Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Para evitar desembarque do PSDB, Temer inicia ofensiva sobre Alckmin
Marcelo Camargo/AB.
Geraldo Alckmin, um dos alvos de Temer no PSDB.

Segunda, 12/12/2016 13:45.

GUSTAVO URIBE, VALDO CRUZ E MARINA DIAS - FOLHAPRESS - Na tentativa de evitar um desembarque do PSDB ao governo federal, o presidente Michel Temer se reunirá nesta segunda-feira (12) com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para discutir o espaço do partido na Esplanada dos Ministérios.

Com o agravamento da crise política e a piora na avaliação do governo federal, o grupo do governador de São Paulo tem defendido a necessidade de um distanciamento do Palácio do Planalto. O receio é que o aprofundamento de uma aliança federal possa desgastar também a imagem do partido para a disputa presidencial de 2018.

Na conversa, marcada para o Palácio dos Bandeirantes, o peemedebista pretende consultar o tucano sobre o apoio dele à indicação do deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB-BA) para a Secretaria de Governo e tratar da pauta governista no Congresso Nacional.

No esforço de manter o apoio do PSDB, considerado o fiel da balança da gestão federal, o presidente tomou café da manhã nesta segunda-feira (12) com os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Na conversa, na qual foi acertada a indicação de Imbassahy para a pasta, os dois tucanos reafirmaram o apoio do partido ao governo federal e deixaram claro que a permanência da sigla na Esplanada dos Ministérios não passa pela nomeação do deputado federal para a Secretaria de Governo.

A tendência é que a nomeação de Imbassahy seja feita nesta semana. Com um receio de uma retaliação dos partidos do chamado centrão, o presidente quer, no entanto, efetivá-la após a votação final do orçamento do ano que vem, programada para quarta-feira (14).

Na semana passada, o presidente adiou o anúncio por pressão de partidos como PSD, PP, PR e PTB, que reivindicavam o posto e continuam fazendo ameaças de não votar pautas governistas caso a nomeação ocorra antes da sucessão do comando da Câmara dos Deputados, eleição marcada para fevereiro. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

ATUALIZADO às 7h de 15/12/2018.


Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Justiça

Ele considera ilegal a lei municipal que permitiu o empreendimento 


Rapidinhas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Para evitar desembarque do PSDB, Temer inicia ofensiva sobre Alckmin

Marcelo Camargo/AB.
Geraldo Alckmin, um dos alvos de Temer no PSDB.
Geraldo Alckmin, um dos alvos de Temer no PSDB.
Segunda, 12/12/2016 13:45.

GUSTAVO URIBE, VALDO CRUZ E MARINA DIAS - FOLHAPRESS - Na tentativa de evitar um desembarque do PSDB ao governo federal, o presidente Michel Temer se reunirá nesta segunda-feira (12) com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para discutir o espaço do partido na Esplanada dos Ministérios.

Com o agravamento da crise política e a piora na avaliação do governo federal, o grupo do governador de São Paulo tem defendido a necessidade de um distanciamento do Palácio do Planalto. O receio é que o aprofundamento de uma aliança federal possa desgastar também a imagem do partido para a disputa presidencial de 2018.

Na conversa, marcada para o Palácio dos Bandeirantes, o peemedebista pretende consultar o tucano sobre o apoio dele à indicação do deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB-BA) para a Secretaria de Governo e tratar da pauta governista no Congresso Nacional.

No esforço de manter o apoio do PSDB, considerado o fiel da balança da gestão federal, o presidente tomou café da manhã nesta segunda-feira (12) com os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Na conversa, na qual foi acertada a indicação de Imbassahy para a pasta, os dois tucanos reafirmaram o apoio do partido ao governo federal e deixaram claro que a permanência da sigla na Esplanada dos Ministérios não passa pela nomeação do deputado federal para a Secretaria de Governo.

A tendência é que a nomeação de Imbassahy seja feita nesta semana. Com um receio de uma retaliação dos partidos do chamado centrão, o presidente quer, no entanto, efetivá-la após a votação final do orçamento do ano que vem, programada para quarta-feira (14).

Na semana passada, o presidente adiou o anúncio por pressão de partidos como PSD, PP, PR e PTB, que reivindicavam o posto e continuam fazendo ameaças de não votar pautas governistas caso a nomeação ocorra antes da sucessão do comando da Câmara dos Deputados, eleição marcada para fevereiro. 

Publicidade

Publicidade