Jornal Página 3
Geral
Vestidos de laranja, foliões fazem bloco em frente ao condomínio de Bolsonaro, no Rio
Terça, 5/3/2019 15:59.

Eduardo Anizelli/Folhapress.

Publicidade

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Perucas, brincos, tiaras e camisetas laranjas coloriram a entrada do condomínio do presidente Jair Bolsonaro na Barra da Tijuca, nesta terça (5) de Carnaval.

"Doutor/ Eu não me engano/ Bolsonaro é miliciano", paródia da marchinha "Coração Corintiano", era um dos hinos preferidos do Eu Avisei, cortejo contra Bolsonaro convocado nas redes sociais -por lá mais de 108 mil disseram que iam no bloco, mas só dezenas deram as caras.

Bloco, tecnicamente, não seria o nome mais adequado para a aglomeração. Os organizadores chamavam de ato em formato de folia carnavalesca, já que, para por o bloco na rua, é preciso ter autorização da prefeitura. Para manifestações políticas, não.

"Isso que é comunista", brincou a professora Regina Conti, 60, madeixas recém-tingidas de laranja, quando outra foliã-ativista ofereceu um tutu de bailarina incrementado com as frutas dessa cor recortadas em cartolina e preenchidas com glitter alaranjado.

O mote se espalhou por fantasias deste e outros blocos cariocas: uma referência a Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL) investigado pelo Ministério Público e apontado pela oposição como laranja do filho 01 do presidente.

"É melhor Jair arrumando a fantasia para o Carnaval 2019", dizia o texto que apresentou o bloco-ato no Facebook. "Tá liberado convidar seu amigo ou parente que votou no filhote da ditadura só pra gritar no ouvido dele: EU AVISEI!"

O nome da folia, explica a professora Regina, é uma "brincadeira de Carnaval pra mostrar o quanto o brasileiro se enganou ao votar em quem já está mostrando as deficiências que nos prevíamos".

Até a passagem de um caminhão da Comlurb, empresa municipal de coleta de lixo identificada pela cor laranja, foi aplaudida pelos foliões-ativistas.

Nem só de laranjal foram feitos os adereços da trupe. Houve quem fosse de "fantasma do comunismo", com uma bandeira da extinta União Soviética da cabeça aos pés, tal qual uma aparição. Uma troça com a ideia de que o regime almejado pela ditadura stalinista poderia dominar o Brasil de 2019.

Rodrigo Porto, 40, profissional de educação, foi na mesma toada: apareceu de vermelho com um urso de pelúcia na mão e uma placa da Ursal, fictícia aliança de países socialistas na América Latina que já foi levada a sério por parte da direita brasileira.

"É uma sátira do país socialista em que eles dizem que vivemos, e o Brasil tá longe disso", afirma Rodrigo.

A maioria absoluta ali já tinha ido contra Bolsonaro na eleição, e alguns passaram na véspera por outro bloco-sátira, o Comuna que Pariu.
Outra marchinha interpretada a metros de onde Bolsonaro vivia antes de se mudar para o Palácio da Alvorada parodiou "Jardineira": "Ô paneleiro por que estás tão triste?/ Mas o que foi que te aconteceu?/ Trocou o Temer pelo Bolsonaro/ Pagou de otário e se arrependeu".

Com pouco quórum, algumas crianças e muita animação, o Eu Avisei transcorria pacificamente até o fim da manhã de terça. Uma breve contenda: dois senhores que atravessavam a orla de bicicleta pararam em frente ao condomínio na praia da Barra, e um deles gritou que os manifestantes eram vendidos. Uma participante do bloco rebateu chamando-o de "general de merda".

O presidente não estava no local. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Geral


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Variedades


Policia

 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


Política

 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Vestidos de laranja, foliões fazem bloco em frente ao condomínio de Bolsonaro, no Rio

Eduardo Anizelli/Folhapress.

Publicidade

Terça, 5/3/2019 15:59.

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Perucas, brincos, tiaras e camisetas laranjas coloriram a entrada do condomínio do presidente Jair Bolsonaro na Barra da Tijuca, nesta terça (5) de Carnaval.

"Doutor/ Eu não me engano/ Bolsonaro é miliciano", paródia da marchinha "Coração Corintiano", era um dos hinos preferidos do Eu Avisei, cortejo contra Bolsonaro convocado nas redes sociais -por lá mais de 108 mil disseram que iam no bloco, mas só dezenas deram as caras.

Bloco, tecnicamente, não seria o nome mais adequado para a aglomeração. Os organizadores chamavam de ato em formato de folia carnavalesca, já que, para por o bloco na rua, é preciso ter autorização da prefeitura. Para manifestações políticas, não.

"Isso que é comunista", brincou a professora Regina Conti, 60, madeixas recém-tingidas de laranja, quando outra foliã-ativista ofereceu um tutu de bailarina incrementado com as frutas dessa cor recortadas em cartolina e preenchidas com glitter alaranjado.

O mote se espalhou por fantasias deste e outros blocos cariocas: uma referência a Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL) investigado pelo Ministério Público e apontado pela oposição como laranja do filho 01 do presidente.

"É melhor Jair arrumando a fantasia para o Carnaval 2019", dizia o texto que apresentou o bloco-ato no Facebook. "Tá liberado convidar seu amigo ou parente que votou no filhote da ditadura só pra gritar no ouvido dele: EU AVISEI!"

O nome da folia, explica a professora Regina, é uma "brincadeira de Carnaval pra mostrar o quanto o brasileiro se enganou ao votar em quem já está mostrando as deficiências que nos prevíamos".

Até a passagem de um caminhão da Comlurb, empresa municipal de coleta de lixo identificada pela cor laranja, foi aplaudida pelos foliões-ativistas.

Nem só de laranjal foram feitos os adereços da trupe. Houve quem fosse de "fantasma do comunismo", com uma bandeira da extinta União Soviética da cabeça aos pés, tal qual uma aparição. Uma troça com a ideia de que o regime almejado pela ditadura stalinista poderia dominar o Brasil de 2019.

Rodrigo Porto, 40, profissional de educação, foi na mesma toada: apareceu de vermelho com um urso de pelúcia na mão e uma placa da Ursal, fictícia aliança de países socialistas na América Latina que já foi levada a sério por parte da direita brasileira.

"É uma sátira do país socialista em que eles dizem que vivemos, e o Brasil tá longe disso", afirma Rodrigo.

A maioria absoluta ali já tinha ido contra Bolsonaro na eleição, e alguns passaram na véspera por outro bloco-sátira, o Comuna que Pariu.
Outra marchinha interpretada a metros de onde Bolsonaro vivia antes de se mudar para o Palácio da Alvorada parodiou "Jardineira": "Ô paneleiro por que estás tão triste?/ Mas o que foi que te aconteceu?/ Trocou o Temer pelo Bolsonaro/ Pagou de otário e se arrependeu".

Com pouco quórum, algumas crianças e muita animação, o Eu Avisei transcorria pacificamente até o fim da manhã de terça. Uma breve contenda: dois senhores que atravessavam a orla de bicicleta pararam em frente ao condomínio na praia da Barra, e um deles gritou que os manifestantes eram vendidos. Uma participante do bloco rebateu chamando-o de "general de merda".

O presidente não estava no local. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito