Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Mundo
Após 45 anos, Chile condena militares por morte de Víctor Jara

Na ditadura chilena cerca de 3.200 pessoas foram mortas e 28 mil torturadas.

Quarta, 4/7/2018 8:54.
EBC.

Publicidade

(FOLHAPRESS) - A Justiça chilena condenou nesta terça-feira (3) nove militares da reserva pelo assassinato do cantor e ativista Víctor Jara, em 1973.

Jara foi detido, torturado e assassinado com 44 tiros em um complexo esportivo na capital chilena dias após o golpe militar que instalou no poder a ditadura do general Augusto Pinochet, em 11 de setembro de 1973.

Dos nove condenados, oito foram sentenciados a 15 anos e um dia de prisão pelo assassinato de Jara e do ex-diretor prisional Littre Quiroga Carvajal.

A pena do outro militar foi de cinco anos, por seu papel no acobertamento dos assassinatos.

Jara, na época com 40 anos, era um conhecido cantor, diretor teatral e professor universitário que simpatizava com o governo socialista de Salvador Allende, que foi deposto no golpe de 1973.

O trabalho de Jara e a natureza da sua morte inspiraram tributos de artistas incluindo Bruce Springsteen, The Clash e U2.

O cantor foi preso com alunos, colegas acadêmicos e diversos outros simpatizantes da esquerda em um complexo esportivo -que hoje leva o seu nome.

Segundo testemunhas que também foram detidas na ocasião, as mãos de Jara foram esmagadas com o cano de uma arma e ele foi duramente espancado durante seu encarceramento.

Durante a ditadura de Pinochet, que durou até 1990, cerca de 3.200 pessoas foram mortas, e 28 mil, torturadas pelo Estado.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.

Após 45 anos, Chile condena militares por morte de Víctor Jara

Na ditadura chilena cerca de 3.200 pessoas foram mortas e 28 mil torturadas.

Publicidade

Quarta, 4/7/2018 8:54.

(FOLHAPRESS) - A Justiça chilena condenou nesta terça-feira (3) nove militares da reserva pelo assassinato do cantor e ativista Víctor Jara, em 1973.

Jara foi detido, torturado e assassinado com 44 tiros em um complexo esportivo na capital chilena dias após o golpe militar que instalou no poder a ditadura do general Augusto Pinochet, em 11 de setembro de 1973.

Dos nove condenados, oito foram sentenciados a 15 anos e um dia de prisão pelo assassinato de Jara e do ex-diretor prisional Littre Quiroga Carvajal.

A pena do outro militar foi de cinco anos, por seu papel no acobertamento dos assassinatos.

Jara, na época com 40 anos, era um conhecido cantor, diretor teatral e professor universitário que simpatizava com o governo socialista de Salvador Allende, que foi deposto no golpe de 1973.

O trabalho de Jara e a natureza da sua morte inspiraram tributos de artistas incluindo Bruce Springsteen, The Clash e U2.

O cantor foi preso com alunos, colegas acadêmicos e diversos outros simpatizantes da esquerda em um complexo esportivo -que hoje leva o seu nome.

Segundo testemunhas que também foram detidas na ocasião, as mãos de Jara foram esmagadas com o cano de uma arma e ele foi duramente espancado durante seu encarceramento.

Durante a ditadura de Pinochet, que durou até 1990, cerca de 3.200 pessoas foram mortas, e 28 mil, torturadas pelo Estado.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade