Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

MPF denuncia filho de Francisco Cuoco e neto de ditador por suposta corrupção

Quarta, 13/2/2019 13:55.

FÁBIO FABRINI
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O MPF (Ministério Público Federal) denunciou nesta terça-feira (12) 17 pessoas por corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e gestão temerária em negócios feitos com o BRB, banco estatal de Brasília.

Na ação, enviada à Justiça Federal, procuradores da força-tarefa Greenfield pedem a condenação de ex-dirigentes da instituição financeira e de empresários, entre eles Diogo Cuoco, filho do ator Francisco Cuoco, e de Paulo Renato de Oliveira Figueiredo Filho, neto do general João Baptista Figueiredo, último ditador do regime militar no Brasil.

De acordo com a peça de acusação, os diretores do BRB receberam propinas para liberar recursos próprios, de fundos de pensão de estatais e de regimes próprios de previdência para ao menos dois fundos de investimento em participações. Esses fundos foram constituídos para bancar a construção do antigo Trump Hotel, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, empreendimento a cargo de Figueiredo Filho; e do edifício Praça Capital, em Brasília, tocado pela Odebrecht Realizações.

A Figueiredo Filho, o MPF imputa os crimes de corrupção ativa, organização criminosa, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e desvio de recursos de instituição financeira. Ele foi alvo de mandado de prisão em janeiro, na Operação Circus Máximus, mas seu paradeiro é desconhecido.

Segundo a denúncia, Diogo Cuoco integrou a "organização criminosa" e ajudou a lavar recursos usados no esquema de corrupção ao, supostamente, emitir notas frias de uma empresa, a Globomix, para justificar a geração de dinheiro em espécie para os subornos. Os comprovantes eram de fornecimento de concreto ao Trump Hotel.

Diogo chegou a ser preso na Circus máximus, mas foi solto por ordem do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

O advogado dele, Fernando Fernandes, sustenta que o empresário prestou serviços e recebeu regularmente por eles.

Também foi denunciada Adriana Cuoco, casada com um irmão de Diogo, por lavagem de dinheiro. A defesa dela não foi localizada.

Segundo a denúncia, os prejuízos causados pelo suposto esquema foram de R$ 348 milhões ao BRB, participantes de fundos de pensão e regimes de previdência, entre outros.

Os pagamentos de propina, segundo a força-tarefa, contavam com um complexo sistema de doleiros e entregadores de dinheiro, que possuíam sua base de operações no Uruguai.

A investigação foi feita com base em delações premiadas de empresário ligado ao Trump Hotel e de executivos da Odebrecht.

Os procuradores pedem, além da condenação dos envolvidos, o confisco de valores, bem como uma indenização correspondente ao triplo das quantias desviadas por cada um, "a fim de satisfazer os danos materiais, morais e sociais causados".

"A despeito da esperada gestão profissional inerente à administração de uma instituição pública, as investigações demonstraram um clima informal, típico de uma empresa familiar, no que se referia à diretoria do banco estatal", sustenta o MPF.

A denúncia vai tramitar na 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Negócios

Outras três empresas aguardam autorização 


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Conselho Comunitário de Segurança Náutica e Cidadania de Balneário Camboriú


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

MPF denuncia filho de Francisco Cuoco e neto de ditador por suposta corrupção

Quarta, 13/2/2019 13:55.

FÁBIO FABRINI
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O MPF (Ministério Público Federal) denunciou nesta terça-feira (12) 17 pessoas por corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e gestão temerária em negócios feitos com o BRB, banco estatal de Brasília.

Na ação, enviada à Justiça Federal, procuradores da força-tarefa Greenfield pedem a condenação de ex-dirigentes da instituição financeira e de empresários, entre eles Diogo Cuoco, filho do ator Francisco Cuoco, e de Paulo Renato de Oliveira Figueiredo Filho, neto do general João Baptista Figueiredo, último ditador do regime militar no Brasil.

De acordo com a peça de acusação, os diretores do BRB receberam propinas para liberar recursos próprios, de fundos de pensão de estatais e de regimes próprios de previdência para ao menos dois fundos de investimento em participações. Esses fundos foram constituídos para bancar a construção do antigo Trump Hotel, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, empreendimento a cargo de Figueiredo Filho; e do edifício Praça Capital, em Brasília, tocado pela Odebrecht Realizações.

A Figueiredo Filho, o MPF imputa os crimes de corrupção ativa, organização criminosa, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e desvio de recursos de instituição financeira. Ele foi alvo de mandado de prisão em janeiro, na Operação Circus Máximus, mas seu paradeiro é desconhecido.

Segundo a denúncia, Diogo Cuoco integrou a "organização criminosa" e ajudou a lavar recursos usados no esquema de corrupção ao, supostamente, emitir notas frias de uma empresa, a Globomix, para justificar a geração de dinheiro em espécie para os subornos. Os comprovantes eram de fornecimento de concreto ao Trump Hotel.

Diogo chegou a ser preso na Circus máximus, mas foi solto por ordem do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

O advogado dele, Fernando Fernandes, sustenta que o empresário prestou serviços e recebeu regularmente por eles.

Também foi denunciada Adriana Cuoco, casada com um irmão de Diogo, por lavagem de dinheiro. A defesa dela não foi localizada.

Segundo a denúncia, os prejuízos causados pelo suposto esquema foram de R$ 348 milhões ao BRB, participantes de fundos de pensão e regimes de previdência, entre outros.

Os pagamentos de propina, segundo a força-tarefa, contavam com um complexo sistema de doleiros e entregadores de dinheiro, que possuíam sua base de operações no Uruguai.

A investigação foi feita com base em delações premiadas de empresário ligado ao Trump Hotel e de executivos da Odebrecht.

Os procuradores pedem, além da condenação dos envolvidos, o confisco de valores, bem como uma indenização correspondente ao triplo das quantias desviadas por cada um, "a fim de satisfazer os danos materiais, morais e sociais causados".

"A despeito da esperada gestão profissional inerente à administração de uma instituição pública, as investigações demonstraram um clima informal, típico de uma empresa familiar, no que se referia à diretoria do banco estatal", sustenta o MPF.

A denúncia vai tramitar na 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília. 

Publicidade

Publicidade