Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Vereador Claudinei quer rompimento da concessão de água em Camboriú

Sexta, 28/2/2020 8:38.

Publicidade

(Alexandra Gonzalez) -O vereador de Camboriú, Claudinei Loos (MDB) entrou com uma indicação na Câmara esta semana para que o prefeito Elcio Kuhnen (MDB) quebre o contrato com a Concessionária Águas de Camboriú, que administra a água da cidade. A concessão foi dada por 35 anos, ainda no governo anterior tucano, em 2015. Cinco anos após o início dos serviços, a Empresa tem pouca coisa a apresentar à população, que continua sofrendo com falta da água, principalmente durante o verão.

“Todo esse processo foi um erro. A Águas de Camboriú é uma empresa que tem a concessão de 35 anos, e que não tem a responsabilidade de fazer o esgoto da cidade. Essa é uma concessão equivocada, já que a Águas de Camboriú não capta e nem trata a água. Ela paga, a preço de custo, para a Empresa Municipal de Saneamento e Água de Balneário Camboriú – Emasa, fazer esses serviços (captação e tratamento) e distribui nas torneiras de Camboriú.

O Vereador acrescenta que a Concessionária tem uma arrecadação anual, só em Camboriú, de aproximadamente R$ 25 milhões, sem custo e sem trabalho, “apenas para fazer a arrecadação e alguma manutenção nas redes”. O lucro da Águas de Camboriú, aqui na cidade, é de R$ 15 milhões por ano. Esse valor poderia estar entrando para os cofres da cidade, porque para arrecadar e pagar para a Emasa fazer o serviço, a Prefeitura também faria”, acrescenta ele.

Segundo Loos a concessão pelos próximos 35 anos foi uma arbitrariedade da ex-prefeita Luzia Coppi Mathias e agora alguns políticos não aceitam a quebra do contrato, porque mais de R$ 15 milhões de lucro por ano, com toda certeza, beneficiaria o governo do prefeito Élcio, já que ele teria verba para tocar as obras municipais.

Mas o Vereador quer a quebra dessa concessão e sugere que parte desse lucro seja destinado ao Hospital. “Quero que o Prefeito fiscalize urgentemente o contrato com a empresa Águas de Camboriú, já que ela não cumpriu o determinado em prazo imediato – que é de cinco anos; e extinga essa concessão”, diz ele. Claudinei Loos defende que após esse processo, deverá passar uma lei na Câmara determinando que 70% desse valor anual, cerca de R$ 10 milhões, seja usado em prol do Hospital da cidade para custear a maternidade, colocar UTI e UTI neonatal, tornando possível a abertura do Hospital a toda comunidade de Camboriú; e que uma outra parcela seja investida em saneamento básico, que é também uma questão de saúde pública.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Vereador Claudinei quer rompimento da concessão de água em Camboriú

Publicidade

Sexta, 28/2/2020 8:38.

(Alexandra Gonzalez) -O vereador de Camboriú, Claudinei Loos (MDB) entrou com uma indicação na Câmara esta semana para que o prefeito Elcio Kuhnen (MDB) quebre o contrato com a Concessionária Águas de Camboriú, que administra a água da cidade. A concessão foi dada por 35 anos, ainda no governo anterior tucano, em 2015. Cinco anos após o início dos serviços, a Empresa tem pouca coisa a apresentar à população, que continua sofrendo com falta da água, principalmente durante o verão.

“Todo esse processo foi um erro. A Águas de Camboriú é uma empresa que tem a concessão de 35 anos, e que não tem a responsabilidade de fazer o esgoto da cidade. Essa é uma concessão equivocada, já que a Águas de Camboriú não capta e nem trata a água. Ela paga, a preço de custo, para a Empresa Municipal de Saneamento e Água de Balneário Camboriú – Emasa, fazer esses serviços (captação e tratamento) e distribui nas torneiras de Camboriú.

O Vereador acrescenta que a Concessionária tem uma arrecadação anual, só em Camboriú, de aproximadamente R$ 25 milhões, sem custo e sem trabalho, “apenas para fazer a arrecadação e alguma manutenção nas redes”. O lucro da Águas de Camboriú, aqui na cidade, é de R$ 15 milhões por ano. Esse valor poderia estar entrando para os cofres da cidade, porque para arrecadar e pagar para a Emasa fazer o serviço, a Prefeitura também faria”, acrescenta ele.

Segundo Loos a concessão pelos próximos 35 anos foi uma arbitrariedade da ex-prefeita Luzia Coppi Mathias e agora alguns políticos não aceitam a quebra do contrato, porque mais de R$ 15 milhões de lucro por ano, com toda certeza, beneficiaria o governo do prefeito Élcio, já que ele teria verba para tocar as obras municipais.

Mas o Vereador quer a quebra dessa concessão e sugere que parte desse lucro seja destinado ao Hospital. “Quero que o Prefeito fiscalize urgentemente o contrato com a empresa Águas de Camboriú, já que ela não cumpriu o determinado em prazo imediato – que é de cinco anos; e extinga essa concessão”, diz ele. Claudinei Loos defende que após esse processo, deverá passar uma lei na Câmara determinando que 70% desse valor anual, cerca de R$ 10 milhões, seja usado em prol do Hospital da cidade para custear a maternidade, colocar UTI e UTI neonatal, tornando possível a abertura do Hospital a toda comunidade de Camboriú; e que uma outra parcela seja investida em saneamento básico, que é também uma questão de saúde pública.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade