Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Ônibus e metrôs devem paralisar nesta sexta nas capitais

Quinta, 13/6/2019 19:16.

(FOLHAPRESS) - O metrô e o serviço de ônibus das principais capitais do país devem ser afetados nesta sexta-feira (13) com a greve geral de servidores contra a reforma da Previdência. Atos foram convocados ao longo do dia nos estados pelas centrais sindicais.

Em Salvador, desde o início da manhã, devem ser paralisados total ou parcialmente os serviços de transporte de ônibus e também de metrô.

A estimativa é que todos os 21 mil ônibus não operem em Salvador. Escolas estaduais e municipais também terão servidores que vão aderir à greve geral. Bancários também confirmaram que vão cruzar os braços. O protesto está previsto para as 15h no Campo Grande.

Mesmo com a previsão de paralisação, a Prefeitura de Salvador afirma que irá manter todos os serviços essenciais e informou que os servidores que faltarem sem justificativa terão os pontos cortados. A gestão de ACM Neto (DEM) afirma que as ausências serão avaliadas caso a caso em caso de paralisação do sistema de transportes.

No Recife, também devem paralisar funcionários de ônibus e metrô, além de bancários e servidores de escolas da rede estadual e municipal. O ato no Recife será às 14h, na avenida Guararapes, no centro da cidade.

No Rio de Janeiro, a expectativa é que a greve não atinja tanto os serviços de transporte. Rodoviários (ônibus e BRT) e metroviários aderiram formalmente à paralisação, mas o Metrô Rio e a Supervia (trens) dizem que seu funcionamento não será afetado. A decisão de trabalhar ou não será dos funcionários nas garagens.

Também terão paralisações escolas estaduais e municipais, além de universidades como a UFRJ (federal) e a Uerj (estadual). As centrais sindicais esperam desde a manhã atos descentralizados, que devem se concentrar a partir das 15h em frente à Igreja da Candelária, no centro da cidade -mesmo local onde manifestantes se juntaram nos dias 15 e 30 de maio contra cortes na educação.

Em Belo Horizonte, a previsão é de paralisação de metrô e ônibus, e também adesão de servidores em escolas públicas. O ato contra a reforma da Previdência está previsto para a partir das 11h, saindo da Praça Afonso Arinos, mesmo ponto de partida do protesto do dia 30.

Em Porto Alegre, escolas, transporte, saúde e bancos devem ser afetados. Os colégios públicos não devem ter aulas e parte das escolas particulares anunciaram adesão.

O transporte por trem estará paralisado, mas os motoristas de ônibus vão trabalhar. Os bancários aprovaram greve, o que deve impactar no atendimento mesmo que a adesão não seja total. O mesmo ocorre com funcionários públicos da saúde, diversas categorias da saúde aprovaram a paralisação, mas a adesão é opcional.

O ato está marcado para 18h, na Esquina Democrática. Depois, uma caminhada deve bloquear vias do centro, como a Avenida Mauá e túnel da Conceição.

Outras 150 cidades do estado devem ter atos.

Em Curitiba, ao menos 30 categorias aderiram à greve geral. As escolas devem ser as mais afetadas, já que sindicatos de professores da rede municipal, estadual e até particular devem parar. As instituições federais, como a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), além do Hospital das Clínicas, ligada à federal, também aderiram ao movimento.

A greve inclui também os bancários, que ainda não confirmaram se as agências irão funcionar, metalúrgicos, petroleiros, servidores da Judiciário e do Ministério Público, da Saúde, do Meio Ambiente e da Agricultura, policiais civis e agentes penitenciários. Motoristas e cobradores só devem definir se aderem à paralisação no final da tarde de hoje.

Haverá um ato concentrado das entidades às 11h em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo estadual, no Centro Cívico. Às 13h30, eles devem seguir em caminhada pela região central de Curitiba, até a Praça Santos Andrade, no centro.

No estado de São Paulo, há previsão de atos em ao menos 22 cidades, organizados por centrais sindicais. Em Ribeirão Preto, o protesto está previsto para as 11h em frente à Câmara. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Ônibus e metrôs devem paralisar nesta sexta nas capitais

Publicidade

Quinta, 13/6/2019 19:16.

(FOLHAPRESS) - O metrô e o serviço de ônibus das principais capitais do país devem ser afetados nesta sexta-feira (13) com a greve geral de servidores contra a reforma da Previdência. Atos foram convocados ao longo do dia nos estados pelas centrais sindicais.

Em Salvador, desde o início da manhã, devem ser paralisados total ou parcialmente os serviços de transporte de ônibus e também de metrô.

A estimativa é que todos os 21 mil ônibus não operem em Salvador. Escolas estaduais e municipais também terão servidores que vão aderir à greve geral. Bancários também confirmaram que vão cruzar os braços. O protesto está previsto para as 15h no Campo Grande.

Mesmo com a previsão de paralisação, a Prefeitura de Salvador afirma que irá manter todos os serviços essenciais e informou que os servidores que faltarem sem justificativa terão os pontos cortados. A gestão de ACM Neto (DEM) afirma que as ausências serão avaliadas caso a caso em caso de paralisação do sistema de transportes.

No Recife, também devem paralisar funcionários de ônibus e metrô, além de bancários e servidores de escolas da rede estadual e municipal. O ato no Recife será às 14h, na avenida Guararapes, no centro da cidade.

No Rio de Janeiro, a expectativa é que a greve não atinja tanto os serviços de transporte. Rodoviários (ônibus e BRT) e metroviários aderiram formalmente à paralisação, mas o Metrô Rio e a Supervia (trens) dizem que seu funcionamento não será afetado. A decisão de trabalhar ou não será dos funcionários nas garagens.

Também terão paralisações escolas estaduais e municipais, além de universidades como a UFRJ (federal) e a Uerj (estadual). As centrais sindicais esperam desde a manhã atos descentralizados, que devem se concentrar a partir das 15h em frente à Igreja da Candelária, no centro da cidade -mesmo local onde manifestantes se juntaram nos dias 15 e 30 de maio contra cortes na educação.

Em Belo Horizonte, a previsão é de paralisação de metrô e ônibus, e também adesão de servidores em escolas públicas. O ato contra a reforma da Previdência está previsto para a partir das 11h, saindo da Praça Afonso Arinos, mesmo ponto de partida do protesto do dia 30.

Em Porto Alegre, escolas, transporte, saúde e bancos devem ser afetados. Os colégios públicos não devem ter aulas e parte das escolas particulares anunciaram adesão.

O transporte por trem estará paralisado, mas os motoristas de ônibus vão trabalhar. Os bancários aprovaram greve, o que deve impactar no atendimento mesmo que a adesão não seja total. O mesmo ocorre com funcionários públicos da saúde, diversas categorias da saúde aprovaram a paralisação, mas a adesão é opcional.

O ato está marcado para 18h, na Esquina Democrática. Depois, uma caminhada deve bloquear vias do centro, como a Avenida Mauá e túnel da Conceição.

Outras 150 cidades do estado devem ter atos.

Em Curitiba, ao menos 30 categorias aderiram à greve geral. As escolas devem ser as mais afetadas, já que sindicatos de professores da rede municipal, estadual e até particular devem parar. As instituições federais, como a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), além do Hospital das Clínicas, ligada à federal, também aderiram ao movimento.

A greve inclui também os bancários, que ainda não confirmaram se as agências irão funcionar, metalúrgicos, petroleiros, servidores da Judiciário e do Ministério Público, da Saúde, do Meio Ambiente e da Agricultura, policiais civis e agentes penitenciários. Motoristas e cobradores só devem definir se aderem à paralisação no final da tarde de hoje.

Haverá um ato concentrado das entidades às 11h em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo estadual, no Centro Cívico. Às 13h30, eles devem seguir em caminhada pela região central de Curitiba, até a Praça Santos Andrade, no centro.

No estado de São Paulo, há previsão de atos em ao menos 22 cidades, organizados por centrais sindicais. Em Ribeirão Preto, o protesto está previsto para as 11h em frente à Câmara. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade