Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Mundo
TURISMO - Na Califórnia, sai sardinha em lata e entra pesca sustentável

Cannery Row, uma história de ocaso e renascimento.

Quinta, 30/8/2018 8:30.
MotoGeo

Publicidade

EDUARDO SODRÉ
CALIFÓRNIA, EUA (FOLHAPRESS) - Cannery Row não é uma cidade nem um bairro. Se for interpretada ao pé da letra, trata-se apenas de uma rua de Monterey, na parte central da costa da Califórnia (EUA). O que transforma essa localidade em algo especial é sua história de ocaso e renascimento, bem ao gosto americano.

O nome vem da principal atividade da região na primeira metade do século 20: o processamento de sardinhas em lata. "Cannery row" quer dizer linha de produção de conservas.

As empresas se expandiram rapidamente nas décadas de 1910 e 1920, e a demanda por enlatados cresceu durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A região resistiu à Grande Depressão americana (1929) e, com o mundo novamente em conflito (1939-1945), nada parecia ser capaz de frear a produção das fábricas locais.

Entretanto, nos anos 1950, os cardumes de sardinhas desapareceram daquele pedaço do oceano Pacífico, resultado da pesca desordenada.

As empresas criadas por imigrantes chineses, japoneses, espanhóis e escandinavos quebraram. O luto durou até o fim dos anos 1960, quando moradores começaram a reerguer a comunidade. Os galpões das fábricas de enlatados que permaneciam de pé foram transformados em restaurantes e lojas.

O chef Bert Cutino é filho da geração que viu Cannery Row quebrar e um dos primeiros a apostar em sua volta por cima. Em 1968, ele abriu o restaurante The Sardine Factory, considerado um dos melhores de Monterey.

Os pratos se equilibram entre o sofisticado e o pitoresco. A bola de sorbet de morango e banana servida no meio de um menu degustação improvisado vem dentro de um cisne feito de gelo.

Bert gosta de mostrar o subsolo do restaurante, que parece uma cave renascentista. Lá fica a adega com 84 rótulos diferentes de vinhos e uma sala para eventos reservados. Há também um pequeno quarto para clientes ilustres. Segundo o chef, Arnold Schwarzenegger está sempre por lá.

E, sim, há sardinhas no cardápio. O peixe está em uma das entradas e custa US$ 15,50 (R$ 64). Bert ressalta que a pesca hoje é sustentável.

A preservação do ecossistema local é a maior obsessão em Cannery Row. A região tornou-se um santuário para focas e lontras, que podem ser observadas de longe em passeios de caiaque. O aluguel de uma hora dessas embarcações custa a partir de US$ 35 (R$ 144) na loja Adventures by the Sea.

Orientadores dão instruções de segurança e fornecem coletes salva-vidas.

Quem preferir passear por 15 praias da península de Monterey pode optar pela bicicleta. O percurso de ida e volta tem cerca de 20 quilômetros a partir do centro de Cannery Row. Há ciclovias em boa parte do trajeto, que é formado por subidas e descidas suaves. A locação custa US$ 25 (R$ 103) por quatro horas.

A primeira praia do trajeto de bike é Lover's Bay. Lá, um pequeno café vende açaí na tigela, com granola, por US$ 9,90 (R$ 41). O atendente não soube dizer se o fruto vem do Brasil ou de outro país da América do Sul.

Vale dedicar algumas horas para andar a pé pelo local e encontrar referências históricas. Há murais pintados nas paredes dos galpões que mostram como era a vida nos tempos dos enlatados.

Em uma praça à beira-mar, o busto do escritor John Steinbeck (1902-1968) surge em destaque. O autor de "Vinhas da Ira" (1939) viveu na região e escreveu também "Cannery Row", livro lançado em 1945.

A obra colocou o lugarejo no cenário nacional e motivou a troca de nome da rua principal, que antes se chamava Ocean View Avenue.

No fim de Cannery Row está o aquário de Monterey Bay, um dos principais dos Estados Unidos. O trabalho de preservação da vida marítima pode ser visto nas exposições e em vídeos exibidos no local.

O ingresso para adultos custa US$ 50 (R$ 204), e crianças de 3 a 12 anos pagam US$ 30 (R$ 124) cada uma. Para estudantes de 13 a 17 anos e pessoas com mais de 65, a entrada é vendida por US$ 40 (R$ 165).

A viagem de ônibus do aeroporto de San Francisco até Cannery Row leva duas horas. Há uma linha que segue até Monterey, com saídas agendadas pela internet. A passagem custa US$ 47 (R$ 194) para reservas feitas no site montereyairbus.com.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
MotoGeo

TURISMO - Na Califórnia, sai sardinha em lata e entra pesca sustentável

Cannery Row, uma história de ocaso e renascimento.

Publicidade

Quinta, 30/8/2018 8:30.

EDUARDO SODRÉ
CALIFÓRNIA, EUA (FOLHAPRESS) - Cannery Row não é uma cidade nem um bairro. Se for interpretada ao pé da letra, trata-se apenas de uma rua de Monterey, na parte central da costa da Califórnia (EUA). O que transforma essa localidade em algo especial é sua história de ocaso e renascimento, bem ao gosto americano.

O nome vem da principal atividade da região na primeira metade do século 20: o processamento de sardinhas em lata. "Cannery row" quer dizer linha de produção de conservas.

As empresas se expandiram rapidamente nas décadas de 1910 e 1920, e a demanda por enlatados cresceu durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A região resistiu à Grande Depressão americana (1929) e, com o mundo novamente em conflito (1939-1945), nada parecia ser capaz de frear a produção das fábricas locais.

Entretanto, nos anos 1950, os cardumes de sardinhas desapareceram daquele pedaço do oceano Pacífico, resultado da pesca desordenada.

As empresas criadas por imigrantes chineses, japoneses, espanhóis e escandinavos quebraram. O luto durou até o fim dos anos 1960, quando moradores começaram a reerguer a comunidade. Os galpões das fábricas de enlatados que permaneciam de pé foram transformados em restaurantes e lojas.

O chef Bert Cutino é filho da geração que viu Cannery Row quebrar e um dos primeiros a apostar em sua volta por cima. Em 1968, ele abriu o restaurante The Sardine Factory, considerado um dos melhores de Monterey.

Os pratos se equilibram entre o sofisticado e o pitoresco. A bola de sorbet de morango e banana servida no meio de um menu degustação improvisado vem dentro de um cisne feito de gelo.

Bert gosta de mostrar o subsolo do restaurante, que parece uma cave renascentista. Lá fica a adega com 84 rótulos diferentes de vinhos e uma sala para eventos reservados. Há também um pequeno quarto para clientes ilustres. Segundo o chef, Arnold Schwarzenegger está sempre por lá.

E, sim, há sardinhas no cardápio. O peixe está em uma das entradas e custa US$ 15,50 (R$ 64). Bert ressalta que a pesca hoje é sustentável.

A preservação do ecossistema local é a maior obsessão em Cannery Row. A região tornou-se um santuário para focas e lontras, que podem ser observadas de longe em passeios de caiaque. O aluguel de uma hora dessas embarcações custa a partir de US$ 35 (R$ 144) na loja Adventures by the Sea.

Orientadores dão instruções de segurança e fornecem coletes salva-vidas.

Quem preferir passear por 15 praias da península de Monterey pode optar pela bicicleta. O percurso de ida e volta tem cerca de 20 quilômetros a partir do centro de Cannery Row. Há ciclovias em boa parte do trajeto, que é formado por subidas e descidas suaves. A locação custa US$ 25 (R$ 103) por quatro horas.

A primeira praia do trajeto de bike é Lover's Bay. Lá, um pequeno café vende açaí na tigela, com granola, por US$ 9,90 (R$ 41). O atendente não soube dizer se o fruto vem do Brasil ou de outro país da América do Sul.

Vale dedicar algumas horas para andar a pé pelo local e encontrar referências históricas. Há murais pintados nas paredes dos galpões que mostram como era a vida nos tempos dos enlatados.

Em uma praça à beira-mar, o busto do escritor John Steinbeck (1902-1968) surge em destaque. O autor de "Vinhas da Ira" (1939) viveu na região e escreveu também "Cannery Row", livro lançado em 1945.

A obra colocou o lugarejo no cenário nacional e motivou a troca de nome da rua principal, que antes se chamava Ocean View Avenue.

No fim de Cannery Row está o aquário de Monterey Bay, um dos principais dos Estados Unidos. O trabalho de preservação da vida marítima pode ser visto nas exposições e em vídeos exibidos no local.

O ingresso para adultos custa US$ 50 (R$ 204), e crianças de 3 a 12 anos pagam US$ 30 (R$ 124) cada uma. Para estudantes de 13 a 17 anos e pessoas com mais de 65, a entrada é vendida por US$ 40 (R$ 165).

A viagem de ônibus do aeroporto de San Francisco até Cannery Row leva duas horas. Há uma linha que segue até Monterey, com saídas agendadas pela internet. A passagem custa US$ 47 (R$ 194) para reservas feitas no site montereyairbus.com.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade