Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Justiça
“É um sabor de derrota na garganta”, diz Castanheira sobre condenação de guardas municipais

Segundo o secretário, a decisão da juíza entristece.

Quarta, 30/9/2020 19:34.
Arquivo/Página3
Secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Gabriel Castanheira

Publicidade

O secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Antônio Gabriel Castanheira Junior, falou sobre a condenação por improbidade administrativa do guarda municipal que agrediu um homem em 2017, e que por isso perdeu a função pública, por decisão da juíza Adriana Lisbôa, titular da Vara da Fazenda Pública da comarca local. Como cabe recurso, os guardas envolvidos, tanto o agressor como o colega dele, que é acusado de omissão e foi condenado a pagamento de multa civil, seguem trabalhando.

+ Guarda de Balneário, que agrediu homem em 2017, perdeu função pública


Castanheira disse que eles estão trabalhando e vão recorrer da decisão da juíza, já que o processo criminal ainda segue e o votado nesta semana foi a nível Fazendário.

“Eles são excelentes guardas. Os dois, incluindo o que foi mandado embora. Não vou entrar no mérito da situação, mas quem supostamente apanhou tem outros processos por desacato, inclusive ele possui um problema nesse sentido com a PM”, disse.

“É um sabor de derrota na garganta”

Segundo o secretário, a decisão da juíza entristece.

“Para mim é um sabor de derrota na garganta. Ele é um dos guardas que mais produz dentro da instituição. É um abalo bem grande para a instituição e para a família dele”, comenta, citando que é ‘como se o guarda estivesse desamparado para a sociedade’. “É assim que vejo. Sei da atuação dele, o quanto ele é diferenciado. Para nós é uma derrota, e pode ter certeza que é também uma derrota para Balneário Camboriú”, acrescenta.

Secretário diz que guardas são bem preparados

Castanheira aponta que o guarda investigado por agressão teria sido desafiado pelo homem abordado, e que, diante disso, ‘certas coisas podem acontecer’.

“O guarda pode sair do sério, e isso não quer dizer que ele não estava preparado para atuar. Ele tentou imobilizar e o cara se debateu, isso aparece no vídeo”, comentou, citando que quando ocorreu o caso, em maio de 2017, os guardas estavam iniciando um treinamento de capacitação.

“Na época fui denunciado ao Ministério Público, porque falaram que eu ‘obriguei’ os guardas a praticarem artes marciais, que foi assédio. Eu vejo que eles não podem aplicar certas técnicas sem treinamento, e que a ausência da prática contínua de defesa pessoal é uma deficiência das polícias, deveria ser obrigatório. Eu investi nisso na nossa Guarda Municipal. É muito difícil analisar a situação só por um vídeo, estar na situação é muito diferente”, completou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Arquivo/Página3
Secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Gabriel Castanheira
Secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Gabriel Castanheira

“É um sabor de derrota na garganta”, diz Castanheira sobre condenação de guardas municipais

Segundo o secretário, a decisão da juíza entristece.

Publicidade

Quarta, 30/9/2020 19:34.

O secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Antônio Gabriel Castanheira Junior, falou sobre a condenação por improbidade administrativa do guarda municipal que agrediu um homem em 2017, e que por isso perdeu a função pública, por decisão da juíza Adriana Lisbôa, titular da Vara da Fazenda Pública da comarca local. Como cabe recurso, os guardas envolvidos, tanto o agressor como o colega dele, que é acusado de omissão e foi condenado a pagamento de multa civil, seguem trabalhando.

+ Guarda de Balneário, que agrediu homem em 2017, perdeu função pública


Castanheira disse que eles estão trabalhando e vão recorrer da decisão da juíza, já que o processo criminal ainda segue e o votado nesta semana foi a nível Fazendário.

“Eles são excelentes guardas. Os dois, incluindo o que foi mandado embora. Não vou entrar no mérito da situação, mas quem supostamente apanhou tem outros processos por desacato, inclusive ele possui um problema nesse sentido com a PM”, disse.

“É um sabor de derrota na garganta”

Segundo o secretário, a decisão da juíza entristece.

“Para mim é um sabor de derrota na garganta. Ele é um dos guardas que mais produz dentro da instituição. É um abalo bem grande para a instituição e para a família dele”, comenta, citando que é ‘como se o guarda estivesse desamparado para a sociedade’. “É assim que vejo. Sei da atuação dele, o quanto ele é diferenciado. Para nós é uma derrota, e pode ter certeza que é também uma derrota para Balneário Camboriú”, acrescenta.

Secretário diz que guardas são bem preparados

Castanheira aponta que o guarda investigado por agressão teria sido desafiado pelo homem abordado, e que, diante disso, ‘certas coisas podem acontecer’.

“O guarda pode sair do sério, e isso não quer dizer que ele não estava preparado para atuar. Ele tentou imobilizar e o cara se debateu, isso aparece no vídeo”, comentou, citando que quando ocorreu o caso, em maio de 2017, os guardas estavam iniciando um treinamento de capacitação.

“Na época fui denunciado ao Ministério Público, porque falaram que eu ‘obriguei’ os guardas a praticarem artes marciais, que foi assédio. Eu vejo que eles não podem aplicar certas técnicas sem treinamento, e que a ausência da prática contínua de defesa pessoal é uma deficiência das polícias, deveria ser obrigatório. Eu investi nisso na nossa Guarda Municipal. É muito difícil analisar a situação só por um vídeo, estar na situação é muito diferente”, completou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade