Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

MPF denunciou Mantega e Palocci por corrupção e lavagem de dinheiro
EBC.
Palocci é dos acusados.

Sábado, 11/8/2018 7:56.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O Ministério Público Federal apresentou denúncia nesta sexta-feira (10) contra os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci e os executivos da Odebrecht Marcelo Odebrecht e Maurício Ferro, seu cunhado. Eles são acusados de praticar corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, envolvendo a edição de medidas provisórias para beneficiar empresas do grupo.

Também foram denunciados Bernardo Gradin, Fernando Migliaccio, Hilberto Silva e Newton de Souza, da Odebrecht, e os publicitários Mônica Moura, João Santana e André Santana.

Souza e Ferro não estão entre os executivos da empreiteira que firmaram acordo de colaboração, em 2016. Souza já presidiu a Odebrecht e estava no conselho do grupo, mas foi afastado há dois meses. Ferro ainda é vice-presidente jurídico da empreiteira.

Segundo as investigações, Marcelo Odebrecht, com o auxílio de Ferro, Gradin e Newton de Souza, ofereceu propina aos ex-ministros Palocci e Mantega, buscando influenciá-los na edição das medidas provisórias 470 e 472 (MP da crise).

De acordo com a denúncia, entre 2008 e 2010 houve intensa negociação para solucionar questões tributárias da empresa. O objetivo, segundo o Ministério Público, era permitir o pagamento parcelado de tributos federais devidos, com redução de multa, bem como sua compensação com prejuízos fiscais.

A MP 470 facilitou o pagamento de dívidas de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e a MP 472 concedeu benefícios fiscais.

A Procuradoria afirma que Mantega aceitou propina de R$ 50 milhões, quantia que teria permanecido à sua disposição em conta específica mantida pelo setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, sob o comando de Migliaccio e Hilberto da Silva.

O valor teria sido lançado na "Planilha Italiano", sub-conta "Pós-Itália". O montante da propina, de acordo com a denúncia, teve origem em ativos da Braskem (subsidiária da Odebrecht), mantidos ilicitamente no exterior e geridos pelo setor de propinas da empresa.

Cerca de R$ 15 milhões, segundo o MPF, foram entregues aos publicitários Mônica Moura, João Santana e André Santana, para serem usados na campanha eleitoral de 2014. O montante teria sido repassado em 26 entregas, por meio de pagamentos em espécie no Brasil e em contas mantidas em paraísos fiscais.

As principais provas contra Souza, Gradin e Ferro são emails de Marcelo Odebrecht em que são discutidos detalhes das propostas que seriam enviadas a representantes do governo.

Em depoimento à Polícia Federal, Marcelo Odebrecht chegou a afirmar que seu cunhado ajudou a acabar com o setor de Operações Estruturadas, o que poderia vir a ser entendido como obstrução de Justiça.

Como elemento de acusação contra Mantega, os procuradores mencionam contas mantidas no exterior que somam o equivalente a R$ 7,3 milhões. Em 2017, o ex-ministro admitiu, em petição enviada ao juiz Sergio Moro, que tinha dinheiro fora do país, mas afirmou que o saldo, de US$ 600 mil, era legal e fruto da venda de um imóvel herdado do pai.

Na denúncia, os procuradores consideram essa versão falsa.

OUTRO LADO

A defesa de Palocci afirma que não teve acesso à nova denúncia e que, por isso, não pode se posicionar. A Odebrecht diz que continua colaborando com as autoridades.

O advogado de Mantega, Fabio Simantob, diz que os fatos são de competência da Justiça Eleitoral e que, por isso, o Ministério Público cometeu um equívoco. "O Supremo, na petição 6986, julgada recentemente, determinou que esses fatos são da competência da Justiça Eleitoral e, portanto, não podem permanecer em Curitiba. O Ministério Público ou não prestou atenção nisso ou realmente incorreu em um grave equívoco interpretativo."

A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos demais acusados. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Negócios

"Foram quatro anos de tanta recessão que existe uma demanda represada gigantesca".


Geral

Rede municipal tem 1.700 professores que ensinam 15 mil alunos em 44 escolas


Esportes


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

MPF denunciou Mantega e Palocci por corrupção e lavagem de dinheiro

EBC.
 Palocci é dos acusados.
Palocci é dos acusados.
Sábado, 11/8/2018 7:56.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O Ministério Público Federal apresentou denúncia nesta sexta-feira (10) contra os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci e os executivos da Odebrecht Marcelo Odebrecht e Maurício Ferro, seu cunhado. Eles são acusados de praticar corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, envolvendo a edição de medidas provisórias para beneficiar empresas do grupo.

Também foram denunciados Bernardo Gradin, Fernando Migliaccio, Hilberto Silva e Newton de Souza, da Odebrecht, e os publicitários Mônica Moura, João Santana e André Santana.

Souza e Ferro não estão entre os executivos da empreiteira que firmaram acordo de colaboração, em 2016. Souza já presidiu a Odebrecht e estava no conselho do grupo, mas foi afastado há dois meses. Ferro ainda é vice-presidente jurídico da empreiteira.

Segundo as investigações, Marcelo Odebrecht, com o auxílio de Ferro, Gradin e Newton de Souza, ofereceu propina aos ex-ministros Palocci e Mantega, buscando influenciá-los na edição das medidas provisórias 470 e 472 (MP da crise).

De acordo com a denúncia, entre 2008 e 2010 houve intensa negociação para solucionar questões tributárias da empresa. O objetivo, segundo o Ministério Público, era permitir o pagamento parcelado de tributos federais devidos, com redução de multa, bem como sua compensação com prejuízos fiscais.

A MP 470 facilitou o pagamento de dívidas de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e a MP 472 concedeu benefícios fiscais.

A Procuradoria afirma que Mantega aceitou propina de R$ 50 milhões, quantia que teria permanecido à sua disposição em conta específica mantida pelo setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, sob o comando de Migliaccio e Hilberto da Silva.

O valor teria sido lançado na "Planilha Italiano", sub-conta "Pós-Itália". O montante da propina, de acordo com a denúncia, teve origem em ativos da Braskem (subsidiária da Odebrecht), mantidos ilicitamente no exterior e geridos pelo setor de propinas da empresa.

Cerca de R$ 15 milhões, segundo o MPF, foram entregues aos publicitários Mônica Moura, João Santana e André Santana, para serem usados na campanha eleitoral de 2014. O montante teria sido repassado em 26 entregas, por meio de pagamentos em espécie no Brasil e em contas mantidas em paraísos fiscais.

As principais provas contra Souza, Gradin e Ferro são emails de Marcelo Odebrecht em que são discutidos detalhes das propostas que seriam enviadas a representantes do governo.

Em depoimento à Polícia Federal, Marcelo Odebrecht chegou a afirmar que seu cunhado ajudou a acabar com o setor de Operações Estruturadas, o que poderia vir a ser entendido como obstrução de Justiça.

Como elemento de acusação contra Mantega, os procuradores mencionam contas mantidas no exterior que somam o equivalente a R$ 7,3 milhões. Em 2017, o ex-ministro admitiu, em petição enviada ao juiz Sergio Moro, que tinha dinheiro fora do país, mas afirmou que o saldo, de US$ 600 mil, era legal e fruto da venda de um imóvel herdado do pai.

Na denúncia, os procuradores consideram essa versão falsa.

OUTRO LADO

A defesa de Palocci afirma que não teve acesso à nova denúncia e que, por isso, não pode se posicionar. A Odebrecht diz que continua colaborando com as autoridades.

O advogado de Mantega, Fabio Simantob, diz que os fatos são de competência da Justiça Eleitoral e que, por isso, o Ministério Público cometeu um equívoco. "O Supremo, na petição 6986, julgada recentemente, determinou que esses fatos são da competência da Justiça Eleitoral e, portanto, não podem permanecer em Curitiba. O Ministério Público ou não prestou atenção nisso ou realmente incorreu em um grave equívoco interpretativo."

A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos demais acusados. 

Publicidade

Publicidade