Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Negócios
Volkswagen entra no segmento de SUVs para tentar ampliar mercado

Terça, 3/4/2018 17:10.
Divulgação.

Publicidade

TATIANA VAZ
SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, PR (FOLHAPRESS) - A Volkswagen anunciou na manhã desta terça-feira (3) o investimento de R$ 2 bilhões para o início da produção do T-Cross, o primeiro SUV feito pela companhia no Brasil. O modelo será produzido na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, e chega ao mercado no primeiro semestre de 2019.

De acordo com Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul e Brasil, de cada dez veículos vendidos hoje no Brasil, dois são utilitários esportivos, motivo pelo qual a montadora está investindo no segmento.

O desembolso faz parte do plano da montadora alemã de investir R$ 7 bilhões no Brasil e lançar 20 modelos até 2020, sendo 5 deles SUVs. Das novidades, 13 serão produzidas no país, 2 na Argentina e 5 serão importadas.

"Vamos ampliar nossa participação em segmentos de volume [automóveis comerciais leves] e colocar em prática a maior ofensiva de produtos da história da Volkswagen no Brasil", disse ele.

Atualmente, a companhia participa de 70% dessas ofertas no mercado brasileiro. O objetivo é passar a concorrer em 92% nos próximos dois anos.

"Ficamos muito tempo na terceira colocação [do setor automotivo brasileiro] por falta de produtos. Com o lançamento temos agora todas as ferramentas para voltar a liderar o mercado até 2020".

Os planos da companhia previam um crescimento de mercado de 40% em quatro anos, a partir de 2017. Mas a recuperação da economia do país e do aumento do consumo fez com que as metas fossem ajustadas para serem alcançadas um ano antes.

Apenas no primeiro trimestre o mercado cresceu 14,7%, enquanto as vendas da Volkswagen tiveram um incremento de 31,7%, "o maior índice entre as maiores montadoras do país", disse Di Si.

MODERNIZAÇÃO

Do aporte total no novo modelo, de R$ 2 bilhões, R$ 600 milhões serão para o desenvolvimento, testes e validação da produção na fábrica de São José dos Pinhais, onde também são produzidos os modelos Fox, Golf e os Audi A3 Sedã e Q3.

O outro R$ 1,4 bilhão serão destinados à ampliação e modernização da fábrica onde o modelo será produzido com novas máquinas, centenas de robôs e a volta gradual dos empregados com contratos de trabalho suspensos (lay-off).

Em janeiro de 2019, a unidade de São José dos Pinhais volta a ter mais um turno e passa a operar com todos 2.600 funcionários. Dos funcionários suspensos, 450 voltaram a trabalhar em março e os outros 321 devem retornar até janeiro. Novas contratações não estão previstas.

A fábrica no entanto, lembrou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e Região, chegou a empregar mais de 5.000 no início dos anos 2.000.

Atualmente, a unidade está em parada técnica recebendo os ajustes para a chegada do T-Cross, que será feito na chamada matriz modular transversal, mesma plataforma de padronização de modelos globais, como o Passat e o Golf. A volta da operação acontece até o final de abril.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação.

Volkswagen entra no segmento de SUVs para tentar ampliar mercado

Publicidade

Terça, 3/4/2018 17:10.

TATIANA VAZ
SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, PR (FOLHAPRESS) - A Volkswagen anunciou na manhã desta terça-feira (3) o investimento de R$ 2 bilhões para o início da produção do T-Cross, o primeiro SUV feito pela companhia no Brasil. O modelo será produzido na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, e chega ao mercado no primeiro semestre de 2019.

De acordo com Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul e Brasil, de cada dez veículos vendidos hoje no Brasil, dois são utilitários esportivos, motivo pelo qual a montadora está investindo no segmento.

O desembolso faz parte do plano da montadora alemã de investir R$ 7 bilhões no Brasil e lançar 20 modelos até 2020, sendo 5 deles SUVs. Das novidades, 13 serão produzidas no país, 2 na Argentina e 5 serão importadas.

"Vamos ampliar nossa participação em segmentos de volume [automóveis comerciais leves] e colocar em prática a maior ofensiva de produtos da história da Volkswagen no Brasil", disse ele.

Atualmente, a companhia participa de 70% dessas ofertas no mercado brasileiro. O objetivo é passar a concorrer em 92% nos próximos dois anos.

"Ficamos muito tempo na terceira colocação [do setor automotivo brasileiro] por falta de produtos. Com o lançamento temos agora todas as ferramentas para voltar a liderar o mercado até 2020".

Os planos da companhia previam um crescimento de mercado de 40% em quatro anos, a partir de 2017. Mas a recuperação da economia do país e do aumento do consumo fez com que as metas fossem ajustadas para serem alcançadas um ano antes.

Apenas no primeiro trimestre o mercado cresceu 14,7%, enquanto as vendas da Volkswagen tiveram um incremento de 31,7%, "o maior índice entre as maiores montadoras do país", disse Di Si.

MODERNIZAÇÃO

Do aporte total no novo modelo, de R$ 2 bilhões, R$ 600 milhões serão para o desenvolvimento, testes e validação da produção na fábrica de São José dos Pinhais, onde também são produzidos os modelos Fox, Golf e os Audi A3 Sedã e Q3.

O outro R$ 1,4 bilhão serão destinados à ampliação e modernização da fábrica onde o modelo será produzido com novas máquinas, centenas de robôs e a volta gradual dos empregados com contratos de trabalho suspensos (lay-off).

Em janeiro de 2019, a unidade de São José dos Pinhais volta a ter mais um turno e passa a operar com todos 2.600 funcionários. Dos funcionários suspensos, 450 voltaram a trabalhar em março e os outros 321 devem retornar até janeiro. Novas contratações não estão previstas.

A fábrica no entanto, lembrou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e Região, chegou a empregar mais de 5.000 no início dos anos 2.000.

Atualmente, a unidade está em parada técnica recebendo os ajustes para a chegada do T-Cross, que será feito na chamada matriz modular transversal, mesma plataforma de padronização de modelos globais, como o Passat e o Golf. A volta da operação acontece até o final de abril.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade