Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Mundo
Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

As Forças Armadas da Bolívia pediram que ele entregasse o cargo

Domingo, 10/11/2019 23:22.
Reprodução
Evo Morales

Publicidade

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou sua renúncia neste domingo para pacificar o país, após semanas de protestos violentos contra os resultados da eleição presidencial de 20 de outubro.

Horas antes, o comandante das Forças Armadas da Bolívia, Williams Kaliman, havia pedido que Morales renunciasse ao cargo.

Pela manhã, Morales anunciou a convocação de um novo pleito eleitoral, depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmou em um relatório preliminar ter observado sérias irregularidades nos resultados da eleição de outubro.

Além disso, a Procuradoria-Geral da Bolívia anunciou hoje o início de ações legais contra juízes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do país por supostos "atos eleitorais ilícitos" e dois ministros de Morales renunciaram dizendo que suas decisões buscam ajudar na pacificação do país.


Fonte: Associated Press


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução
Evo Morales
Evo Morales

Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

As Forças Armadas da Bolívia pediram que ele entregasse o cargo

Publicidade

Domingo, 10/11/2019 23:22.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou sua renúncia neste domingo para pacificar o país, após semanas de protestos violentos contra os resultados da eleição presidencial de 20 de outubro.

Horas antes, o comandante das Forças Armadas da Bolívia, Williams Kaliman, havia pedido que Morales renunciasse ao cargo.

Pela manhã, Morales anunciou a convocação de um novo pleito eleitoral, depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmou em um relatório preliminar ter observado sérias irregularidades nos resultados da eleição de outubro.

Além disso, a Procuradoria-Geral da Bolívia anunciou hoje o início de ações legais contra juízes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do país por supostos "atos eleitorais ilícitos" e dois ministros de Morales renunciaram dizendo que suas decisões buscam ajudar na pacificação do país.


Fonte: Associated Press


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade