Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Marcos Valério promete citar 20 nomes em delação

Segunda, 20/6/2016 7:23.

Por Mateus Coutinho (AE)

Em mais uma tentativa de fechar acordo de delação premiada, o operador do mensalão Marcos Valério entregou na semana passada ao Ministério Público Estadual (MPE) de Minas uma proposta de colaboração para revelar novos detalhes sobre escândalos que envolvem PT e PSDB.

O advogado Jean Robert Kobayashi Júnior afirmou que seu cliente deve citar cerca de 20 nomes, entre eles os de parlamentares com foro privilegiado de diversos partidos e envolvidos em escândalos investigados na Operação Lava Jato - a defesa de Valério já encaminhou uma proposta de colaboração no ano passado

Há três anos preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Valério recebeu a maior pena entre os condenados no julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), realizado em 2012, e cumpre 37 anos de prisão por corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. A interlocutores, tem dito que "cansou de apanhar" e "agora vai começar a bater".

A expectativa de Valério era ir para o regime semiaberto em um ano e meio, mas ele ainda está prestes a ser julgado por envolvimento no mensalão mineiro, na Justiça estadual - seu interrogatório será no dia 1.º de julho -, e já foi alvo de uma denúncia na Lava Jato. Em caso de nova condenação, pode ficar impedido de deixar o fechado.

Valério promete contar detalhes sobre o esquema que financiou com recursos não declarados a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas, em 1998. O mensalão mineiro pode ainda ter envolvido mais políticos na década de 1990.

A lei que define as organizações criminosas (12.850/13) estabelece que a colaboração com a Justiça pode ser feita a qualquer momento e independe de uma condenação anterior, desde que dê resultados como a identificação de coautores e partícipes do crime, a revelação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização, entre outros.

O advogado Marcelo Leonardo continua a defender Valério nas ações penais e informou que não vai comentar sobre as eventuais tratativas de delação de seu cliente. O MPE mineiro confirmou que recebeu proposta de colaboração e avalia se o operador do mensalão pode trazer fatos novos para as investigações. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Especial

Festival de música eletrônica reuniu milhares de pessoas na virada do ano, em Rio Negrinho


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Marcos Valério promete citar 20 nomes em delação

Segunda, 20/6/2016 7:23.

Por Mateus Coutinho (AE)

Em mais uma tentativa de fechar acordo de delação premiada, o operador do mensalão Marcos Valério entregou na semana passada ao Ministério Público Estadual (MPE) de Minas uma proposta de colaboração para revelar novos detalhes sobre escândalos que envolvem PT e PSDB.

O advogado Jean Robert Kobayashi Júnior afirmou que seu cliente deve citar cerca de 20 nomes, entre eles os de parlamentares com foro privilegiado de diversos partidos e envolvidos em escândalos investigados na Operação Lava Jato - a defesa de Valério já encaminhou uma proposta de colaboração no ano passado

Há três anos preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Valério recebeu a maior pena entre os condenados no julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), realizado em 2012, e cumpre 37 anos de prisão por corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. A interlocutores, tem dito que "cansou de apanhar" e "agora vai começar a bater".

A expectativa de Valério era ir para o regime semiaberto em um ano e meio, mas ele ainda está prestes a ser julgado por envolvimento no mensalão mineiro, na Justiça estadual - seu interrogatório será no dia 1.º de julho -, e já foi alvo de uma denúncia na Lava Jato. Em caso de nova condenação, pode ficar impedido de deixar o fechado.

Valério promete contar detalhes sobre o esquema que financiou com recursos não declarados a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas, em 1998. O mensalão mineiro pode ainda ter envolvido mais políticos na década de 1990.

A lei que define as organizações criminosas (12.850/13) estabelece que a colaboração com a Justiça pode ser feita a qualquer momento e independe de uma condenação anterior, desde que dê resultados como a identificação de coautores e partícipes do crime, a revelação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização, entre outros.

O advogado Marcelo Leonardo continua a defender Valério nas ações penais e informou que não vai comentar sobre as eventuais tratativas de delação de seu cliente. O MPE mineiro confirmou que recebeu proposta de colaboração e avalia se o operador do mensalão pode trazer fatos novos para as investigações. 

Publicidade

Publicidade