Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Guarda-vidas de Balneário Camboriú testam equipamento de combate a incêndio em embarcações

O Página 3 acompanhou o treinamento, que aconteceu no Pontal Norte.

Quinta, 9/1/2020 9:14.
Renata Rutes

Publicidade

Os guarda-vidas de Balneário Camboriú testaram na manhã desta quarta-feira (8) um equipamento de combate a incêndio em embarcações, que é acoplado no jetski.

O Soldado Wagner Assonalio, que é coordenador de praia do Corpo de Bombeiros de Balneário Camboriú, conta que o batalhão possui o equipamento há um ano, mas que como não há tantos casos de embarcações que se acidentam e chegam a incendiar eles precisam realizar o treinamento para, caso aconteça, estarem preparados para a ocorrência.

Segundo Assonalio, a mangueira é acoplada no próprio jetski e não influencia no funcionamento do mesmo, porém, quando ela é acionada para o combate ao incêndio a moto aquática é afetada.

“É através do acelerador do jet que pegamos pressão para a mangueira, que utiliza a própria água do mar, sendo bastante sustentável”, diz.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Renata Rutes

Guarda-vidas de Balneário Camboriú testam equipamento de combate a incêndio em embarcações

O Página 3 acompanhou o treinamento, que aconteceu no Pontal Norte.

Publicidade

Quinta, 9/1/2020 9:14.

Os guarda-vidas de Balneário Camboriú testaram na manhã desta quarta-feira (8) um equipamento de combate a incêndio em embarcações, que é acoplado no jetski.

O Soldado Wagner Assonalio, que é coordenador de praia do Corpo de Bombeiros de Balneário Camboriú, conta que o batalhão possui o equipamento há um ano, mas que como não há tantos casos de embarcações que se acidentam e chegam a incendiar eles precisam realizar o treinamento para, caso aconteça, estarem preparados para a ocorrência.

Segundo Assonalio, a mangueira é acoplada no próprio jetski e não influencia no funcionamento do mesmo, porém, quando ela é acionada para o combate ao incêndio a moto aquática é afetada.

“É através do acelerador do jet que pegamos pressão para a mangueira, que utiliza a própria água do mar, sendo bastante sustentável”, diz.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade