Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
Perguntas e respostas sobre o COVID-19 com o advogado Guilherme Juk Cattani

Sexta, 27/3/2020 12:28.
Divulgação
Guilherme Juk Cattani

Publicidade

Essencial pontuar de início que os argumentos trazidos, apesar de, em regra, estarem respaldados por lei e pela doutrina jurídica, naturalmente, pelo ineditismo do acontecimento (COVID-19) e pela insuficiência das normas para dispor sobre todas as possibilidades do mundo fático, tem caráter opinativo, isto é, é a interpretação jurídica desse advogado que vos escreve, o qual respeita profundamente qualquer opinião ou interpretação conflitante.

Posso solicitar a revisão do contrato com empresas enquadradas como atividades e serviços privados não essenciais, a exemplo de academias?

Neste caso, durante o período em que o estabelecimento estiver fechado, isto é, com a prestação de serviços interrompida, sem qualquer perspectiva de reposição ou composição feita junto ao consumidor, entendo que deva ser abatido proporcionalmente o valor inerente a interrupção. Se não for possível em razão da natureza do contrato (mensal), creio que haja embasamento para pedir a devolução do valor, sem qualquer cobrança de multas ou taxas.

É recomendável, inclusive pela literatura jurídica, que sempre se busque a conservação do contrato ao invés de seu rompimento, assim, se recomenda antes de qualquer medida mais enérgica (judicialização), a busca pela resolução amigável da situação, a fim de que se encontre uma medida tendente a aproximar as duas partes do equilíbrio contratual desejável.

Adquiri antecipadamente serviços hoteleiros, o que posso fazer?

Todo e qualquer consumidor que tenha adquirido serviços de hotelaria para utilizar durante o período em que se aplica lei proibitiva de órgãos públicos para seu funcionamento, deverá receber o reembolso ou, se desejar, reagendar para outra data, sem qualquer ônus, uma vez que é a parte, em tese, vulnerável na relação de consumo, não podendo a rede hoteleira se negar a oferecer esse direito.

Em relação a suspensão dos eventos e reuniões de qualquer natureza, de caráter público ou privado, incluídas excursões, cursos presenciais, missas e cultos religiosos, como se dará?

No momento estão proibidas toda e qualquer reunião presencial, independentemente do local e ou quantidade, entretanto, isso não impede que tais grupos realizem reuniões por videoconferência, ou qualquer outro modo que a rede mundial de computadores e a tecnologia nos disponibilizem.
Até audiências e outros atos forenses vêm sendo realizados remotamente, não sendo tão sacrificante, em um momento pandêmico, que as pessoas o façam.

Sobre os fornecedores, devo pagá-los normalmente?

Em relação aos fornecedores, é importante iniciar ressaltando a importância da tentativa da negociação e do diálogo amigável para que se busque o consenso nestes momentos sensíveis. O ineditismo do momento que estamos vivendo colocou todos os atores da relação de consumo em polvorosa e com receio de saírem prejudicados nos negócios jurídicos que participam.

No mundo jurídico, todo fato superveniente (posterior a celebração do contrato) que gere prejuízo excessivo pode dar ensejo a adequação e até resolução dos contratos, sendo o COVID-19, pelas suas circunstâncias e, resguardadas opiniões em contrário, compatível com esse conceito.

Logo, a primeira medida recomendada é entrar em contato com todos os fornecedores e buscar uma composição que fique adequada às partes, sempre privilegiando a conservação do contrato em detrimento de seu término. Se não for possível, recomendamos, se esse foi o desejo do consumidor, a interrupção do pagamento pelo período proporcional à suspensão regulamentada pelo poder público local ou então, o pedido de abatimento proporcional do valor, também simétrico ao período de interrupção da prestação de serviços ou fornecimento de produtos.

Em relação ao aluguel, posso solicitar a suspensão do pagamento pelo período em que estou proibido de exercer a minha atividade?

Esse é um dos temas mais espinhosos proporcionado por essa situação calamitosa que vivemos. Eis a minha visão. Particularmente, em que pese a necessidade, sempre, de se analisar caso a caso, creio que, a rigor, haja fundamentação legal para requerer o abatimento proporcional do valor, em razão do motivo de força maior que acomete o empreendedor, isto é, a imprevisibilidade, o prejuízo significativo ao seu negócio e todas as circunstâncias inerentes.

Contudo, se sugere, de igual forma a busca pela negociação extrajudicial destes contratos, pautada na boa fé e no bom senso das partes, com vistas a garantir o equilíbrio econômico financeiro do contrato, ou seja, evitando-se que apenas uma das partes suporte integralmente os prejuízos decorrentes da pandemia.

Estabelece O art. 18 da Lei do Inquilinato:

Art. 18. É lícito às partes fixar, de comum acordo, novo valor para o aluguel, bem como inserir ou modificar cláusula de reajuste.

Assim, locador e locatário podem acordar, por exemplo, a concessão de desconto no valor do aluguel, por prazo determinado (exemplo: 3 meses a contar do início da pandemia), ajustando valor que seja proporcional à restrição sofrida pelo locatário ou composição diversa.

Embora seja aplicável a lei específica (do Inquilinato) às relações locatícias, a revisão dos contratos também encontra respaldo na teoria da imprevisão, extraída do art. 317 do Código Civil:

[...] quando, por motivos imprevisíveis, sobrevier desproporção manifesta entre o valor da prestação devida e o momento de sua execução, poderá o juiz corrigi-lo, a pedido da parte, de modo que assegure, quanto possível, o valor real da prestação.

Em hipóteses extremas, poderá o locatário requerer, inclusive, a resolução do contrato, com base no art. 478 do Código Civil (teoria da onerosidade excessiva).

Preços abusivos de produtos em farmácias e comércios em geral

Não é raro vermos a colocação de produtos no mercado (sentido amplo) por preços completamente incompatíveis com aqueles praticados normalmente e isso obedece, a rigor, a conhecida regra mercadológica da oferta e demanda ou, para os juristas, o princípio do livre mercado, constitucionalmente previsto, entretanto, em paralelo a liberdade do empreendedor, também temos a proteção do consumidor, o qual não pode sofrer com métodos e precificações desarrazoadas, sobretudo em momento de calamidade pública, onde obviamente a sociedade encontra-se fragilizada e acabará por sucumbir, diante da emergente necessidade, a precificações e métodos abusivos.

Para estes casos, o Código de Defesa do Consumidor dispõe, em seu artigo 39, inciso X, sobre as condutas abusivas relacionadas ao preço e o artigo 79 do mesmo diploma legal prevê a agravante de fazê-lo em momento de calamidade, o que configura crime contra o consumidor.

O fornecedor de produtos ou serviços pode limitar a quantidade de produtos vendidos em momento considerado de calamidade?

Sim, pode. Todavia, a condição para esta limitação quantitativa está na publicidade visível ao consumidor desta restrição, isto é, anúncios visíveis avisando os potenciais compradores.

Prazo para entrega de obras da construção civil:

Entendo que o prazo outrora prometido pelas empresas da construção civil para entrega de obras deve ser postergado proporcionalmente ao prazo de paralisação coercitivamente imposto pelos órgãos governamentais.

Em que pese o Direito do Consumidor, em situações inéditas como essa pandemia, se deve analisar sempre pelo prisma da razoabilidade e da boa-fé em relação às partes. Nesse prisma, levando em conta que a descontinuidade não tem qualquer vinculação com as condutas empresariais e que não há o que possa ser feito para mudar esse quadro por parte das prestadoras de serviço e fornecedores de produtos envolvidos na cadeia de consumo da construção civil, a revisão do contrato com o prolongamento do prazo proporcional a interrupção obrigatória é à medida que se impõe.

As empresas podem dar férias aos funcionários nesse período?

Estabelece a MP (Medida Provisória) 927 que durante o estado de calamidade o empregador poderá dar férias individuais ou coletivas, com aviso prévio de 48h por escrito ou meio eletrônico.

O artigo 8º do referido diploma legal ainda prevê que o pagamento do adicional de um terço pode ser feito posterior a sua concessão, fixando como prazo máximo a data em que é devida a gratificação natalina, vejamos:

Art. 8º Para as férias concedidas durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregador poderá optar por efetuar o pagamento do adicional de um terço de férias após sua concessão, até a data em que é devida a gratificação natalina prevista no art. 1º da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965.

Funcionários de empresas consideradas “não essenciais” são obrigados a ir trabalhar durante o decreto?

No meu sentir, serviços não essenciais deverão ser feitos na modalidade home office (remotamente/meios digitais) e quando não for possível deverão ser interrompidos.

Escolas e demais empresas de prestação de serviços educacionais podem continuar cobrando mensalidade nesse período?

A resposta, para o delírio do senso comum, é: depende! Depende do que? Do caso concreto. O ponto a se analisar aqui é se a empresa de prestação de serviços educacionais conseguirá substituir ou repor as aulas perdidas de modo a não prejudicar, ou melhor, manter exatamente a mesma qualidade dos serviços prestados em caráter ordinário.

Vê-se que a alternativa adotada por muitas instituições de ensino é simplesmente a substituição das aulas presenciais pelo serviço online. Com todo respeito a quem pensa de forma diversa, mas entendo que, nesse caso, não havendo reposição a posteriori das aulas, deve haver, no mínimo, abatimento proporcional do valor inerente ao período que saiu prejudicado pelo método alternativo ou adotado outro método compensatório.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação
Guilherme Juk Cattani
Guilherme Juk Cattani

Perguntas e respostas sobre o COVID-19 com o advogado Guilherme Juk Cattani

Publicidade

Sexta, 27/3/2020 12:28.

Essencial pontuar de início que os argumentos trazidos, apesar de, em regra, estarem respaldados por lei e pela doutrina jurídica, naturalmente, pelo ineditismo do acontecimento (COVID-19) e pela insuficiência das normas para dispor sobre todas as possibilidades do mundo fático, tem caráter opinativo, isto é, é a interpretação jurídica desse advogado que vos escreve, o qual respeita profundamente qualquer opinião ou interpretação conflitante.

Posso solicitar a revisão do contrato com empresas enquadradas como atividades e serviços privados não essenciais, a exemplo de academias?

Neste caso, durante o período em que o estabelecimento estiver fechado, isto é, com a prestação de serviços interrompida, sem qualquer perspectiva de reposição ou composição feita junto ao consumidor, entendo que deva ser abatido proporcionalmente o valor inerente a interrupção. Se não for possível em razão da natureza do contrato (mensal), creio que haja embasamento para pedir a devolução do valor, sem qualquer cobrança de multas ou taxas.

É recomendável, inclusive pela literatura jurídica, que sempre se busque a conservação do contrato ao invés de seu rompimento, assim, se recomenda antes de qualquer medida mais enérgica (judicialização), a busca pela resolução amigável da situação, a fim de que se encontre uma medida tendente a aproximar as duas partes do equilíbrio contratual desejável.

Adquiri antecipadamente serviços hoteleiros, o que posso fazer?

Todo e qualquer consumidor que tenha adquirido serviços de hotelaria para utilizar durante o período em que se aplica lei proibitiva de órgãos públicos para seu funcionamento, deverá receber o reembolso ou, se desejar, reagendar para outra data, sem qualquer ônus, uma vez que é a parte, em tese, vulnerável na relação de consumo, não podendo a rede hoteleira se negar a oferecer esse direito.

Em relação a suspensão dos eventos e reuniões de qualquer natureza, de caráter público ou privado, incluídas excursões, cursos presenciais, missas e cultos religiosos, como se dará?

No momento estão proibidas toda e qualquer reunião presencial, independentemente do local e ou quantidade, entretanto, isso não impede que tais grupos realizem reuniões por videoconferência, ou qualquer outro modo que a rede mundial de computadores e a tecnologia nos disponibilizem.
Até audiências e outros atos forenses vêm sendo realizados remotamente, não sendo tão sacrificante, em um momento pandêmico, que as pessoas o façam.

Sobre os fornecedores, devo pagá-los normalmente?

Em relação aos fornecedores, é importante iniciar ressaltando a importância da tentativa da negociação e do diálogo amigável para que se busque o consenso nestes momentos sensíveis. O ineditismo do momento que estamos vivendo colocou todos os atores da relação de consumo em polvorosa e com receio de saírem prejudicados nos negócios jurídicos que participam.

No mundo jurídico, todo fato superveniente (posterior a celebração do contrato) que gere prejuízo excessivo pode dar ensejo a adequação e até resolução dos contratos, sendo o COVID-19, pelas suas circunstâncias e, resguardadas opiniões em contrário, compatível com esse conceito.

Logo, a primeira medida recomendada é entrar em contato com todos os fornecedores e buscar uma composição que fique adequada às partes, sempre privilegiando a conservação do contrato em detrimento de seu término. Se não for possível, recomendamos, se esse foi o desejo do consumidor, a interrupção do pagamento pelo período proporcional à suspensão regulamentada pelo poder público local ou então, o pedido de abatimento proporcional do valor, também simétrico ao período de interrupção da prestação de serviços ou fornecimento de produtos.

Em relação ao aluguel, posso solicitar a suspensão do pagamento pelo período em que estou proibido de exercer a minha atividade?

Esse é um dos temas mais espinhosos proporcionado por essa situação calamitosa que vivemos. Eis a minha visão. Particularmente, em que pese a necessidade, sempre, de se analisar caso a caso, creio que, a rigor, haja fundamentação legal para requerer o abatimento proporcional do valor, em razão do motivo de força maior que acomete o empreendedor, isto é, a imprevisibilidade, o prejuízo significativo ao seu negócio e todas as circunstâncias inerentes.

Contudo, se sugere, de igual forma a busca pela negociação extrajudicial destes contratos, pautada na boa fé e no bom senso das partes, com vistas a garantir o equilíbrio econômico financeiro do contrato, ou seja, evitando-se que apenas uma das partes suporte integralmente os prejuízos decorrentes da pandemia.

Estabelece O art. 18 da Lei do Inquilinato:

Art. 18. É lícito às partes fixar, de comum acordo, novo valor para o aluguel, bem como inserir ou modificar cláusula de reajuste.

