Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Cidadão faz nova denúncia contra Elton Garcia por corrupção
Reprodução
Eduardo Gomes Charão protocolando a denúncia agora à tarde na Câmara de Vereadores

Quarta, 3/8/2016 15:42.

O pré-candidato a vereador pelo Partido da Ordem Social (PROS) e integrante de movimentos sociais de combate à corrupção Eduardo Gomes Charão protocolou na tarde desta quarta-feira (3), na Câmara de Vereadores, denúncia contra o vereador Elton Garcia por receber propinas quando exercia o cargo de secretário de Obras da prefeitura.

Elton Garcia foi acusado de se apropriar de parte dos salários de dois funcionários da Câmara indicados por ele e teve seu mandato cassado, mas ontem o Tribunal de Justiça decidiu que ele deve voltar ao cargo devido a erros formais no processo de cassação.

Agora, a denúncia de Eduardo Gomes Charão é de outra natureza, corrupção no exercício do cargo de secretário de Obras, um dos diversos crimes que o Ministério Público acusa o vereador.

De acordo com a lei, qualquer cidadão pode denunciar vereadores corruptos e a denúncia deve ser lida e votada em plenário, na primeira sessão que ocorrer. Esta primeira sessão será hoje, ocasião em que Elton Garcia estará retornando ao plenário.

O denunciante disse ao Página 3 que "a justiça tem que se feita, que a verdade prevaleça e se comprovado o fato, que ele seja colocado na cadeia".

O teor da denúncia é o seguinte:

Balneário Camboriú, 03 de agosto de 2016

Ao Sr. Nilson Probst
Presidente da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú.
Via protocolo.

Eduardo Gomes Charão, brasileiro, contador, residente e domiciliado nesta cidade à Rua 2070, número 470, portador da cédula de identidade número 7.005.841/SC vem com base no Artigo 214 do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú apresentar DENÚNCIA contra o vereador ELTON GARCIA pelos seguintes fatos:

Em 28/9/2015 o Jornal Página 3 publicou reportagem sobre o que chamou de “provas acachapantes de corrupção contra o vereador Elton Garcia. O texto pode ser lido na íntegra aqui
(http://www.pagina3.com.br/policia/2015/set/28/1/provas-contra-vereador-elton-garcia-sao-acachapantes )

A reportagem mostrava que os empresários Maikol Holz e Elaine Andreia Polentini, da Camboriú Indústria e Comércio de Materiais de Construção Ltda, empresa fornecedora da Prefeitura de Balneário Camboriú, pagaram propinas regularmente a Elton Garcia, segundo o Ministério Público ao menos em 30 ocasiões.

As provas são mesmo acachapantes, a reportagem foi ilustrada com cópias dos cheques recebidos pelo vereador Elton Garcia a título de propina, conforme se vê abaixo.

 

 

A reportagem dizia também que “as investigações das autoridades mostraram depósitos desta empresa na conta de Patrícia de Oliveira, companheira do vereador. Foram R$ 20 mil no dia 10/04/2014 e R$ 5 mil no dia 28 do mesmo mês. Na busca realizada nos endereços do vereador foram encontrados três cheques repassados pela mesma empresa a Elton, todos no valor de R$ 20 mil, com datas para outubro, novembro e dezembro de 2014”.

No monitoramento telefônico feito pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas, Gaeco, no dia em que foi deflagrada a Operação Trato Feito, aparece o registro de um telefonema, dado do telefone celular do vereador Elton Garcia, pelo seu advogado Gelson Rodrigues, para o fornecedor da prefeitura Maikol Holz onde ele alerta este fornecedor para forjar uma versão que justificasse ter dado os cheques a Elton Garcia.

Neste telefonema, também noticiado pelo Jornal Página 3 em fevereiro de 2016 ( http://www.pagina3.com.br/politica/2016/fev/3/1/votacao-sobre-elton-garcia-encosta-vereadores-na-parede ) o advogado Gelson Rodrigues sugere que a história forjada envolva a negociação de um terreno e que o fornecedor elimine provas que eventualmente tivesse em seu escritório porque havia o risco do Gaeco fazer uma busca também naquele local.

Todos estes fatos estão detalhadamente relatados, com abundância de provas, na peça de acusação do Ministério Público relativa a Elton Garcia e outros réus enviada a essa Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú com autorização da justiça.

Apesar da cobertura da mídia e da direção da Câmara de Vereadores ter acesso a essas provas contundentes de corrupção envolvendo o vereador Elton Garcia, nenhuma providência, nenhuma iniciativa foi tomada pelos vereadores, como se fosse normal o Legislativo Municipal se calar quando um dos seus integrantes é surpreendido assaltando a coisa pública.

Dessa forma, devido à extrema gravidade dos fatos, e à omissão dos vereadores em tomar atitude, na condição de cidadão apresento esta denúncia de RECEBIMENTO DE PROPINAS POR PARTE DO VEREADOR ELTON GARCIA para que nos termos do Artigo 214 do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú seja lida em plenário na próxima reunião do Legislativo Municipal para que o plenário decida pelo seu recebimento ou não.

E que se recebida, seja processada nos termos da lei.
 

