Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Pesca da tainha foi afetada pelo ciclone: pescadores têm mais 20 dias de safra

Quinta, 9/7/2020 12:25.
Vieirinha Filmagem Drone

Publicidade

A pesca da tainha, que acontece desde 1º de maio em Santa Catarina, foi afetada pelo ciclone bomba que atingiu Balneário Camboriú (e quase todo o Estado), na última semana. A expectativa dos pescadores era que o fim de junho e começo de julho fosse o melhor período da safra, mas o fenômeno climatológico deixou o mar ‘mexido’. A pesca segue até 31 de julho.

Segundo o pescador Ronan Vignolli Pinheiro, até antes do ciclone bomba chegar a pesca estava sendo considerada boa e os pescadores estavam vivendo ‘a semana boa de peixe’, já que entre o fim de junho e início de julho era para ser a melhor época da safra.

“Como o mar ficou bravo, as canoas nas praias agrestes ficaram com dificuldade para sair”, comenta.

Até o momento, foram pescadas em Balneário Camboriú cerca de 20,8 mil tainhas. Nesta semana, no Estaleiro os pescadores conseguiram pegar aproximadamente 400 peças, 200 na quarta (8) e 200 na terça (7). O Estaleiro foi a praia que mais pescou, chegando a 6,4 mil peixes, seguido por Laranjeiras com seis mil, Estaleirinho com 5,5 mil, Pinho 1,7 mil, Taquaras 370 e Taquarinhas 900. Na Praia Central os pescadores só capturaram tainhotas, que são os filhotes de tainha.

“Por enquanto, esse número é praticamente igual ao ano passado. Estamos achando que o peixe pode ter passado junto com a ressaca, mas ainda temos 20 dias”, diz.

As tainhas vêm do sul, e quando há pesca boa em cidades como Florianópolis e Bombinhas os pescadores de Balneário se preparam, porque a tendência é que o peixe venha para a cidade. Porém, Ronan conta que ficaram sabendo que as canoas ‘mais ao sul’ já estão ‘secando as redes’ para o ano que vem.

“Temos notícias que os ranchos já estão guardando as redes. Mas estamos ansiosos que apareça mais alguma coisa porque é agora que está fazendo mais frio, e isso influencia. Acreditamos que ainda temos alguma coisa de peixe na região, temos 20 dias, quem sabe Deus nos abençoa”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Vieirinha Filmagem Drone

Pesca da tainha foi afetada pelo ciclone: pescadores têm mais 20 dias de safra

Publicidade

Quinta, 9/7/2020 12:25.

A pesca da tainha, que acontece desde 1º de maio em Santa Catarina, foi afetada pelo ciclone bomba que atingiu Balneário Camboriú (e quase todo o Estado), na última semana. A expectativa dos pescadores era que o fim de junho e começo de julho fosse o melhor período da safra, mas o fenômeno climatológico deixou o mar ‘mexido’. A pesca segue até 31 de julho.

Segundo o pescador Ronan Vignolli Pinheiro, até antes do ciclone bomba chegar a pesca estava sendo considerada boa e os pescadores estavam vivendo ‘a semana boa de peixe’, já que entre o fim de junho e início de julho era para ser a melhor época da safra.

“Como o mar ficou bravo, as canoas nas praias agrestes ficaram com dificuldade para sair”, comenta.

Até o momento, foram pescadas em Balneário Camboriú cerca de 20,8 mil tainhas. Nesta semana, no Estaleiro os pescadores conseguiram pegar aproximadamente 400 peças, 200 na quarta (8) e 200 na terça (7). O Estaleiro foi a praia que mais pescou, chegando a 6,4 mil peixes, seguido por Laranjeiras com seis mil, Estaleirinho com 5,5 mil, Pinho 1,7 mil, Taquaras 370 e Taquarinhas 900. Na Praia Central os pescadores só capturaram tainhotas, que são os filhotes de tainha.

“Por enquanto, esse número é praticamente igual ao ano passado. Estamos achando que o peixe pode ter passado junto com a ressaca, mas ainda temos 20 dias”, diz.

As tainhas vêm do sul, e quando há pesca boa em cidades como Florianópolis e Bombinhas os pescadores de Balneário se preparam, porque a tendência é que o peixe venha para a cidade. Porém, Ronan conta que ficaram sabendo que as canoas ‘mais ao sul’ já estão ‘secando as redes’ para o ano que vem.

“Temos notícias que os ranchos já estão guardando as redes. Mas estamos ansiosos que apareça mais alguma coisa porque é agora que está fazendo mais frio, e isso influencia. Acreditamos que ainda temos alguma coisa de peixe na região, temos 20 dias, quem sabe Deus nos abençoa”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade