Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Nova fase da Lava Jato prende operador financeiro em Portugal

Segunda, 21/3/2016 9:39.

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a 25ª fase da Operação Lava Jato e prendeu, em Portugal, o operador financeiro Raul Schmidt Felippe Júnior. Investigado pela Lava Jato desde a 10ª fase, Schmidt é tido como sócio do ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada e estava foragido.

De acordo com a assessoria de imprensa da corporação, investigadores da PF e do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) acompanharam autoridades portuguesas no cumprimento da prisão e também no cumprimento do mandado de busca em sua residência, na cidade de Lisboa.

Ainda segundo a PF, Schmidt deve permanecer preso em Portugal enquanto a possibilidade de extradição é analisada. “O compartilhamento de provas colhidas hoje auxiliarão nos trabalhos desenvolvidos pela equipe Lava Jato no Brasil”, concluiu a corporação, por meio de nota.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Nova fase da Lava Jato prende operador financeiro em Portugal

Segunda, 21/3/2016 9:39.

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a 25ª fase da Operação Lava Jato e prendeu, em Portugal, o operador financeiro Raul Schmidt Felippe Júnior. Investigado pela Lava Jato desde a 10ª fase, Schmidt é tido como sócio do ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada e estava foragido.

De acordo com a assessoria de imprensa da corporação, investigadores da PF e do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) acompanharam autoridades portuguesas no cumprimento da prisão e também no cumprimento do mandado de busca em sua residência, na cidade de Lisboa.

Ainda segundo a PF, Schmidt deve permanecer preso em Portugal enquanto a possibilidade de extradição é analisada. “O compartilhamento de provas colhidas hoje auxiliarão nos trabalhos desenvolvidos pela equipe Lava Jato no Brasil”, concluiu a corporação, por meio de nota.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Publicidade