Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

DIC encerra investigação do caso Ícaro
Ícaro e Alois

Segunda, 4/4/2016 9:04.

Por falta de provas concretas, o frentista Alois Gebauer foi solto na terça-feira (29). Ele é suspeito de envolvimento no desaparecimento do menino Ícaro, sumido desde o Carnaval, de sua casa no Centro de Balneário Camboriu. O delegado Rodolfo Farah Valente Filho falou ao Página 3 que a Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Balneário, que ele comanda, encerrou a sua parte no caso.

Farah explica que repassou todas as informações que conseguiu apurar à Delegacia da Mulher, Criança e Adolescente da cidade. “Chegou ao ponto que precisamos de provas que não tivemos. Agora a delegacia especializada vai analisar os fatos”, diz.

Questionado sobre a soltura do padrasto Alois, o delegado afirma que no momento ele não tem mais interesse nenhum para eles. “Ele continua sendo o nosso principal suspeito, mas não temos mais o que trabalhar nele. Ele foi oficializado como suspeito, mas não temos como apontar que ele é o culpado”, explica.

Ele ressalta que a possibilidade de Ícaro estar morto continua sendo a mais forte. “Há chances de ele estar vivo, mas por conta da falta de informações do que aconteceu com ele é mais provável que ele esteja morto”, afirma.

“Estou indignado”, diz pai Jonathas Lima, pai biológico de Ícaro escreveu recentemente em seu Facebook o quanto está indignado por dizerem que o padrasto tinha um bom relacionamento com seu filho. “Estou indignado com tanta mentira. Todos que conheciam a Ariane e o padrasto sabiam que ele não gostava do meu filho, até a Ariane sabia. Estou revoltado. Chega de mentira, a verdade tem que prevalecer e quem errou tem que pagar. A única prioridade é o meu filho. Todos têm que saber a verdade”, disse.

Padrasto irá seguir sua vida

O advogado e irmão de Alois, Frederico Goedert Gebauer, diz que em sua opinião as investigações não encerraram, e sim apenas
a participação da DIC.

“Essa divisão é responsável pelas investigações criminais, vejo que agora eles vão partir para outro crime. Eu e a família esperamos que a Delegacia da Criança ou dos Desaparecidos continue no caso. Para mim só acaba a investigação policial quando o delegado encaminhar o inquérito ao Ministério Público”, informa.

Frederico salienta que se a polícia fechar o caso, ele e a família seguirão investigando. A respeito de Alois, que quando foi solto estava hospedado na casa de parentes, ele conta que o irmão já retornou para a casa da esposa Ariane.

“Não sei se ele vai retornar ao antigo trabalho ou se vai mudar de emprego, mas ele está tentando retomar a vida dele, apesar de estar muito abalado. Ele vê tudo o que aconteceu como uma injustiça”, diz.

Segundo ele, a mãe de Ícaro está aliviada com a soltura do marido, já que ela estava muito sozinha. “A soltura demonstrou que a princípio não há provas suficientes contra ele. Ela não tem motivos para desconfiar dele”, comenta.

Frederico reforça que em sua opinião e na da família, Ícaro está vivo. Ele conta que acredita que alguém o levou ou que o garoto saiu sozinho e foi raptado. “É uma situação bem peculiar, mas continuamos com esperança”, finaliza.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

DIC encerra investigação do caso Ícaro

Ícaro e Alois
Ícaro e Alois
Segunda, 4/4/2016 9:04.

Por falta de provas concretas, o frentista Alois Gebauer foi solto na terça-feira (29). Ele é suspeito de envolvimento no desaparecimento do menino Ícaro, sumido desde o Carnaval, de sua casa no Centro de Balneário Camboriu. O delegado Rodolfo Farah Valente Filho falou ao Página 3 que a Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Balneário, que ele comanda, encerrou a sua parte no caso.

Farah explica que repassou todas as informações que conseguiu apurar à Delegacia da Mulher, Criança e Adolescente da cidade. “Chegou ao ponto que precisamos de provas que não tivemos. Agora a delegacia especializada vai analisar os fatos”, diz.

Questionado sobre a soltura do padrasto Alois, o delegado afirma que no momento ele não tem mais interesse nenhum para eles. “Ele continua sendo o nosso principal suspeito, mas não temos mais o que trabalhar nele. Ele foi oficializado como suspeito, mas não temos como apontar que ele é o culpado”, explica.

Ele ressalta que a possibilidade de Ícaro estar morto continua sendo a mais forte. “Há chances de ele estar vivo, mas por conta da falta de informações do que aconteceu com ele é mais provável que ele esteja morto”, afirma.

“Estou indignado”, diz pai Jonathas Lima, pai biológico de Ícaro escreveu recentemente em seu Facebook o quanto está indignado por dizerem que o padrasto tinha um bom relacionamento com seu filho. “Estou indignado com tanta mentira. Todos que conheciam a Ariane e o padrasto sabiam que ele não gostava do meu filho, até a Ariane sabia. Estou revoltado. Chega de mentira, a verdade tem que prevalecer e quem errou tem que pagar. A única prioridade é o meu filho. Todos têm que saber a verdade”, disse.

Padrasto irá seguir sua vida

O advogado e irmão de Alois, Frederico Goedert Gebauer, diz que em sua opinião as investigações não encerraram, e sim apenas
a participação da DIC.

“Essa divisão é responsável pelas investigações criminais, vejo que agora eles vão partir para outro crime. Eu e a família esperamos que a Delegacia da Criança ou dos Desaparecidos continue no caso. Para mim só acaba a investigação policial quando o delegado encaminhar o inquérito ao Ministério Público”, informa.

Frederico salienta que se a polícia fechar o caso, ele e a família seguirão investigando. A respeito de Alois, que quando foi solto estava hospedado na casa de parentes, ele conta que o irmão já retornou para a casa da esposa Ariane.

“Não sei se ele vai retornar ao antigo trabalho ou se vai mudar de emprego, mas ele está tentando retomar a vida dele, apesar de estar muito abalado. Ele vê tudo o que aconteceu como uma injustiça”, diz.

Segundo ele, a mãe de Ícaro está aliviada com a soltura do marido, já que ela estava muito sozinha. “A soltura demonstrou que a princípio não há provas suficientes contra ele. Ela não tem motivos para desconfiar dele”, comenta.

Frederico reforça que em sua opinião e na da família, Ícaro está vivo. Ele conta que acredita que alguém o levou ou que o garoto saiu sozinho e foi raptado. “É uma situação bem peculiar, mas continuamos com esperança”, finaliza.

Publicidade

Publicidade