Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quase 280 mulheres foram vítimas de crimes em Balneário neste ano

Terça, 1/11/2016 9:03.

O número assusta: 277 moradoras de Balneário Camboriú foram vítimas de algum tipo de crime neste ano. É como se fosse uma por dia, isso sem contar todas as que não chegam a registrar.

As ocorrências são as mais variadas, desde golpes e fraudes (principalmente contra idosas), além de violência doméstica (Lei Maria da Penha) e furto/roubo.

Na semana passada uma mulher foi agredida pelo marido, de 32 anos, no Bairro dos Municípios. Segundo informações da Polícia Militar, o homem chegou bêbado em casa, discutiu com a esposa e resolveu bater nela com um cinto. Ele foi preso.

O comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar de Balneário, Evaldo Hoffmann, conta que a principal causa das agressões contra as mulheres é o uso exagerado de álcool e drogas. Os principais agressores são os companheiros (maridos ou namorados).

“Eles chegam alterados em casa, brigam, e batem nas esposas. É triste, porque muitas delas dependem financeiramente dos maridos. Então elas denunciam, mas depois voltam atrás e até ficam contra a polícia. Dizem que nos chamaram para dar um susto”, explica.

Hoffmann lembra ainda que há casos diversos, desde mulheres bastante feridas como também outras vítimas de tortura psicológica.

“De uma coisa temos certeza: quase todos os casos possuem ligação com o álcool. Tanto que notamos um aumento de crimes de violência doméstica depois do primeiro final de semana do pagamento, ou também em dias chuvosos. O homem não tem nada para fazer em casa, vai para o bar, volta, briga com a mulher e bate nela”, diz.

Furtos 

Outro problema é o furto, e isso acontece com mulheres de todas as idades, desde as mais jovens como também com as idosas. Um comum em Balneário é o ‘furto trombada’, em que o bandido esbarra na vítima e aproveita do descuido para levar a bolsa ou o celular.

“Há também os casos dos ladrões que arrancam a bolsa ou o celular das mãos da vítima e saem correndo. Por isso, é preciso atenção e recomendamos que ninguém caminhe enquanto utiliza seu celular”, completa.

Também são autoras

Engana-se quem pensa que as mulheres são apenas vítimas: somente neste ano mais de 400 foram presas em Balneário por envolvimento com crimes. Conforme o comandante, a maior parte do público feminino se envolve com o tráfico de drogas.

“Mas há também as ladras e que prestam serviço para quadrilhas. Um destaque é que boa parte delas acabam se envolvendo no mundo do crime por causa do companheiro. Muitas mulheres que vão presas por tráfico, por exemplo, relatam que estão nessa vida motivadas pelo marido ou namorado, e que antes não eram traficantes”, acrescenta.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Quase 280 mulheres foram vítimas de crimes em Balneário neste ano

Terça, 1/11/2016 9:03.

O número assusta: 277 moradoras de Balneário Camboriú foram vítimas de algum tipo de crime neste ano. É como se fosse uma por dia, isso sem contar todas as que não chegam a registrar.

As ocorrências são as mais variadas, desde golpes e fraudes (principalmente contra idosas), além de violência doméstica (Lei Maria da Penha) e furto/roubo.

Na semana passada uma mulher foi agredida pelo marido, de 32 anos, no Bairro dos Municípios. Segundo informações da Polícia Militar, o homem chegou bêbado em casa, discutiu com a esposa e resolveu bater nela com um cinto. Ele foi preso.

O comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar de Balneário, Evaldo Hoffmann, conta que a principal causa das agressões contra as mulheres é o uso exagerado de álcool e drogas. Os principais agressores são os companheiros (maridos ou namorados).

“Eles chegam alterados em casa, brigam, e batem nas esposas. É triste, porque muitas delas dependem financeiramente dos maridos. Então elas denunciam, mas depois voltam atrás e até ficam contra a polícia. Dizem que nos chamaram para dar um susto”, explica.

Hoffmann lembra ainda que há casos diversos, desde mulheres bastante feridas como também outras vítimas de tortura psicológica.

“De uma coisa temos certeza: quase todos os casos possuem ligação com o álcool. Tanto que notamos um aumento de crimes de violência doméstica depois do primeiro final de semana do pagamento, ou também em dias chuvosos. O homem não tem nada para fazer em casa, vai para o bar, volta, briga com a mulher e bate nela”, diz.

Furtos 

Outro problema é o furto, e isso acontece com mulheres de todas as idades, desde as mais jovens como também com as idosas. Um comum em Balneário é o ‘furto trombada’, em que o bandido esbarra na vítima e aproveita do descuido para levar a bolsa ou o celular.

“Há também os casos dos ladrões que arrancam a bolsa ou o celular das mãos da vítima e saem correndo. Por isso, é preciso atenção e recomendamos que ninguém caminhe enquanto utiliza seu celular”, completa.

Também são autoras

Engana-se quem pensa que as mulheres são apenas vítimas: somente neste ano mais de 400 foram presas em Balneário por envolvimento com crimes. Conforme o comandante, a maior parte do público feminino se envolve com o tráfico de drogas.

“Mas há também as ladras e que prestam serviço para quadrilhas. Um destaque é que boa parte delas acabam se envolvendo no mundo do crime por causa do companheiro. Muitas mulheres que vão presas por tráfico, por exemplo, relatam que estão nessa vida motivadas pelo marido ou namorado, e que antes não eram traficantes”, acrescenta.

Publicidade

Publicidade