, Luiz Carlos Bezerra, e o marido de uma prima de primeiro grau, Carlos Miranda, que, segundo a força-tarefa, seriam responsáveis por receber o dinheiro na sede das empreiteiras.

Em troca do dinheiro, as empreiteiras tinham sua participação garantida em obras por meio de fraudes nas licitações. O MPF e a PF afirmam que, além de Cabral, participavam do esquema o secretário de obras, Hudson Braga, e de governo, Wilson Carlos.

A operação cumpre hoje dez mandados de prisão e duas pessoas não foram encontradas em casa. Há ainda 14 mandados de condução coercitiva, incluindo a ex-primeira dama Adriana Ancelmo, e 38 mandados de busca e apreensão Decisões judiciais da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro e da 13ª Vara Criminal de Curitiba também determinaram o sequestro e arresto de bens de Cabral e mais 11 pessoas físicas e 41 pessoas jurídicas.

Segundo a Polícia Federal, o ex-governador seria encaminhado para o Complexo Penitenciário de Bangu. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Temporada de cruzeiros para nós começará no dia 28 de novembro


Cidade

Medida que “engessa” o governo é cautelar até apresentação de explicações


Educação

Intenção é expandir o sistema no futuro


Policia

Ele disse que foi humilhado e teve os direitos cerceados


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Jornais de todo o mundo repercutem a prisão de Sérgio Cabral

EBC.
Cabral foi preso depois de, segundo as autoridades, roubar durante dois mandatos seguidos.
Cabral foi preso depois de, segundo as autoridades, roubar durante dois mandatos seguidos.
Quinta, 17/11/2016 16:47.

A imprensa estadunidense deu hoje (17) amplo destaque à prisão do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, como parte de uma investigação sobre suborno e desfalque em projetos de construção no Brasil. Entre os pontos ressaltados sobre o ex-governador, os jornais americanos lembram que ele ajudou a levar os Jogos Olímpicos para o Rio.

O The New York Times (NYT) noticiou que Cabral foi preso no âmbito de um inquérito destinado a investigar o desvio de US$ 64 milhões (R$ 224 milhões) em obras públicas. O jornal observa que ele foi governador do estado do Rio de 2007 a 2014, quando renunciou em meio a suspeitas de corrupção e crescentes manifestações de rua.

A prisão de Cabral, segundo o NYT, reflete o avanço das investigações sobre setores da classe política brasileira que ficaram à margem das principais denúncias e casos recentes de corrupção. No início, as investigações atingiram com mais intensidade o Partido dos Trabalhadores (PT), da ex-presidente Dilma Rousseff, afastada do cargo em agosto depois de ser acusada de manipulação orçamentária. O PT, lembrou o jornal, sofreu grandes perdas nas últimas eleições municipais.

Outro importante jornal americano, o The Wall Street Journal (WSJ), informou que Sérgio Cabral, preso hoje, é suspeito de liderar um plano para inflar contratos em troca de contratos públicos de construção, incluindo a renovação de um contrato de mais de R$ 1 bilhão (US$ 294 milhões) do estádio do Maracanã, antes da Copa do Mundo de 2014. Segundo o WSJ, a polícia brasileira informa que, ao todo, R$ 220 milhões foram desviados de obras públicas pelo esquema.

Outros países

Jornais de todo o mundo também repercutiram a notícia. O indiano The Indian Express publicou que o ex-governador do Rio foi preso como parte de uma investigação de corrupção ligada a projetos da Copa do Mundo. Segundo o jornal, Cabral é um dos políticos de maior importância a ser preso nos últimos meses no âmbito da Operação Lava Jato e sua prisão pode "alimentar mais instabilidade política no Brasil". Os promotores, de acordo com o jornal indiano, acusam Cabral de liderar um grupo que desviou US$ 64 milhões de esquemas de construção pública.

O site da BBC, de Londres, diz que a prisão de Cabral faz parte uma investigação que começou com a denúncia de dois diretores de empresas de construção de que o ex-governador recebeu propinas em troca de contratos lucrativos, como a reforma do Maracanã.

O jornal britânico The Guardian informa que a prisão ocorreu depois que procuradores federais acusaram o ex-governador de liderar uma organização criminosa. Além do Maracanã, o jornal também cita o recebimento de propinas por Cabral em obras em algumas das maiores favelas do Rio e em uma rodovia no entorno da cidade.

MPF diz que Cabral recebeu “mesadas” de empreiteiras de 2007 a 2014

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral teria recebido propina de construtoras em seus dois mandatos, entre 2007 e 2014, afirmaram hoje (17) a Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público Federal. Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

De acordo com Ministério Público Federal, Sérgio Cabral chegou a receber R$ 350 mil de “mesada” da Andrade Gutierrez e R$ 200 mil da Carioca Engenharia que, no segundo mandato, aumentou o pagamento para R$ 500 mil.

As investigações começaram em julho, a partir de informações colhidas em acordos de delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia. A PF e o MPF se concentraram na apuração de irregularidades em três obras, cada uma orçada em mais de R$ 1 bilhão: a reforma do Maracanã para a Copa de 2014, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Favelas e o Arco Metropolitano. A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, por sua vez, investigou a contratação da Andrade Gutierrez para a obra de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj).

Segundo a apuração, a propina de 5% sobre as obras era paga em espécie. Havia ainda uma "taxa de oxigenação" de 1% para operadores do esquema. Com esses valores, os investigadores afirmam que chega a R$ 224 milhões a propina paga nas três obras investigadas pela força-tarefa no Rio de Janeiro, e a R$ 2,7 milhões, que foi objeto da apuração em Curitiba.

Todo o dinheiro era movimentado em espécie e era ocultado com a compra de obras de arte, objetos de luxo, barcos e roupas, além da realização de consultorias fictícias. Entre os integrantes da quadrilha, estariam o amigo de infância de Cabral, Luiz Carlos Bezerra, e o marido de uma prima de primeiro grau, Carlos Miranda, que, segundo a força-tarefa, seriam responsáveis por receber o dinheiro na sede das empreiteiras.

Em troca do dinheiro, as empreiteiras tinham sua participação garantida em obras por meio de fraudes nas licitações. O MPF e a PF afirmam que, além de Cabral, participavam do esquema o secretário de obras, Hudson Braga, e de governo, Wilson Carlos.

A operação cumpre hoje dez mandados de prisão e duas pessoas não foram encontradas em casa. Há ainda 14 mandados de condução coercitiva, incluindo a ex-primeira dama Adriana Ancelmo, e 38 mandados de busca e apreensão Decisões judiciais da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro e da 13ª Vara Criminal de Curitiba também determinaram o sequestro e arresto de bens de Cabral e mais 11 pessoas físicas e 41 pessoas jurídicas.

Segundo a Polícia Federal, o ex-governador seria encaminhado para o Complexo Penitenciário de Bangu. 

Publicidade

Publicidade