Assim, locador e locatário podem acordar, por exemplo, a concessão de desconto no valor do aluguel, por prazo determinado (exemplo: 3 meses a contar do início da pandemia), ajustando valor que seja proporcional à restrição sofrida pelo locatário ou composição diversa.

Embora seja aplicável a lei específica (do Inquilinato) às relações locatícias, a revisão dos contratos também encontra respaldo na teoria da imprevisão, extraída do art. 317 do Código Civil:

[...] quando, por motivos imprevisíveis, sobrevier desproporção manifesta entre o valor da prestação devida e o momento de sua execução, poderá o juiz corrigi-lo, a pedido da parte, de modo que assegure, quanto possível, o valor real da prestação.

Em hipóteses extremas, poderá o locatário requerer, inclusive, a resolução do contrato, com base no art. 478 do Código Civil (teoria da onerosidade excessiva).

Preços abusivos de produtos em farmácias e comércios em geral

Não é raro vermos a colocação de produtos no mercado (sentido amplo) por preços completamente incompatíveis com aqueles praticados normalmente e isso obedece, a rigor, a conhecida regra mercadológica da oferta e demanda ou, para os juristas, o princípio do livre mercado, constitucionalmente previsto, entretanto, em paralelo a liberdade do empreendedor, também temos a proteção do consumidor, o qual não pode sofrer com métodos e precificações desarrazoadas, sobretudo em momento de calamidade pública, onde obviamente a sociedade encontra-se fragilizada e acabará por sucumbir, diante da emergente necessidade, a precificações e métodos abusivos.

Para estes casos, o Código de Defesa do Consumidor dispõe, em seu artigo 39, inciso X, sobre as condutas abusivas relacionadas ao preço e o artigo 79 do mesmo diploma legal prevê a agravante de fazê-lo em momento de calamidade, o que configura crime contra o consumidor.

O fornecedor de produtos ou serviços pode limitar a quantidade de produtos vendidos em momento considerado de calamidade?

Sim, pode. Todavia, a condição para esta limitação quantitativa está na publicidade visível ao consumidor desta restrição, isto é, anúncios visíveis avisando os potenciais compradores.

Prazo para entrega de obras da construção civil:

Entendo que o prazo outrora prometido pelas empresas da construção civil para entrega de obras deve ser postergado proporcionalmente ao prazo de paralisação coercitivamente imposto pelos órgãos governamentais.

Em que pese o Direito do Consumidor, em situações inéditas como essa pandemia, se deve analisar sempre pelo prisma da razoabilidade e da boa-fé em relação às partes. Nesse prisma, levando em conta que a descontinuidade não tem qualquer vinculação com as condutas empresariais e que não há o que possa ser feito para mudar esse quadro por parte das prestadoras de serviço e fornecedores de produtos envolvidos na cadeia de consumo da construção civil, a revisão do contrato com o prolongamento do prazo proporcional a interrupção obrigatória é à medida que se impõe.

As empresas podem dar férias aos funcionários nesse período?

Estabelece a MP (Medida Provisória) 927 que durante o estado de calamidade o empregador poderá dar férias individuais ou coletivas, com aviso prévio de 48h por escrito ou meio eletrônico.

O artigo 8º do referido diploma legal ainda prevê que o pagamento do adicional de um terço pode ser feito posterior a sua concessão, fixando como prazo máximo a data em que é devida a gratificação natalina, vejamos:

Art. 8º Para as férias concedidas durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregador poderá optar por efetuar o pagamento do adicional de um terço de férias após sua concessão, até a data em que é devida a gratificação natalina prevista no art. 1º da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965.

Funcionários de empresas consideradas “não essenciais” são obrigados a ir trabalhar durante o decreto?

No meu sentir, serviços não essenciais deverão ser feitos na modalidade home office (remotamente/meios digitais) e quando não for possível deverão ser interrompidos.

Escolas e demais empresas de prestação de serviços educacionais podem continuar cobrando mensalidade nesse período?

A resposta, para o delírio do senso comum, é: depende! Depende do que? Do caso concreto. O ponto a se analisar aqui é se a empresa de prestação de serviços educacionais conseguirá substituir ou repor as aulas perdidas de modo a não prejudicar, ou melhor, manter exatamente a mesma qualidade dos serviços prestados em caráter ordinário.

Vê-se que a alternativa adotada por muitas instituições de ensino é simplesmente a substituição das aulas presenciais pelo serviço online. Com todo respeito a quem pensa de forma diversa, mas entendo que, nesse caso, não havendo reposição a posteriori das aulas, deve haver, no mínimo, abatimento proporcional do valor inerente ao período que saiu prejudicado pelo método alternativo ou adotado outro método compensatório.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade