Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Mundo
América Latina pede a Maduro que aceite ajuda humanitária para conter êxodo de venezuelanos

Quarta, 5/9/2018 19:10.
Marlene Bergamo/Folhapress
O presidente Venezuelano Nicolás Maduro durante entrevista concedida a FOLHA, em Caracas 28.03..2014

Publicidade

(FOLHAPRESS)

A América Latina pediu nesta terça-feira (5) ao governo de Nicolás Maduro que aceite ajuda humanitária, a fim de "descomprimir" a crise que está por trás da migração em massa de venezuelanos pela região, em reunião em Quito, no Equador.

Apesar da insistência de Caracas em negar as dimensões do fenômeno, os delegados de 11 governos reunidos em Quito assinaram uma declaração que pede que Maduro receba a cooperação.

As nações que assinaram "fazem um pedido pela abertura de um mecanismo de assistência humanitária que permita descomprimir a crítica situação, dando atenção imediata na origem aos cidadãos afetados", diz o texto.

No evento técnico, que terminou após dois dias de deliberações, participaram 13 países. A Bolívia, aliada da Venezuela, se absteve de assinar o texto, enquanto a República Dominicana sinalizou que o faria depois, porque seu governo foi representado por um conselheiro da embaixada.

Com o novo pronunciamento, a região se distancia ainda mais da visão de Maduro sobre o que está acontecendo no país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Marlene Bergamo/Folhapress
O presidente Venezuelano Nicolás Maduro durante entrevista concedida a FOLHA, em Caracas 28.03..2014
O presidente Venezuelano Nicolás Maduro durante entrevista concedida a FOLHA, em Caracas 28.03..2014

América Latina pede a Maduro que aceite ajuda humanitária para conter êxodo de venezuelanos

Publicidade

Quarta, 5/9/2018 19:10.

(FOLHAPRESS)

A América Latina pediu nesta terça-feira (5) ao governo de Nicolás Maduro que aceite ajuda humanitária, a fim de "descomprimir" a crise que está por trás da migração em massa de venezuelanos pela região, em reunião em Quito, no Equador.

Apesar da insistência de Caracas em negar as dimensões do fenômeno, os delegados de 11 governos reunidos em Quito assinaram uma declaração que pede que Maduro receba a cooperação.

As nações que assinaram "fazem um pedido pela abertura de um mecanismo de assistência humanitária que permita descomprimir a crítica situação, dando atenção imediata na origem aos cidadãos afetados", diz o texto.

No evento técnico, que terminou após dois dias de deliberações, participaram 13 países. A Bolívia, aliada da Venezuela, se absteve de assinar o texto, enquanto a República Dominicana sinalizou que o faria depois, porque seu governo foi representado por um conselheiro da embaixada.

Com o novo pronunciamento, a região se distancia ainda mais da visão de Maduro sobre o que está acontecendo no país.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade