Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
Desculpe professor, mas não faltará água

Nosso problema não é o rio e sim a falta de reservatórios de água bruta

Quarta, 10/1/2018 8:37.

Publicidade

(Waldemar Cezar Neto/JP3) - O professor Marcos Polette, da Univali, reafirmou em postagem no Facebook o que disse ao "Fantástico" no último domingo: no futuro próximo faltará água para abastecer Camboriú e Balneário Camboriú.

Ele escreveu “a dimensão escalar da bacia do rio Camboriú, o processo de incremento populacional, a favelização de Camboriú, as práticas inadequadas de uso e ocupação do solo, a falta de recursos e prioridade para os órgãos ambientais, a falta de respeito para com a comunidade acadêmica, são apenas alguns dos graves problemas que ocorrem na região. Os desafios são hercúleos...”.

Longe de mim querer discutir com um acadêmico tão conhecedor do assunto, mas citarei alguns números para sustentar minha tese que não faltará água nem no futuro próximo nem no distante.

Em longo prazo porque esta região é servida por dois grandes rios, o Tijucas e o Itajaí. Em linha reta dá 35 Km e basta fazer um duto na beira da BR-101 para atender com água abundante todo o litoral Centro Norte Catarinense.

Atender as cidades de Bombinhas, Porto Belo, Itapema, Camboriú, Itajaí etc. com um cano de 35 Km apenas e bombas puxando água naqueles rios.

Solução mais simples e econômica foi planejada pelas prefeituras de Camboriú e Balneário Camboriú: desapropriar 300 hectares de arrozeiras em Camboriú e fazer um lago.

Se esse grande reservatório tiver um metro de lâmina d´água, será suficiente para abastecer o consumo normal das duas cidades durante 50 dias. Se tiver um metro e meio, abastecerá por dois meses e meio sem necessidade de tirar um único litro do rio Camboriú.

Me dei ao trabalho de consultar os índices pluviométricos e calculei que só a água da chuva caindo nesse grande lago abasteceria as duas cidades em até 10 dias no mês de janeiro. Isso também sem tirar um litro do Camboriú.

Os meses historicamente com menos chuva na região (junho, julho e agosto) são também os que consumimos menos água.

Repetindo, não sou acadêmico, nunca estudei hidrologia, geografia, oceanografia ou astrologia, mas sei fazer contas; conheço bem o rio Camboriú e pesquisei e escrevi sobre água, Casan, Emasa etc, nas últimas duas décadas e meia.

Nosso problema não é o rio e sim estocar água bruta. Se 300 hectares não são suficientes para o lago que desapropriem 600 ou façam o duto entre os rios Tijucas e Itajaí.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Desculpe professor, mas não faltará água

Nosso problema não é o rio e sim a falta de reservatórios de água bruta

Publicidade

Quarta, 10/1/2018 8:37.

(Waldemar Cezar Neto/JP3) - O professor Marcos Polette, da Univali, reafirmou em postagem no Facebook o que disse ao "Fantástico" no último domingo: no futuro próximo faltará água para abastecer Camboriú e Balneário Camboriú.

Ele escreveu “a dimensão escalar da bacia do rio Camboriú, o processo de incremento populacional, a favelização de Camboriú, as práticas inadequadas de uso e ocupação do solo, a falta de recursos e prioridade para os órgãos ambientais, a falta de respeito para com a comunidade acadêmica, são apenas alguns dos graves problemas que ocorrem na região. Os desafios são hercúleos...”.

Longe de mim querer discutir com um acadêmico tão conhecedor do assunto, mas citarei alguns números para sustentar minha tese que não faltará água nem no futuro próximo nem no distante.

Em longo prazo porque esta região é servida por dois grandes rios, o Tijucas e o Itajaí. Em linha reta dá 35 Km e basta fazer um duto na beira da BR-101 para atender com água abundante todo o litoral Centro Norte Catarinense.

Atender as cidades de Bombinhas, Porto Belo, Itapema, Camboriú, Itajaí etc. com um cano de 35 Km apenas e bombas puxando água naqueles rios.

Solução mais simples e econômica foi planejada pelas prefeituras de Camboriú e Balneário Camboriú: desapropriar 300 hectares de arrozeiras em Camboriú e fazer um lago.

Se esse grande reservatório tiver um metro de lâmina d´água, será suficiente para abastecer o consumo normal das duas cidades durante 50 dias. Se tiver um metro e meio, abastecerá por dois meses e meio sem necessidade de tirar um único litro do rio Camboriú.

Me dei ao trabalho de consultar os índices pluviométricos e calculei que só a água da chuva caindo nesse grande lago abasteceria as duas cidades em até 10 dias no mês de janeiro. Isso também sem tirar um litro do Camboriú.

Os meses historicamente com menos chuva na região (junho, julho e agosto) são também os que consumimos menos água.

Repetindo, não sou acadêmico, nunca estudei hidrologia, geografia, oceanografia ou astrologia, mas sei fazer contas; conheço bem o rio Camboriú e pesquisei e escrevi sobre água, Casan, Emasa etc, nas últimas duas décadas e meia.

Nosso problema não é o rio e sim estocar água bruta. Se 300 hectares não são suficientes para o lago que desapropriem 600 ou façam o duto entre os rios Tijucas e Itajaí.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade