Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Vítima do primeiro homicídio do ano em Camboriú é identificada

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Segunda, 14/3/2016 10:44.

O adolescente de 17 anos, que foi morto a tiros no Bairro Tabuleiro, em Camboriú, na noite de quinta-feira (10), foi identificado como Natan de Jesus. Oficialmente esse foi o único assassinato na cidade neste ano, apesar de encontro de cadáveres, que provavelmente foram vítimas de homicídio, mas não entram na lista da PM.

Chegando ao local, os policiais encontraram Natan caído na rua, já sem vida. Ele possuía mandado de apreensão ativo e acumulava passagens pela polícia, por crimes que não foram informados.

Cidade quer diminuir estatísticas

Camboriú está trabalhando para reduzir o número de homicídios da cidade, através da parceria entre prefeitura e Polícia Militar. O secretário de Desenvolvimento e Assistência Social de Camboriú, John Lenon Teodoro, conta que desde 2013 vem sendo desenvolvido o programa ‘Camboriú + Segura’, que envolve a prefeitura, Polícia Militar, CRAS, Conselho Tutelar e Núcleo de Prevenção as Drogas e Pedofilia.

“Visitamos escolas e igrejas e ministramos palestras, além de que a PM faz o trabalho de visitas em comércios e residências, acompanhada de assistentes sociais. Está dando resultado, em 2012 Camboriú ficou conhecida como a cidade mais perigosa de Santa Catarina e agora conseguimos reduzir de 44 homicídios (em 2013) para 29 em 2015. Nesse ano já houve a redução, até o momento, em 57% e a nossa meta é chegar a 70%”, explica.

Ele comenta que em 2012 quase todas as ocorrências do tipo aconteciam no Distrito do Monte Alegre, mas que hoje a situação mudou. “Diminuiu significativamente, a população nos procura para dizer que aumentou bastante a sensação de segurança. A secretaria que eu comando é parceira nesse programa exatamente porque acreditamos que há problemas sociais por trás da violência. Fazemos as palestras nas escolas por conta de que há muitos menores de idade envolvidos no crime e estamos tentando combater isso”, informa.

O foco são jovens em vulnerabilidade social, e que são possíveis alvos de criminosos por isso. “Estamos trabalhando com eles, encaminhando-os para o mercado de trabalho (através do programa Jovem Aprendiz) e oferecendo a eles cursos profissionalizantes (de inglês e informática) e atividades esportivas”, diz. Lenon salienta ainda que o programa é um exemplo de política pública

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Educação

A comunidade de toda região está convidada para opinar


Eleições

Ele é surdo e por isso conhece as dificuldades enfrentadas por pessoas em situação semelhante 


Eleições

Em entrevista ao Página 3 ele conta que quer ser deputado do empreendedorismo


Saúde

Destaque para o Dia D contra sarampo e polio  


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade