Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Promotor bota a polícia em cima da Raka Construtora
Reprodução
Promotor Rosan pediu abertura de inquérito policial

Quinta, 4/8/2016 8:32.

Após o Página 3 divulgar ontem que diversos advogados procuraram a reportagem para denunciar que a Raka Construtora está vendendo imóveis sem Registro de Incorporação e praticando crime de estelionato no mercado de Balneário Camboriú, o promotor de defesa de consumidor, Rosan da Rocha, mesmo estando em férias, acionou a Polícia Civil para abertura de inquérito policial.

Com a publicação da reportagem, alguns leitores se manifestaram, alegando terem sido lesados pela Raka.

Nas imagens abaixo o contrato de compra e venda da sala 9 de um prédio construído pela Raka e a planta do edifício mostrando que não existe a sala 9.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Empregos

Mesmo com a construção civil ainda enfrentando dificuldades 


Mundo

Brasil, Colômbia, Equador, Costa Rica e Peru assinaram declaração conjunta 


Cidade

Empresa alega que  Balneário Camboriú é "estratégica" 


Cidade


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Especial

Festival de música eletrônica reuniu milhares de pessoas na virada do ano, em Rio Negrinho


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Promotor bota a polícia em cima da Raka Construtora

Reprodução
Promotor Rosan pediu abertura de inquérito policial
Promotor Rosan pediu abertura de inquérito policial
Quinta, 4/8/2016 8:32.

Após o Página 3 divulgar ontem que diversos advogados procuraram a reportagem para denunciar que a Raka Construtora está vendendo imóveis sem Registro de Incorporação e praticando crime de estelionato no mercado de Balneário Camboriú, o promotor de defesa de consumidor, Rosan da Rocha, mesmo estando em férias, acionou a Polícia Civil para abertura de inquérito policial.

Com a publicação da reportagem, alguns leitores se manifestaram, alegando terem sido lesados pela Raka.

Nas imagens abaixo o contrato de compra e venda da sala 9 de um prédio construído pela Raka e a planta do edifício mostrando que não existe a sala 9.

 

Publicidade

Publicidade