Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Corrente do bem: Balneário Camboriú se une doando alimentos e produzindo máscaras

Em tempos de Coronavírus, milhares de pessoas que possuíam emprego, como diaristas, vigias, garçons, trabalhadores do turismo e muitos outros estão sem receber e precisam contar com a assistência social.

Sexta, 3/4/2020 17:47.

Publicidade

Em Balneário Camboriú, foi criada a Central de Arrecadações e Serviços Voluntários, que está arrecadando alimentos, produtos de higiene e fraldas para quem precisa. Outros grupos também se uniram para arrecadar alimentos, e há ainda o movimento Vestevida, que reuniu o polo têxtil de Santa Catarina em prol da confecção de máscaras, jalecos e aventais para os médicos, forças da segurança e Defesa Civil de Santa Catarina.

Central já distribuiu 55 toneladas de alimentos

A Central de Arrecadações, que está instalada na Casa da Mulher e do Voluntário (na Rua 2.850) já ajudou, segundo a secretária da Inclusão Social de Balneário Camboriú, Christina Barichello, 2.722 famílias. Ao total, até o presente momento foram doadas 55 toneladas de alimentos e mil pessoas receberam o cartão social (Bolsa Família).

“Nos abrigos para moradores de rua, estávamos com três, e tivemos que fazer mais um. Um para pessoas em isolamento, suspeitos em ter Coronavírus, o grande da Luz da Vida, um perto para mulheres e a Casa de Passagem. Estão vindo pessoas que não são moradores de rua, que foram despejadas, que não tem como pagar aluguel, por isso aumentou o número. Estamos atendendo 170 pessoas nos três abrigos, mais 40 na Casa de Passagem”, conta.

Os abrigos contam com voluntários da área da saúde, como médicos, enfermeiros e dentistas, e também com assistentes sociais.

Christina aproveita para agradecer a solidariedade dos moradores de Balneário, citando que a crise não é somente de saúde, mas também financeira e emocional.

“Mas ainda peço que as pessoas continuem doando alimentos e a fórmula infantil Aptamil 2. A maior parte dos donativos está sendo comprado pelo poder público, compramos mais 1.500 cestas básicas e já estão acabando. Só quarta-feira (1º) 490 pessoas entraram em contato conosco pedindo ajuda”, diz.

Segundo a secretária, há inclusive pessoas que moram no centro da cidade necessitando do apoio da assistência social.

“Desesperadas porque não tem o que comer em casa. Envergonhadas dizem que depois que começarem a receber vão retribuir pra assistência social. Outras pessoas em choque, porque acham que estão pedindo esmola, porque nunca precisaram. Mais de 600 pessoas já foram atendidas no apoio emocional também. É um caos mundial, e ainda bem que o prefeito Fabrício fez medidas rígidas e enérgicas, dando suporte para a população”, salienta.

Central de Arrecadação de Alimentos da prefeitura (Foto: Divulgação/PMBC)
A fila para pegar uma cesta básica (Foto Divulgação/PMBC)

#FaçaDiferençaJá

A presidente da Associação de Moradores do Bairro Vila Real (Amorvir), Mauria Dalmas, também está coordenando uma ação de arrecadação de alimentos e produtos de higiene, é o movimento #FaçaDiferençaJá. Ela conta que inicialmente teve apoio de um amigo e tiveram ideia de coletar alimentos por toda a cidade, em mercados como Bistek, Imperatriz, Meschke, Munhoz, Fort Atacadista, Rosar Alimentos e até no Instituto Leonardo Macarrão, que fica no Bairro Ariribá.

O objetivo é repassar os donativos (já foram arrecadados mais de 200kg) para famílias carentes – até o momento mais de 50 já foram auxiliadas. As próprias ‘lideranças locais’, como associações de moradores e empresários que estão apoiando, indicam quem precisa. O movimento também está em contato com a prefeitura, para não correr o risco de entregar cestas básicas para quem já recebeu ajuda, por exemplo. “Precisamos de fraldas, leite também, material de higiene. O básico dos alimentos é mais fácil de conseguirmos, mas esses citados são os que mais precisamos”, diz.

Mais informações em: Instagram @facadiferencaja, contato: (47) 984322907 / (47) 996996751.

Lista de pontos de coleta

  • Bairro Vila Real
  • Mercado Munhoz /R. Dom Daniel, 29 - Vila Real, Balneário Camboriú
  • Bairro das Nações
  • Supermercado Meschke Nações
  • Aventureiros do Vale do Itajaí/Rua Peru nº 983
  • Rosar Alimentos
  • Bairro dos Estados
  • Fort Atacadista
  • Centro
  • Bistek
  • Imperatriz
  • Meschke Avenida do Estado
  • Via Rápida Mercado (Rua 1.400 em frente da Igreja Matriz Santa Inês)
  • Mercado Balneário (Terceira Avenida, nº 1.151)
  • Bairro dos Pioneiros
  • Supermercado Meschke
  • Bairro São Judas Tadeu
  • Mercado Corrêa
  • Farmácia Líder Popular
  • Bairro Nova Esperança
  • Supermercado Sandro
  • Farmácia Super Popular
  • Bairro da Barra
  • Supermercado Winter
  • Farmácia da Barra
  • Bairro Ariribá
  • Mercado Tomasi (Avenida dos Tucanos)
  • Instituto Leonardo Macarrão (Rua Flamingo, n° 49).
Mais de 50 famílias já foram assistidas (Divulgação)

Lions também está arrecadando cestas básicas

O Lions Clube Balneário Camboriú Centro também está coordenando uma ação de doações de cestas básicas, que serão encaminhadas para famílias necessitadas da cidade. Ana Cristina Palmeira, que integra a entidade, explica que a ideia surgiu a partir de um seminário de lideranças que realizaram ainda no início de março, e quando casos começaram a surgir em Balneário concretizaram o projeto do Banco de Alimentos. Famílias foram cadastradas (até quarta-feira (1º), 187 haviam se cadastrado) tanto por indicação quanto pelas redes sociais.

Até o momento, 72 cestas básicas foram doadas, beneficiando 135 pessoas.

“Anotamos dados pessoais, quantas pessoas integram a família, com o que trabalham, se estão parados por conta da pandemia, e então fazemos uma triagem. Damos preferência para atender Balneário, e encaminhamos para os Lions que estão fazendo campanhas em outras cidades, como Camboriú e Itajaí”, salienta. A ideia é que o Banco de Alimentos se torne um projeto permanente do Lions BC Centro.

Quem quiser auxiliar na campanha, pode doar diretamente cestas básicas na sede do Lions (Rua 3.700, 475) ou então por transferência bancária (R$ 60 – valor da cesta básica) Banco 085 (Credifoz), Agência: 0109, Conta Corrente: 44059-0, CNPJ 76.703.768/0001-93. As famílias que quiserem se credenciar para pedir doações ou quem tiver dúvidas podem entrar em contato com Ana pelo WhatsApp (47) 99137-2800.

Até o momento 72 cestas básicas foram doadas (Divulgação)

Grupo Solidariedade e Amor

O Grupo Solidariedade e Amor atua ajudando famílias carentes de Balneário Camboriú e região desde antes da pandemia do Coronavírus, mas agora os trabalhos estão sendo intensificados. Mais de 100 famílias estão sendo assistidas e nos últimos dias mais de 78 cestas básicas foram entregues. A renda do Grupo vem principalmente de bazares que costumam realizar, mas por conta do isolamento social esses eventos não estão acontecendo. Por isso, o Solidariedade e Amor está com uma Vakinha Online (https://www.vakinha.com.br/vaquinha/vaquinha-solidaria-juliana-ferreira-de-deus) e também estão com uma rifa de um kit Lixo Zero.

Lívia Garcia Prado, que integra o Grupo e também é Embaixadora Lixo Zero em Balneário Camboriú, conta que muitas pessoas estão ajudando e que na Vakinha já conseguiram quase metade do valor que colocaram como meta (R$ 10 mil, e já arrecadaram R$ 4,8 mil).

“Além do pessoal ajudar doando na Vakinha e comprando a rifa, estamos recebendo alimentos e produtos de higiene e limpeza. Os pedidos quadruplicaram, então toda ajuda é bem-vinda”, diz. Lívia salienta que neste momento precisam tanto de doações de cestas básicas como também de produtos de higiene e limpeza.

“Muitas pessoas doam alimentos, mas poucas têm doado itens importantes como sabonetes, por exemplo. Precisamos sempre de fraldas também, tanto infantis quanto geriátricas”, explica.

A voluntária aproveita para elogiar a união dos outros grupos que vêm surgindo pela cidade, afirmando que ‘toda ajuda neste momento é essencial’.

“Os pedidos de ajuda aumentaram tanto justamente porque pessoas que nunca precisaram, perderam suas fontes de renda e não têm dinheiro nem para comprar comida. É um momento de muito desespero para todos e nós estamos fazendo o máximo para ajudar a maior quantidade de pessoas possível, mas realmente é necessário que muitas ações sejam feitas, pois a cada dia os pedidos de ajuda crescem”, completa.

Mais informações: clique aqui

Grupo já ajudou mais de 100 famílias (Divulgação)

Vestevida: polo têxtil de Santa Catarina está confeccionando máscaras e outros itens

Coordenação do Vestevida, Grazi Andreis, Sandra Bronzina, Mirvana Andreis.
Macacões e máscaras que produzem

A modelo e empresária Sandra Bronzina, que dirige a Agência Donaire, se uniu com a arquiteta Graziele Andreis e com a estilista Mirvana Andreis, diretora da Líbere Fashion School e presidente da CDL Mulher, e juntas criaram o projeto Veste Vida, que está produzindo de forma voluntária e gratuita máscaras, macacões e jalecos para médicos, bombeiros, policiais, guardas municipais, e Defesa Civil de Balneário Camboriú e outras cidades do Estado.

O projeto conta com apoio das marcas Dimy, Anita Voss, Naguchi, Grupo Lunelli, Latina Têxtil, La Bella Mafia, Aradefe Malhas, SANCRIS, Zanotti Elásticos, Cassia Mallmann, Morena Bakana e Meias LOA.

Sandra conta que é amiga de Mirvana há muitos anos. Elas se encontraram alguns dias antes da pandemia e, quando a situação se agravou, juntas tiveram a ideia de criar o Vestevida.

“Tenho agência de modelos e muitos conhecidos que trabalham no polo têxtil. Santa Catarina é um Estado produtor, e junto com a Mirvana convocamos a indústria a fazer a ação nesse sentido. Já distribuímos cerca de 17 mil itens, sendo 15 mil máscaras e dois mil macacões e jalecos. Tudo está sendo de forma voluntária e gratuita”, diz.

As fábricas que estão paradas fazem o corte dos tecidos, que são distribuídos para cerca de 150 costureiras de Balneário e região que estão trabalhando voluntariamente de suas casas.

A maioria dos itens é feito de TNT, mas também contam com um tecido antibactericida doado pela Latina Têxtil que é focado nas equipes que trabalham em hospitais, levando para eles uma segurança maior, e algumas máscaras também foram feitas de acrílico.

“Deixamos claro que nossos itens não são EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e não possuímos certificado da ANVISA. É um material emergencial e que não tira o papel do Estado em comprar o adequado, mas por conta da pandemia e da falta de materiais estamos tentando ajudar dessa forma”, acrescenta.

Sandra salienta que antes da entrega enviam para as secretarias de Saúde de cada cidade um termo, onde os secretários assinam tendo consciência de que os materiais não são certificados e sim focados no uso emergencial.

“É melhor do que todos esses profissionais estarem expostos. Estamos dando o nosso máximo, fazendo a nossa parte e com o coração”, afirma.

O projeto aceita doações de tecidos, elásticos e de costureiras que queiram ajudar de forma voluntária. Mais informações via Instagram @vestevida_covid19.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Corrente do bem: Balneário Camboriú se une doando alimentos e produzindo máscaras

Em tempos de Coronavírus, milhares de pessoas que possuíam emprego, como diaristas, vigias, garçons, trabalhadores do turismo e muitos outros estão sem receber e precisam contar com a assistência social.

Publicidade

Sexta, 3/4/2020 17:47.

Em Balneário Camboriú, foi criada a Central de Arrecadações e Serviços Voluntários, que está arrecadando alimentos, produtos de higiene e fraldas para quem precisa. Outros grupos também se uniram para arrecadar alimentos, e há ainda o movimento Vestevida, que reuniu o polo têxtil de Santa Catarina em prol da confecção de máscaras, jalecos e aventais para os médicos, forças da segurança e Defesa Civil de Santa Catarina.

Central já distribuiu 55 toneladas de alimentos

A Central de Arrecadações, que está instalada na Casa da Mulher e do Voluntário (na Rua 2.850) já ajudou, segundo a secretária da Inclusão Social de Balneário Camboriú, Christina Barichello, 2.722 famílias. Ao total, até o presente momento foram doadas 55 toneladas de alimentos e mil pessoas receberam o cartão social (Bolsa Família).

“Nos abrigos para moradores de rua, estávamos com três, e tivemos que fazer mais um. Um para pessoas em isolamento, suspeitos em ter Coronavírus, o grande da Luz da Vida, um perto para mulheres e a Casa de Passagem. Estão vindo pessoas que não são moradores de rua, que foram despejadas, que não tem como pagar aluguel, por isso aumentou o número. Estamos atendendo 170 pessoas nos três abrigos, mais 40 na Casa de Passagem”, conta.

Os abrigos contam com voluntários da área da saúde, como médicos, enfermeiros e dentistas, e também com assistentes sociais.

Christina aproveita para agradecer a solidariedade dos moradores de Balneário, citando que a crise não é somente de saúde, mas também financeira e emocional.

“Mas ainda peço que as pessoas continuem doando alimentos e a fórmula infantil Aptamil 2. A maior parte dos donativos está sendo comprado pelo poder público, compramos mais 1.500 cestas básicas e já estão acabando. Só quarta-feira (1º) 490 pessoas entraram em contato conosco pedindo ajuda”, diz.

Segundo a secretária, há inclusive pessoas que moram no centro da cidade necessitando do apoio da assistência social.

“Desesperadas porque não tem o que comer em casa. Envergonhadas dizem que depois que começarem a receber vão retribuir pra assistência social. Outras pessoas em choque, porque acham que estão pedindo esmola, porque nunca precisaram. Mais de 600 pessoas já foram atendidas no apoio emocional também. É um caos mundial, e ainda bem que o prefeito Fabrício fez medidas rígidas e enérgicas, dando suporte para a população”, salienta.

Central de Arrecadação de Alimentos da prefeitura (Foto: Divulgação/PMBC)
A fila para pegar uma cesta básica (Foto Divulgação/PMBC)

#FaçaDiferençaJá

A presidente da Associação de Moradores do Bairro Vila Real (Amorvir), Mauria Dalmas, também está coordenando uma ação de arrecadação de alimentos e produtos de higiene, é o movimento #FaçaDiferençaJá. Ela conta que inicialmente teve apoio de um amigo e tiveram ideia de coletar alimentos por toda a cidade, em mercados como Bistek, Imperatriz, Meschke, Munhoz, Fort Atacadista, Rosar Alimentos e até no Instituto Leonardo Macarrão, que fica no Bairro Ariribá.

O objetivo é repassar os donativos (já foram arrecadados mais de 200kg) para famílias carentes – até o momento mais de 50 já foram auxiliadas. As próprias ‘lideranças locais’, como associações de moradores e empresários que estão apoiando, indicam quem precisa. O movimento também está em contato com a prefeitura, para não correr o risco de entregar cestas básicas para quem já recebeu ajuda, por exemplo. “Precisamos de fraldas, leite também, material de higiene. O básico dos alimentos é mais fácil de conseguirmos, mas esses citados são os que mais precisamos”, diz.

Mais informações em: Instagram @facadiferencaja, contato: (47) 984322907 / (47) 996996751.

Lista de pontos de coleta

  • Bairro Vila Real
  • Mercado Munhoz /R. Dom Daniel, 29 - Vila Real, Balneário Camboriú
  • Bairro das Nações
  • Supermercado Meschke Nações
  • Aventureiros do Vale do Itajaí/Rua Peru nº 983
  • Rosar Alimentos
  • Bairro dos Estados
  • Fort Atacadista
  • Centro
  • Bistek
  • Imperatriz
  • Meschke Avenida do Estado
  • Via Rápida Mercado (Rua 1.400 em frente da Igreja Matriz Santa Inês)
  • Mercado Balneário (Terceira Avenida, nº 1.151)
  • Bairro dos Pioneiros
  • Supermercado Meschke
  • Bairro São Judas Tadeu
  • Mercado Corrêa
  • Farmácia Líder Popular
  • Bairro Nova Esperança
  • Supermercado Sandro
  • Farmácia Super Popular
  • Bairro da Barra
  • Supermercado Winter
  • Farmácia da Barra
  • Bairro Ariribá
  • Mercado Tomasi (Avenida dos Tucanos)
  • Instituto Leonardo Macarrão (Rua Flamingo, n° 49).
Mais de 50 famílias já foram assistidas (Divulgação)

Lions também está arrecadando cestas básicas

O Lions Clube Balneário Camboriú Centro também está coordenando uma ação de doações de cestas básicas, que serão encaminhadas para famílias necessitadas da cidade. Ana Cristina Palmeira, que integra a entidade, explica que a ideia surgiu a partir de um seminário de lideranças que realizaram ainda no início de março, e quando casos começaram a surgir em Balneário concretizaram o projeto do Banco de Alimentos. Famílias foram cadastradas (até quarta-feira (1º), 187 haviam se cadastrado) tanto por indicação quanto pelas redes sociais.

Até o momento, 72 cestas básicas foram doadas, beneficiando 135 pessoas.

“Anotamos dados pessoais, quantas pessoas integram a família, com o que trabalham, se estão parados por conta da pandemia, e então fazemos uma triagem. Damos preferência para atender Balneário, e encaminhamos para os Lions que estão fazendo campanhas em outras cidades, como Camboriú e Itajaí”, salienta. A ideia é que o Banco de Alimentos se torne um projeto permanente do Lions BC Centro.

Quem quiser auxiliar na campanha, pode doar diretamente cestas básicas na sede do Lions (Rua 3.700, 475) ou então por transferência bancária (R$ 60 – valor da cesta básica) Banco 085 (Credifoz), Agência: 0109, Conta Corrente: 44059-0, CNPJ 76.703.768/0001-93. As famílias que quiserem se credenciar para pedir doações ou quem tiver dúvidas podem entrar em contato com Ana pelo WhatsApp (47) 99137-2800.

Até o momento 72 cestas básicas foram doadas (Divulgação)

Grupo Solidariedade e Amor

O Grupo Solidariedade e Amor atua ajudando famílias carentes de Balneário Camboriú e região desde antes da pandemia do Coronavírus, mas agora os trabalhos estão sendo intensificados. Mais de 100 famílias estão sendo assistidas e nos últimos dias mais de 78 cestas básicas foram entregues. A renda do Grupo vem principalmente de bazares que costumam realizar, mas por conta do isolamento social esses eventos não estão acontecendo. Por isso, o Solidariedade e Amor está com uma Vakinha Online (https://www.vakinha.com.br/vaquinha/vaquinha-solidaria-juliana-ferreira-de-deus) e também estão com uma rifa de um kit Lixo Zero.

Lívia Garcia Prado, que integra o Grupo e também é Embaixadora Lixo Zero em Balneário Camboriú, conta que muitas pessoas estão ajudando e que na Vakinha já conseguiram quase metade do valor que colocaram como meta (R$ 10 mil, e já arrecadaram R$ 4,8 mil).

