Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
Os neo-bolsonaristas de Balneário Camboriú

Quarta, 26/2/2020 8:41.
Pierre Albouy
Damares Alves, uma das líderes dos neo-bolsonaristas.

Publicidade

É pornográfico assistir o prefeito Fabrício Oliveira, o vice-prefeito Carlos Humberto Metzner Silva e a secretária municipal de Desenvolvimento e Inclusão Social, Anna Christina Barichello, dentre outros, fazendo repetidas postagens de apoio incondicional ao governo Bolsonaro.

Fabrício, criado no Partido da Social Democracia Brasileira, foi eleito e continua filiado ao Partido Socialista Brasileiro, aquele que se define como herdeiro da Esquerda Democrática.

Carlos Humberto conviveu desde criança com pessoas da Arena (o partido da ditadura militar que mais tarde virou PDS, PFL e hoje se chama DEM), mas optou por construir sua carreira política no PR (hoje PL), partido com extensa ficha de corrupção.

Christina (cujo pai Walter foi precursor dos movimentos populares em Balneário Camboriú, com a criação do PDT e a aliança com o PT que levou Leonel Pavan e Aristo Manoel Pereira ao poder municipal) vem da esquerda, do Partido Popular Socialista e do Partido Trabalhista Brasileiro, pelo qual disputou a eleição em 2016.

Agora são todos bolsonaristas o que parece não passar de oportunismo, já que expressiva parcela dos eleitores de Balneário Camboriú apoia o presidente Bolsonaro.

Apoia por enquanto, nos últimos 30 anos Balneário Camboriú não elegeu um único prefeito à direita do espectro político, todos vieram de partidos de esquerda ou centro-esquerda. E, com exceção da primeira eleição de Pavan+Aristo, as demais não sofreram influências ideológicas, o que decidiu o voto foi se o prefeito ia bem ou mal.

Então é melhor o trio parar de puxar o saco do Bolsonaro e tratar de cuidar da cidade.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Pierre Albouy
Damares Alves, uma das líderes dos neo-bolsonaristas.
Damares Alves, uma das líderes dos neo-bolsonaristas.

Os neo-bolsonaristas de Balneário Camboriú

Publicidade

Quarta, 26/2/2020 8:41.

É pornográfico assistir o prefeito Fabrício Oliveira, o vice-prefeito Carlos Humberto Metzner Silva e a secretária municipal de Desenvolvimento e Inclusão Social, Anna Christina Barichello, dentre outros, fazendo repetidas postagens de apoio incondicional ao governo Bolsonaro.

Fabrício, criado no Partido da Social Democracia Brasileira, foi eleito e continua filiado ao Partido Socialista Brasileiro, aquele que se define como herdeiro da Esquerda Democrática.

Carlos Humberto conviveu desde criança com pessoas da Arena (o partido da ditadura militar que mais tarde virou PDS, PFL e hoje se chama DEM), mas optou por construir sua carreira política no PR (hoje PL), partido com extensa ficha de corrupção.

Christina (cujo pai Walter foi precursor dos movimentos populares em Balneário Camboriú, com a criação do PDT e a aliança com o PT que levou Leonel Pavan e Aristo Manoel Pereira ao poder municipal) vem da esquerda, do Partido Popular Socialista e do Partido Trabalhista Brasileiro, pelo qual disputou a eleição em 2016.

Agora são todos bolsonaristas o que parece não passar de oportunismo, já que expressiva parcela dos eleitores de Balneário Camboriú apoia o presidente Bolsonaro.

Apoia por enquanto, nos últimos 30 anos Balneário Camboriú não elegeu um único prefeito à direita do espectro político, todos vieram de partidos de esquerda ou centro-esquerda. E, com exceção da primeira eleição de Pavan+Aristo, as demais não sofreram influências ideológicas, o que decidiu o voto foi se o prefeito ia bem ou mal.

Então é melhor o trio parar de puxar o saco do Bolsonaro e tratar de cuidar da cidade.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade