Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
CIA considerou soja brasileira ameaça ao EUA

Domingo, 24/3/2019 19:23.
EBC.

Publicidade

PAULA SPERB
PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - A soja brasileira é encarada pelos Estados Unidos como uma "ameaça" às exportações norte-americanas há pelo menos 46 anos, segundo documentos produzidos pela CIA, a agência de inteligência daquele país.

Em 1973, um relatório afirmava no título que o grão brasileiro apresentava um risco concorrencial ao país.

Sob a inscrição "Brazil's Soybeans: An Emerging Threat to US Exports" (Soja do Brasil: uma ameaça emergente para as exportações dos EUA), o texto foi classificado à época como confidencial e, recentemente, liberado para consulta como parte do "Freedom of Information Act" (Lei de Liberdade de Informação).

O documento, consultado pela reportagem, mostra os dados sobre a produção dos dois países no início dos anos de 1970 e destaca que a exportação de soja brasileira ainda não alcançara a exportação norte-americana, "mas que ameaça seus lucros futuros".

O estudo, com 13 páginas, também afirma que, com um crescimento anual de 50% da produção do grão, naquele período, o Brasil já era o "único concorrente importante" dos Estados Unidos.

O histórico de concorrência na exportação de soja vem à tona quando os produtores brasileiros podem ter perdas estimadas em R$ 20,5 bilhões, caso se confirme a trégua comercial entre China e Estados Unidos. A China teria oferecido aos norte-americanos a compra de um adicional de R$ 111 bilhões em produtos agrícolas, o que diminuiria a demanda de similares brasileiros.

"Caso se confirme, vai haver um impacto inicial muito forte, o temor é esse", disse Luis Fernando Fucks, presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS).

Entretanto, Fucks relativiza o impacto a médio prazo, pois a China não poderia abdicar de importar a soja brasileira porque, mesmo comprando dos Estados Unidos, sua produção é insuficiente para abastecer todo o país.

A visita do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Estados Unidos teria reforçado a aliança política e econômica entre os dois países americanos, avalia Paulo Pires, presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro-RS) -e uma parceria não pode impedir o Brasil de vender para o mundo todo, diz.

"Não pode ter ideologia de nenhum lado. Paulo Guedes [ministro da Economia] foi feliz na declaração", disse Pires. "Sabe quem tem mais investimento direto nos Estados Unidos? Os chineses. Então por que nós não podemos fazer comércio com a China e deixar que eles invistam no Brasil em ferrovias para transportar nossa soja?", disse Guedes, durante a visita em que acompanha Bolsonaro.

O memorando de 1973 também previa o crescimento da exportação brasileira. "É quase certo que o Brasil ganhará uma maior fatia da exportação mundial de soja no longo prazo", afirma o texto.

Além disso, a CIA entendia que uma eventual queda nos preços mundiais, naquele período, favoreceria o Brasil, já que os produtores norte-americanos trocariam a soja pelo milho, enquanto os brasileiros permaneceriam com a soja, que é mais lucrativa.

O documento também dizia que o governo brasileiro estava incentivando os produtores com subsídios saídos de impostos e que o apoio ocorria também em nível estadual, como no caso do Rio Grande do Sul, que veiculava uma campanha publicitária sobre os números da safra.

Dez anos depois, a produção brasileira de soja continuava no radar da CIA. Em julho de 1983, a Diretoria de Inteligência da agência produziu outro documento, a pedido da Secretaria do Tesouro dos Estados Unidos.

Além dos números recentes das safras brasileiras, o documento afirmava que, "diferentemente de Washington, Brasília intervém fortemente no mercado" e que "preços são controlados, especialmente para produtos de soja".

O texto também ressalta que os produtores recebiam incentivos, crédito e auxílio em marketing.

Consta ainda a afirmação de que estatais brasileiras eram as principais responsáveis por acordos de vendas para a então União Soviética. O comunismo era outra preocupação dos Estados Unidos, na época, em Guerra Fria com os russos. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

CIA considerou soja brasileira ameaça ao EUA

EBC.

Publicidade

Domingo, 24/3/2019 19:23.

PAULA SPERB
PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - A soja brasileira é encarada pelos Estados Unidos como uma "ameaça" às exportações norte-americanas há pelo menos 46 anos, segundo documentos produzidos pela CIA, a agência de inteligência daquele país.

Em 1973, um relatório afirmava no título que o grão brasileiro apresentava um risco concorrencial ao país.

Sob a inscrição "Brazil's Soybeans: An Emerging Threat to US Exports" (Soja do Brasil: uma ameaça emergente para as exportações dos EUA), o texto foi classificado à época como confidencial e, recentemente, liberado para consulta como parte do "Freedom of Information Act" (Lei de Liberdade de Informação).

O documento, consultado pela reportagem, mostra os dados sobre a produção dos dois países no início dos anos de 1970 e destaca que a exportação de soja brasileira ainda não alcançara a exportação norte-americana, "mas que ameaça seus lucros futuros".

O estudo, com 13 páginas, também afirma que, com um crescimento anual de 50% da produção do grão, naquele período, o Brasil já era o "único concorrente importante" dos Estados Unidos.

O histórico de concorrência na exportação de soja vem à tona quando os produtores brasileiros podem ter perdas estimadas em R$ 20,5 bilhões, caso se confirme a trégua comercial entre China e Estados Unidos. A China teria oferecido aos norte-americanos a compra de um adicional de R$ 111 bilhões em produtos agrícolas, o que diminuiria a demanda de similares brasileiros.

"Caso se confirme, vai haver um impacto inicial muito forte, o temor é esse", disse Luis Fernando Fucks, presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS).

Entretanto, Fucks relativiza o impacto a médio prazo, pois a China não poderia abdicar de importar a soja brasileira porque, mesmo comprando dos Estados Unidos, sua produção é insuficiente para abastecer todo o país.

A visita do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Estados Unidos teria reforçado a aliança política e econômica entre os dois países americanos, avalia Paulo Pires, presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro-RS) -e uma parceria não pode impedir o Brasil de vender para o mundo todo, diz.

"Não pode ter ideologia de nenhum lado. Paulo Guedes [ministro da Economia] foi feliz na declaração", disse Pires. "Sabe quem tem mais investimento direto nos Estados Unidos? Os chineses. Então por que nós não podemos fazer comércio com a China e deixar que eles invistam no Brasil em ferrovias para transportar nossa soja?", disse Guedes, durante a visita em que acompanha Bolsonaro.

O memorando de 1973 também previa o crescimento da exportação brasileira. "É quase certo que o Brasil ganhará uma maior fatia da exportação mundial de soja no longo prazo", afirma o texto.

Além disso, a CIA entendia que uma eventual queda nos preços mundiais, naquele período, favoreceria o Brasil, já que os produtores norte-americanos trocariam a soja pelo milho, enquanto os brasileiros permaneceriam com a soja, que é mais lucrativa.

O documento também dizia que o governo brasileiro estava incentivando os produtores com subsídios saídos de impostos e que o apoio ocorria também em nível estadual, como no caso do Rio Grande do Sul, que veiculava uma campanha publicitária sobre os números da safra.

Dez anos depois, a produção brasileira de soja continuava no radar da CIA. Em julho de 1983, a Diretoria de Inteligência da agência produziu outro documento, a pedido da Secretaria do Tesouro dos Estados Unidos.

Além dos números recentes das safras brasileiras, o documento afirmava que, "diferentemente de Washington, Brasília intervém fortemente no mercado" e que "preços são controlados, especialmente para produtos de soja".

O texto também ressalta que os produtores recebiam incentivos, crédito e auxílio em marketing.

Consta ainda a afirmação de que estatais brasileiras eram as principais responsáveis por acordos de vendas para a então União Soviética. O comunismo era outra preocupação dos Estados Unidos, na época, em Guerra Fria com os russos. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade