Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Editorial 25 Anos: O jornal que não fechou
Arquivo JP3
A primeira sede do Página 3

Segunda, 25/7/2016 8:56.

Quando Gelci Veit, Nildo Teixeira de Melo Júnior, o Bola, e Marlise Schneider Cezar entraram na imobiliária Brodasa, 25 anos atrás, querendo alugar uma sala para instalar um jornal, o veredicto do corretor, Patrício Zaror, proprietário daquela empresa na época, foi curto e grosso: jornais aqui em Balneário Camboriú não se criam, vocês vão quebrar”.

Apresentados dois avalistas possuidores de bens imóveis o corretor continuou reticente, não queria alugar a pequena sala da Rua 620 onde começou o Página 3.

Ele acabou cedendo porque a documentação estava em ordem. Por ironia, um tempo depois sua empresa trocou de dono porque na época era comum, além dos jornais, imobiliárias também se atrapalharem.

Felizmente para os três sócios, o Página 3 não quebrou e acabou se tornando o jornal mais antigo de Balneário Camboriú em atividade.

Nunca mais paramos de circular, estamos todas as semanas nas bancas e nas casas dos assinantes, levando notícias e publicidade.

Em verdade, estamos a toda hora, com o Página 3 Online, o jovem e bem sucedido noticiário eletrônico da casa.

Nossa relação com o leitor é clara, pautada por princípios definidos já no primeiro número: produzir jornalismo plural e independente; defender a liberdade de manifestação e outros valores democráticos.

Praticamos isto com tanta convicção que é comum o Página 3 arranjar encrenca com os políticos de plantão, mas todos sabem que quando o GAECO quer pegar corruptos não é na nossa porta que os policiais os procuram.

O Página 3 enfrenta hoje os desafios que os outros veículos de comunicação enfrentam devido às mudanças radicais na maneira de produzir e distribuir notícias, mas consegue espaço no mercado porque seu maior patrimônio é a confiança que o leitor tem em quem escreve a notícia.

Esse é o segredo do negócio, jornalistas e colaboradores que não se submetam a interesses subalternos, que exerçam sua profissão de maneira digna.

É uma receita que serve para qualquer empresa ou profissão, dignidade, infelizmente artigo em falta inclusive entre muitos homens públicos desta praia.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Variedades

A chegada do bom velhinho também dá inicio a uma intensa programação cultural  


Cidade

Toda a comunidade pode participar no próximo domingo


Cidade

Centro de Eventos de Balneário Camboriú será o maior do Sul do país  


Cidade

Obra é cara e mal explicada 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Editorial 25 Anos: O jornal que não fechou

Arquivo JP3
A primeira sede do Página 3
A primeira sede do Página 3
Segunda, 25/7/2016 8:56.

Quando Gelci Veit, Nildo Teixeira de Melo Júnior, o Bola, e Marlise Schneider Cezar entraram na imobiliária Brodasa, 25 anos atrás, querendo alugar uma sala para instalar um jornal, o veredicto do corretor, Patrício Zaror, proprietário daquela empresa na época, foi curto e grosso: jornais aqui em Balneário Camboriú não se criam, vocês vão quebrar”.

Apresentados dois avalistas possuidores de bens imóveis o corretor continuou reticente, não queria alugar a pequena sala da Rua 620 onde começou o Página 3.

Ele acabou cedendo porque a documentação estava em ordem. Por ironia, um tempo depois sua empresa trocou de dono porque na época era comum, além dos jornais, imobiliárias também se atrapalharem.

Felizmente para os três sócios, o Página 3 não quebrou e acabou se tornando o jornal mais antigo de Balneário Camboriú em atividade.

Nunca mais paramos de circular, estamos todas as semanas nas bancas e nas casas dos assinantes, levando notícias e publicidade.

Em verdade, estamos a toda hora, com o Página 3 Online, o jovem e bem sucedido noticiário eletrônico da casa.

Nossa relação com o leitor é clara, pautada por princípios definidos já no primeiro número: produzir jornalismo plural e independente; defender a liberdade de manifestação e outros valores democráticos.

Praticamos isto com tanta convicção que é comum o Página 3 arranjar encrenca com os políticos de plantão, mas todos sabem que quando o GAECO quer pegar corruptos não é na nossa porta que os policiais os procuram.

O Página 3 enfrenta hoje os desafios que os outros veículos de comunicação enfrentam devido às mudanças radicais na maneira de produzir e distribuir notícias, mas consegue espaço no mercado porque seu maior patrimônio é a confiança que o leitor tem em quem escreve a notícia.

Esse é o segredo do negócio, jornalistas e colaboradores que não se submetam a interesses subalternos, que exerçam sua profissão de maneira digna.

É uma receita que serve para qualquer empresa ou profissão, dignidade, infelizmente artigo em falta inclusive entre muitos homens públicos desta praia.

Publicidade

Publicidade