Eduardo Gomes Charão

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Cidadão faz nova denúncia contra Elton Garcia por corrupção

Reprodução
Eduardo Gomes Charão protocolando a denúncia agora à tarde na Câmara de Vereadores
Eduardo Gomes Charão protocolando a denúncia agora à tarde na Câmara de Vereadores
Quarta, 3/8/2016 15:42.

O pré-candidato a vereador pelo Partido da Ordem Social (PROS) e integrante de movimentos sociais de combate à corrupção Eduardo Gomes Charão protocolou na tarde desta quarta-feira (3), na Câmara de Vereadores, denúncia contra o vereador Elton Garcia por receber propinas quando exercia o cargo de secretário de Obras da prefeitura.

Elton Garcia foi acusado de se apropriar de parte dos salários de dois funcionários da Câmara indicados por ele e teve seu mandato cassado, mas ontem o Tribunal de Justiça decidiu que ele deve voltar ao cargo devido a erros formais no processo de cassação.

Agora, a denúncia de Eduardo Gomes Charão é de outra natureza, corrupção no exercício do cargo de secretário de Obras, um dos diversos crimes que o Ministério Público acusa o vereador.

De acordo com a lei, qualquer cidadão pode denunciar vereadores corruptos e a denúncia deve ser lida e votada em plenário, na primeira sessão que ocorrer. Esta primeira sessão será hoje, ocasião em que Elton Garcia estará retornando ao plenário.

O denunciante disse ao Página 3 que "a justiça tem que se feita, que a verdade prevaleça e se comprovado o fato, que ele seja colocado na cadeia".

O teor da denúncia é o seguinte:

Balneário Camboriú, 03 de agosto de 2016

Ao Sr. Nilson Probst
Presidente da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú.
Via protocolo.

Eduardo Gomes Charão, brasileiro, contador, residente e domiciliado nesta cidade à Rua 2070, número 470, portador da cédula de identidade número 7.005.841/SC vem com base no Artigo 214 do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú apresentar DENÚNCIA contra o vereador ELTON GARCIA pelos seguintes fatos:

Em 28/9/2015 o Jornal Página 3 publicou reportagem sobre o que chamou de “provas acachapantes de corrupção contra o vereador Elton Garcia. O texto pode ser lido na íntegra aqui
(http://www.pagina3.com.br/policia/2015/set/28/1/provas-contra-vereador-elton-garcia-sao-acachapantes )

A reportagem mostrava que os empresários Maikol Holz e Elaine Andreia Polentini, da Camboriú Indústria e Comércio de Materiais de Construção Ltda, empresa fornecedora da Prefeitura de Balneário Camboriú, pagaram propinas regularmente a Elton Garcia, segundo o Ministério Público ao menos em 30 ocasiões.

As provas são mesmo acachapantes, a reportagem foi ilustrada com cópias dos cheques recebidos pelo vereador Elton Garcia a título de propina, conforme se vê abaixo.

 

 

A reportagem dizia também que “as investigações das autoridades mostraram depósitos desta empresa na conta de Patrícia de Oliveira, companheira do vereador. Foram R$ 20 mil no dia 10/04/2014 e R$ 5 mil no dia 28 do mesmo mês. Na busca realizada nos endereços do vereador foram encontrados três cheques repassados pela mesma empresa a Elton, todos no valor de R$ 20 mil, com datas para outubro, novembro e dezembro de 2014”.

No monitoramento telefônico feito pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas, Gaeco, no dia em que foi deflagrada a Operação Trato Feito, aparece o registro de um telefonema, dado do telefone celular do vereador Elton Garcia, pelo seu advogado Gelson Rodrigues, para o fornecedor da prefeitura Maikol Holz onde ele alerta este fornecedor para forjar uma versão que justificasse ter dado os cheques a Elton Garcia.

Neste telefonema, também noticiado pelo Jornal Página 3 em fevereiro de 2016 ( http://www.pagina3.com.br/politica/2016/fev/3/1/votacao-sobre-elton-garcia-encosta-vereadores-na-parede ) o advogado Gelson Rodrigues sugere que a história forjada envolva a negociação de um terreno e que o fornecedor elimine provas que eventualmente tivesse em seu escritório porque havia o risco do Gaeco fazer uma busca também naquele local.

Todos estes fatos estão detalhadamente relatados, com abundância de provas, na peça de acusação do Ministério Público relativa a Elton Garcia e outros réus enviada a essa Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú com autorização da justiça.

Apesar da cobertura da mídia e da direção da Câmara de Vereadores ter acesso a essas provas contundentes de corrupção envolvendo o vereador Elton Garcia, nenhuma providência, nenhuma iniciativa foi tomada pelos vereadores, como se fosse normal o Legislativo Municipal se calar quando um dos seus integrantes é surpreendido assaltando a coisa pública.

Dessa forma, devido à extrema gravidade dos fatos, e à omissão dos vereadores em tomar atitude, na condição de cidadão apresento esta denúncia de RECEBIMENTO DE PROPINAS POR PARTE DO VEREADOR ELTON GARCIA para que nos termos do Artigo 214 do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú seja lida em plenário na próxima reunião do Legislativo Municipal para que o plenário decida pelo seu recebimento ou não.

E que se recebida, seja processada nos termos da lei.
 

Eduardo Gomes Charão

Publicidade

Publicidade