Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Delegacia da Mulher realiza evento contra a violência doméstica

Balneário Camboriú já registrou mais de 100 casos em 2020

Quarta, 4/3/2020 13:28.
Reprodução

Publicidade

Em alusão ao Dia Internacional da Mulher, que é comemorado no domingo (8), a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Balneário Camboriú realiza na sexta-feira (6), a partir das 14h, um evento que pretende reunir a comunidade e profissionais que trabalham com mulheres vítimas de violência doméstica. Somente em 2020, a delegacia já emitiu mais de 100 medidas protetivas e há 150 inquéritos em andamento.

Números da violência

Delegada Inara Danielle Marques Drapalski

A delegada responsável pela DPCAMI de Balneário, Inara Danielle Marques Drapalski, conta que neste ano a cidade ainda não registrou nenhum caso de feminicídio. Em 2019 foram dois, incluindo o da advogada Lucimara Stasiak, 30 anos, morta pelo então namorado e também advogado Paulo de Carvalho Souza, que encontra-se preso no Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí.

“Mas a cada dia recebemos mais denúncias de violência doméstica. Não quer dizer que o número de casos aumentou e sim as denúncias. Se não temos notícias de crimes, não há informação e as pessoas não se sentem, de certa forma, incentivadas a denunciar também. Mas percebemos que as mulheres não querem mais passar por isso. Estamos conseguindo fazer a nossa parte”, analisa.

Segundo a delegada, neste ano já foram emitidas 110 medidas protetivas para mulheres vítimas de violência doméstica contra seus agressores. Já o número de inquéritos em andamento chega a 150.

“Nem todos são emitidos medidas protetivas porque alguns são casos em que as medidas foram descumpridas por parte do agressor, e também há crimes relativos, como violência contra o idoso, criança e adolescente, mas as denúncias massivas que recebemos são de violência doméstica”, diz.

Balneário sem violência contra a mulher

O evento de sexta-feira é focado em levar para a delegacia os órgãos que trabalham com as mulheres vítimas de agressão e também as vítimas, para discutirem o que a delegacia pretende fazer nos próximos meses e mostrar as melhorias que foram feitas no local, como o espaço de acolhimento e onde os psicólogos trabalham.

“Queremos mostrar que esse local está disponível para a rede (Casa das Anas, Casa da Mulher, projeto Abraço à Mulher, etc.) e também para o trabalho de voluntários, para que consigamos dar encaminhamento e apoio já dentro da delegacia. O nosso objetivo é não só tornar Balneário Camboriú a cidade mais segura do Brasil, mas como também a cidade sem violência contra a mulher. Estamos lutando para isso”, comenta.

Violência psicológica também é violência doméstica

A delegada Inara lembra que a violência psicológica e ameaças também são consideradas violência doméstica, e inclusive há o projeto para demonstrar que esse tipo de violência pode danificar o psicológico das vítimas.

“Temos na equipe um psicólogo e uma estagiária de psicologia. Queremos fazer testes para demonstrar que pode haver danos para as vítimas, junto com laudo psicológico. Para adquirirmos esses testes precisamos de dinheiro. A comunidade pode nos ajudar e a prefeitura também. Já estamos fazendo algumas intervenções nesse sentido, mas para conseguirmos o laudo psicológico precisamos dos testes oficiais”, acrescenta.

A delegada analisa que uma vitória tem sido a divulgação do que são os relacionamentos abusivos, assunto que vem sendo bastante discutido inclusive nas redes sociais e em programas de TV, a exemplo do caso que ocorreu no reality show Big Brother Brasil.

“Antigamente relacionamento abusivo era normal, eram poucas pessoas que não aceitavam. Hoje as pessoas estão percebendo que é nocivo e que não é o caminho. As mulheres estão buscando apoio, denunciam. A delegacia só trabalha com crime, então quando há denúncia (registro de boletim de ocorrência) podemos dar andamento no trabalho”, explica.

Rede de apoio é uma conquista, mulheres não estão desamparadas

Inara também vê como uma conquista a rede de apoio presente em Balneário Camboriú, citando a Casa das Anas (abrigo que recebe mulheres vítimas de violência que não possuem lugar para morar) e a Casa da Mulher e do Voluntário, junto com o programa Abraço à Mulher – ambos da prefeitura, que são focados em acolher e acompanhar vítimas.

“Neste ano estamos conseguindo detectar e prevenir mais, para que a mulher consiga sair desse ciclo e não retome o relacionamento com o agressor. Queremos mostrar para essas mulheres que elas não estão desamparadas. Estou muito feliz com a rede que há em Balneário, porque é com o trabalho conjunto que fazemos a diferença. A violência doméstica não é normal e sim um mal que assola as famílias, precisamos mudar esse cenário”, acrescenta.


Denuncie

Se você sabe de alguma mulher que é ou foi vítima de violência ou se você foi/é vítima, ligue para a Polícia Militar (190) ou diretamente para o 180, que é um programa nacional que recebe denúncias de assédio e violência contra a mulher e as encaminha para os órgãos competentes.

Abraço à Mulher

Balneário Camboriú possui o programa Abraço à Mulher que serve de apoio para mulheres vítimas de violência doméstica que residem na cidade. O Abraço atende em regime de plantão 24h pelo telefone (47) 99982-1906, ou das 8h às 18h na Rua 2850, nº 303, na Casa da Mulher.

Casa das Anas

Para proteger as suas acolhidas, a Casa das Anas de Balneário Camboriú não divulga o seu endereço. Se você sabe de alguma mulher vítima de violência doméstica que precisa de acolhimento ou se você precisa desse tipo de ajuda, ligue para (47) 99629-9113 ou e-mail


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução

Delegacia da Mulher realiza evento contra a violência doméstica

Balneário Camboriú já registrou mais de 100 casos em 2020

Publicidade

Quarta, 4/3/2020 13:28.

Em alusão ao Dia Internacional da Mulher, que é comemorado no domingo (8), a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Balneário Camboriú realiza na sexta-feira (6), a partir das 14h, um evento que pretende reunir a comunidade e profissionais que trabalham com mulheres vítimas de violência doméstica. Somente em 2020, a delegacia já emitiu mais de 100 medidas protetivas e há 150 inquéritos em andamento.

Números da violência

Delegada Inara Danielle Marques Drapalski

A delegada responsável pela DPCAMI de Balneário, Inara Danielle Marques Drapalski, conta que neste ano a cidade ainda não registrou nenhum caso de feminicídio. Em 2019 foram dois, incluindo o da advogada Lucimara Stasiak, 30 anos, morta pelo então namorado e também advogado Paulo de Carvalho Souza, que encontra-se preso no Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí.

“Mas a cada dia recebemos mais denúncias de violência doméstica. Não quer dizer que o número de casos aumentou e sim as denúncias. Se não temos notícias de crimes, não há informação e as pessoas não se sentem, de certa forma, incentivadas a denunciar também. Mas percebemos que as mulheres não querem mais passar por isso. Estamos conseguindo fazer a nossa parte”, analisa.

Segundo a delegada, neste ano já foram emitidas 110 medidas protetivas para mulheres vítimas de violência doméstica contra seus agressores. Já o número de inquéritos em andamento chega a 150.

“Nem todos são emitidos medidas protetivas porque alguns são casos em que as medidas foram descumpridas por parte do agressor, e também há crimes relativos, como violência contra o idoso, criança e adolescente, mas as denúncias massivas que recebemos são de violência doméstica”, diz.

Balneário sem violência contra a mulher

O evento de sexta-feira é focado em levar para a delegacia os órgãos que trabalham com as mulheres vítimas de agressão e também as vítimas, para discutirem o que a delegacia pretende fazer nos próximos meses e mostrar as melhorias que foram feitas no local, como o espaço de acolhimento e onde os psicólogos trabalham.

“Queremos mostrar que esse local está disponível para a rede (Casa das Anas, Casa da Mulher, projeto Abraço à Mulher, etc.) e também para o trabalho de voluntários, para que consigamos dar encaminhamento e apoio já dentro da delegacia. O nosso objetivo é não só tornar Balneário Camboriú a cidade mais segura do Brasil, mas como também a cidade sem violência contra a mulher. Estamos lutando para isso”, comenta.

Violência psicológica também é violência doméstica

A delegada Inara lembra que a violência psicológica e ameaças também são consideradas violência doméstica, e inclusive há o projeto para demonstrar que esse tipo de violência pode danificar o psicológico das vítimas.

“Temos na equipe um psicólogo e uma estagiária de psicologia. Queremos fazer testes para demonstrar que pode haver danos para as vítimas, junto com laudo psicológico. Para adquirirmos esses testes precisamos de dinheiro. A comunidade pode nos ajudar e a prefeitura também. Já estamos fazendo algumas intervenções nesse sentido, mas para conseguirmos o laudo psicológico precisamos dos testes oficiais”, acrescenta.

A delegada analisa que uma vitória tem sido a divulgação do que são os relacionamentos abusivos, assunto que vem sendo bastante discutido inclusive nas redes sociais e em programas de TV, a exemplo do caso que ocorreu no reality show Big Brother Brasil.

“Antigamente relacionamento abusivo era normal, eram poucas pessoas que não aceitavam. Hoje as pessoas estão percebendo que é nocivo e que não é o caminho. As mulheres estão buscando apoio, denunciam. A delegacia só trabalha com crime, então quando há denúncia (registro de boletim de ocorrência) podemos dar andamento no trabalho”, explica.

Rede de apoio é uma conquista, mulheres não estão desamparadas

Inara também vê como uma conquista a rede de apoio presente em Balneário Camboriú, citando a Casa das Anas (abrigo que recebe mulheres vítimas de violência que não possuem lugar para morar) e a Casa da Mulher e do Voluntário, junto com o programa Abraço à Mulher – ambos da prefeitura, que são focados em acolher e acompanhar vítimas.

“Neste ano estamos conseguindo detectar e prevenir mais, para que a mulher consiga sair desse ciclo e não retome o relacionamento com o agressor. Queremos mostrar para essas mulheres que elas não estão desamparadas. Estou muito feliz com a rede que há em Balneário, porque é com o trabalho conjunto que fazemos a diferença. A violência doméstica não é normal e sim um mal que assola as famílias, precisamos mudar esse cenário”, acrescenta.


Denuncie

Se você sabe de alguma mulher que é ou foi vítima de violência ou se você foi/é vítima, ligue para a Polícia Militar (190) ou diretamente para o 180, que é um programa nacional que recebe denúncias de assédio e violência contra a mulher e as encaminha para os órgãos competentes.

Abraço à Mulher

Balneário Camboriú possui o programa Abraço à Mulher que serve de apoio para mulheres vítimas de violência doméstica que residem na cidade. O Abraço atende em regime de plantão 24h pelo telefone (47) 99982-1906, ou das 8h às 18h na Rua 2850, nº 303, na Casa da Mulher.

Casa das Anas

Para proteger as suas acolhidas, a Casa das Anas de Balneário Camboriú não divulga o seu endereço. Se você sabe de alguma mulher vítima de violência doméstica que precisa de acolhimento ou se você precisa desse tipo de ajuda, ligue para (47) 99629-9113 ou e-mail


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade