Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Mundo
Argentina tem novo 'tarifaço' e Macri admite que inflação pode chegar a 30%

Quarta, 1/8/2018 14:49.

Publicidade

SYLVIA COLOMBO
BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Os argentinos acordaram nesta quarta-feira (1º) com um expressivo aumento médio de 24% na tarifa de energia elétrica e de 27,5% no custo do gás, como parte das medidas do presidente Mauricio Macri de retirar paulatinamente os subsídios do governo e reduzir os gastos públicos.

O valor varia de acordo com as províncias, pois as do sul usam mais gás e energia nos meses de inverno.

A estratégia de redução dos gastos -parte dos requisitos do FMI (Fundo Monetário Internacional) para assegurar a linha de crédito de US$ 50 bilhões (R$ 187 bilhões) concedida recentemente-, porém, tem efeito direto no bolso da população. Por causa dos aumentos, Macri afirmou, nesta terça (31), que a inflação do ano no país pode chegar a 30% -atualmente está acumulada em 18%.

Segundo Macri, o aumento das contas se faz necessário para retirar os subsídios da era kirchnerista (2003-2015), como vem ocorrendo gradualmente desde dezembro de 2015.

Em fevereiro, a Argentina já tinha elevado em até 50% as tarifas dos transportes.

As cifras acumuladas desde 2015, quando o novo governo assumiu, porém, são ainda mais altas. A eletricidade já acumula aumento médio de 1.300%, enquanto a alta do gás está entre 700% e 1.000%, dependendo da província. A água já acumula alta de 512%.

Já o transporte, área sensível pois cada aumento gera tensão quase que imediata com os sindicatos da área, acumula 216%.

Essa estratégia de reduzir os gastos públicos, porém, tem feito crescer a tensão social na Argentina; os sindicatos voltam a se reunir para planejar greves, por enquanto isoladas.

O presidente da Argentina admite saber do impacto que isso tem para as famílias com menores salários, mas deve manter a estratégia, inclusive para honrar os compromissos com o FMI.

Atualmente, a Argentina tem a segunda maior inflação da América Latina, perdendo apenas para a Venezuela.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Argentina tem novo 'tarifaço' e Macri admite que inflação pode chegar a 30%

Publicidade

Quarta, 1/8/2018 14:49.

SYLVIA COLOMBO
BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Os argentinos acordaram nesta quarta-feira (1º) com um expressivo aumento médio de 24% na tarifa de energia elétrica e de 27,5% no custo do gás, como parte das medidas do presidente Mauricio Macri de retirar paulatinamente os subsídios do governo e reduzir os gastos públicos.

O valor varia de acordo com as províncias, pois as do sul usam mais gás e energia nos meses de inverno.

A estratégia de redução dos gastos -parte dos requisitos do FMI (Fundo Monetário Internacional) para assegurar a linha de crédito de US$ 50 bilhões (R$ 187 bilhões) concedida recentemente-, porém, tem efeito direto no bolso da população. Por causa dos aumentos, Macri afirmou, nesta terça (31), que a inflação do ano no país pode chegar a 30% -atualmente está acumulada em 18%.

Segundo Macri, o aumento das contas se faz necessário para retirar os subsídios da era kirchnerista (2003-2015), como vem ocorrendo gradualmente desde dezembro de 2015.

Em fevereiro, a Argentina já tinha elevado em até 50% as tarifas dos transportes.

As cifras acumuladas desde 2015, quando o novo governo assumiu, porém, são ainda mais altas. A eletricidade já acumula aumento médio de 1.300%, enquanto a alta do gás está entre 700% e 1.000%, dependendo da província. A água já acumula alta de 512%.

Já o transporte, área sensível pois cada aumento gera tensão quase que imediata com os sindicatos da área, acumula 216%.

Essa estratégia de reduzir os gastos públicos, porém, tem feito crescer a tensão social na Argentina; os sindicatos voltam a se reunir para planejar greves, por enquanto isoladas.

O presidente da Argentina admite saber do impacto que isso tem para as famílias com menores salários, mas deve manter a estratégia, inclusive para honrar os compromissos com o FMI.

Atualmente, a Argentina tem a segunda maior inflação da América Latina, perdendo apenas para a Venezuela.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade