Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Homem é preso após ameaçar matar e agredir esposa e enteado

Terça, 9/8/2016 8:51.

Um homem de 38 anos foi preso em flagrante na tarde de segunda-feira (8), após ameaçar matar a esposa e o enteado na Rua Almira Leodoro, no Bairro Nova Esperança, em Balneário Camboriú.

Via denúncia anônima a Polícia Militar ficou sabendo que o homem estava agredindo a família dele.

No local, os policiais conseguiram ouvir o sujeito ameaçar matar a esposa e o enteado. Rapidamente os militares entraram na residência e detiveram o homem.

Em conversa com uma das vítimas, a mulher, os PMs foram informados que o homem já havia ameaçado-a de morte diversas vezes, inclusive havia declarado que iria atear fogo na casa onde a família vive. Ele também bateu no rosto do filho dela.

O homem foi preso em flagrante e depois foi encaminhado à delegacia.

10 anos de Lei Maria da Penha

A Lei Maria da Penha que neste domingo completou 10 anos foi uma grande conquista para amplificar um problema ‘ escondido’ , trouxe publicidade, abriu o caminho (e os olhos) para a sociedade, teve maior efetividade, mas ainda está longe do ideal. Esta é a opinião da delegada regional Magali Nunes Ignácio, 37 anos de profissão e, de certa forma, otimista, porque considera que há mais fatores positivos do que negativos nesta primeira década.

“A lei ampliou a rede de proteção da mulher, dos filhos e até abriu caminho para os agressores poder se tratar etc. Acho que o acesso, a rede de proteção e a justiça, as denúncias, tudo está mais ampliado e isso é positivo”, acrescentou a delegada.

Antes desta lei, segue a delegada, apesar de estarmos no século 21, a mulher era subjugada, a violência acontecia, mas diziam que ‘ mulher gosta de apanhar’ , como se ela merecesse apanhar. “E a mulher se colocava nesse papel, aceitava, calava, tinha medo e isso a lei mudou. Até os homens respeitam mais, porque antes da primeira reforma que a lei sofreu, eles não cumpriam. Hoje a lei tem o flagrante”, completou Magali.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Editais

Renovação de Licença Ambiental de Operação


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Homem é preso após ameaçar matar e agredir esposa e enteado

Terça, 9/8/2016 8:51.

Um homem de 38 anos foi preso em flagrante na tarde de segunda-feira (8), após ameaçar matar a esposa e o enteado na Rua Almira Leodoro, no Bairro Nova Esperança, em Balneário Camboriú.

Via denúncia anônima a Polícia Militar ficou sabendo que o homem estava agredindo a família dele.

No local, os policiais conseguiram ouvir o sujeito ameaçar matar a esposa e o enteado. Rapidamente os militares entraram na residência e detiveram o homem.

Em conversa com uma das vítimas, a mulher, os PMs foram informados que o homem já havia ameaçado-a de morte diversas vezes, inclusive havia declarado que iria atear fogo na casa onde a família vive. Ele também bateu no rosto do filho dela.

O homem foi preso em flagrante e depois foi encaminhado à delegacia.

10 anos de Lei Maria da Penha

A Lei Maria da Penha que neste domingo completou 10 anos foi uma grande conquista para amplificar um problema ‘ escondido’ , trouxe publicidade, abriu o caminho (e os olhos) para a sociedade, teve maior efetividade, mas ainda está longe do ideal. Esta é a opinião da delegada regional Magali Nunes Ignácio, 37 anos de profissão e, de certa forma, otimista, porque considera que há mais fatores positivos do que negativos nesta primeira década.

“A lei ampliou a rede de proteção da mulher, dos filhos e até abriu caminho para os agressores poder se tratar etc. Acho que o acesso, a rede de proteção e a justiça, as denúncias, tudo está mais ampliado e isso é positivo”, acrescentou a delegada.

Antes desta lei, segue a delegada, apesar de estarmos no século 21, a mulher era subjugada, a violência acontecia, mas diziam que ‘ mulher gosta de apanhar’ , como se ela merecesse apanhar. “E a mulher se colocava nesse papel, aceitava, calava, tinha medo e isso a lei mudou. Até os homens respeitam mais, porque antes da primeira reforma que a lei sofreu, eles não cumpriam. Hoje a lei tem o flagrante”, completou Magali.

Publicidade

Publicidade