“Além do pessoal ajudar doando na Vakinha e comprando a rifa, estamos recebendo alimentos e produtos de higiene e limpeza. Os pedidos quadruplicaram, então toda ajuda é bem-vinda”, diz. Lívia salienta que neste momento precisam tanto de doações de cestas básicas como também de produtos de higiene e limpeza.

“Muitas pessoas doam alimentos, mas poucas têm doado itens importantes como sabonetes, por exemplo. Precisamos sempre de fraldas também, tanto infantis quanto geriátricas”, explica.

A voluntária aproveita para elogiar a união dos outros grupos que vêm surgindo pela cidade, afirmando que ‘toda ajuda neste momento é essencial’.

“Os pedidos de ajuda aumentaram tanto justamente porque pessoas que nunca precisaram, perderam suas fontes de renda e não têm dinheiro nem para comprar comida. É um momento de muito desespero para todos e nós estamos fazendo o máximo para ajudar a maior quantidade de pessoas possível, mas realmente é necessário que muitas ações sejam feitas, pois a cada dia os pedidos de ajuda crescem”, completa.

Mais informações: clique aqui

Grupo já ajudou mais de 100 famílias (Divulgação)

Vestevida: polo têxtil de Santa Catarina está confeccionando máscaras e outros itens

Coordenação do Vestevida, Grazi Andreis, Sandra Bronzina, Mirvana Andreis.
Macacões e máscaras que produzem

A modelo e empresária Sandra Bronzina, que dirige a Agência Donaire, se uniu com a arquiteta Graziele Andreis e com a estilista Mirvana Andreis, diretora da Líbere Fashion School e presidente da CDL Mulher, e juntas criaram o projeto Veste Vida, que está produzindo de forma voluntária e gratuita máscaras, macacões e jalecos para médicos, bombeiros, policiais, guardas municipais, e Defesa Civil de Balneário Camboriú e outras cidades do Estado.

O projeto conta com apoio das marcas Dimy, Anita Voss, Naguchi, Grupo Lunelli, Latina Têxtil, La Bella Mafia, Aradefe Malhas, SANCRIS, Zanotti Elásticos, Cassia Mallmann, Morena Bakana e Meias LOA.

Sandra conta que é amiga de Mirvana há muitos anos. Elas se encontraram alguns dias antes da pandemia e, quando a situação se agravou, juntas tiveram a ideia de criar o Vestevida.

“Tenho agência de modelos e muitos conhecidos que trabalham no polo têxtil. Santa Catarina é um Estado produtor, e junto com a Mirvana convocamos a indústria a fazer a ação nesse sentido. Já distribuímos cerca de 17 mil itens, sendo 15 mil máscaras e dois mil macacões e jalecos. Tudo está sendo de forma voluntária e gratuita”, diz.

As fábricas que estão paradas fazem o corte dos tecidos, que são distribuídos para cerca de 150 costureiras de Balneário e região que estão trabalhando voluntariamente de suas casas.

A maioria dos itens é feito de TNT, mas também contam com um tecido antibactericida doado pela Latina Têxtil que é focado nas equipes que trabalham em hospitais, levando para eles uma segurança maior, e algumas máscaras também foram feitas de acrílico.

“Deixamos claro que nossos itens não são EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e não possuímos certificado da ANVISA. É um material emergencial e que não tira o papel do Estado em comprar o adequado, mas por conta da pandemia e da falta de materiais estamos tentando ajudar dessa forma”, acrescenta.

Sandra salienta que antes da entrega enviam para as secretarias de Saúde de cada cidade um termo, onde os secretários assinam tendo consciência de que os materiais não são certificados e sim focados no uso emergencial.

“É melhor do que todos esses profissionais estarem expostos. Estamos dando o nosso máximo, fazendo a nossa parte e com o coração”, afirma.

O projeto aceita doações de tecidos, elásticos e de costureiras que queiram ajudar de forma voluntária. Mais informações via Instagram @vestevida_covid19.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade