Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Campanha para escolha da ave símbolo de Balneário Camboriú termina neste sábado
Júnior Jucoski
Foto enviada por Junior Jucoski para campanha #BC54Anos

Sexta, 14/9/2018 14:28.

A campanha para escolher a ave símbolo de Balneário Camboriú termina neste sábado(15). A votação é virtual. São seis candidatas. A vencedora será anunciada no próximo dia 4, Dia Mundial das Aves.

A iniciativa é do biólogo e pesquisador Cristiano Voitina, de Balneário Camboriú, responsável pelo projeto ‘Aves Catarinenses’.

A campanha ganhou a parceria da secretaria de Educação, do coordenador de tecnologia da informação, dos professores dos laboratórios de informática direcionado pela diretora de Projeto Especiais (professora Nilzete Teixeira), por meio do Programa Terra Limpa de educação ambiental, além de alguns núcleos que também se envolveram.

Conheça as aves candidatas:

1 - Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura: Mede de 15 a 18 cm, pesa entre 6 e 9g. Sua cauda bifurcada confere a esta ave o seu nome popular. Alimenta-se principalmente de néctar, mas também caça artrópodes pequenos com grande agilidade. É atrevido, extremamente territorialista e briguento.

Seus hábitos reprodutivos são bem curiosos, pois tanto o macho quanto a fêmea pode acasalar com vários parceiros. A fêmea é responsável pela construção do ninho, por chocar os ovos e cuidar da alimentação dos filhotes. Cabe ao macho defender o território. Constrói o ninho em forma de tigela com materiais vegetais sobre a forquilha de uma árvore ou arbusto, a cerca de 2 a 3m do solo. A postura é de até 3 ovos brancos e o período de incubação de 15 dias. Os filhotesdeixam o ninho com 22 a 24 dias.

Porque votar no beija-flor-tesoura: seu colorido possui o azul do céu e o verde do mar e das nossas matas. Comum em toda a cidade tanto no Centro como nos bairros mais afastados, visitantes assíduos de nossos jardins e bebedouros para beija-flores.

2- Cambacica – Coereba flaveola: Mede aproximadamente 10,8 cm. Pesa cerca de 10g. Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea possuem mesma coloração. Plumagem amarela na região ventral, dorso marrom, e listras brancas e pretas na cabeça. O juvenil possui tonalidade parda, e a região ventral levemente amarelada.

É Onívora, alimenta-se de artrópodes e também frutas como banana, mamão, jabuticaba e laranja, também néctar. É atraída pelas garrafas de água açucarada. Pode construir dois tipos de ninho, para reprodução ou apenas para pernoite. O ninho para reprodução é construído pelo casal, feito de capim seco de formato esférico com entrada lateral, recebe de até 3 ovos, incubados pela fêmea. Muito ativa e agressiva. Costuma viver aos pares ou solitária. Habita áreas abertas, onde existam flores, até mesmo jardins, grande adaptabilidade a áreas urbanas. A fêmea canta com menor frequência que o macho. Costuma tomar diversos banhos ao dia devido ao contato com o néctar.

Porque votar na Cambacica: muito comum em toda a cidade. Com hábitos semelhantes ao dos beija-flores. Quem tem bebedouros em sua casa as conhecem muito bem, basta esquecer de colocar comida no bebedouro que ela reclama com seu Tzi, Tzi, Tzi... podendo até entrar na casa para reclamar dos seus direitos. Não é encrenqueira, mas não foge de uma briga. Extremamente adaptada e comum em todas as Américas.

3 - Gaiovota – Larus dominicanu: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. É a maior gaivota do Brasil. Mede aproximadamente 58cm, chegando a pesar 1 kg. O adulto possui a cabeça e as partes inferiores brancas, e o dorso e partes superiores das asas pretas. Tem o bico amarelado, manchado na ponta de
vermelho.

As gaivotas apresentam uma dieta generalista e oportunista, consome peixes mortos encontrados na praia, pescados por ela mesma ou roubados de outras aves, ovos, moluscos e pequenos vertebrados como anfíbios e roedores. Também visita depósitos de lixo à procura de algo que possa matar sua fome. Reproduz-se em pequenas colônias em ilhas próximas ao continente. Constrói seu ninho no solo, utilizando gramíneas, penas e gravetos. Defende bravamente o território do ninho. Põe três ovos verdes com manchas marrons que são incubados pelo casal num período de 24 a 30 dias. È uma ave sociável, vive com os da mesma espécie, mas frequenta bandos mistos em áreas marítimas e outras áreas alagadas, como estuários e foz de rios. Diz um ditado popular: “Gaivota em terra, tempestade no mar”.

Porque votar na Gaivota: é uma boa representante para Balneário Camboriú, assim como todos os habitantes da cidade gosta de praia e sol. Com hábitos litorâneos, extremamente oportunista e adaptável a mudanças. Comum em todas as Américas inclusive nas ilhas.

4 - Garça-branca-pequena - Egretta thula: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. Mede de 48 a 68cm e pesa aproximadamente 370g. Tem tarsos e bico pretos, pés amarelados. É completamente branca. Como as outras garças e socós, ela voa com o pescoço encolhido e as pernas estendidas.

Come principalmente pequenos peixes e invertebrados aquáticos, mas se alimenta também de anfíbios, insetos e pequenos répteis. Seu ninho é construído pelo casal, uma plataforma de gravetos sobre árvores ou arbustos, normalmente em ambientes aquáticos e em ninhais, onde se encontram também outras espécies. São postos entre 3 e 7 ovos verde-azulados e a incubação dura 25 dias. Habita ambientes aquáticos cercados por florestas. Vivem em bandos. Para dormir podem migrar pequenas distâncias.

Porque votar na Garça-branca-pequena: ave extremamente elegante e esbelta, vive sempre próxima a ambientes aquáticos, principalmente as margens do Rio Camboriú, fácil de ser avistada na Barra e na Barra Sul e muitas vezes na Praia Central. Como a base da sua alimentação é o peixe é uma excelente pescadora, com técnicas elaboradas, assim como os primeiros habitantes de Balneário Camboriú que viveram da pesca e vivem até os dias de hoje.

5 - Sabiá-branco - Turdus amaurochalinus: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. Mede aproximadamente 23cm. Apenas o macho canta. Possui uma máscara negra entre o olho e o bico. A cabeça é achatada, parecendo que o bico está no mesmo plano da testa. O bico é amarelo-vivo e o papo é branco com riscos escuros.

É onívoro, come invertebrados e pequenos frutos. Constrói seu ninho em forma de tigela, usando raízes e barro. Entre agosto e dezembro acontece o período reprodutivo. São geralmente 4 ninhadas por temporada, com 2 a 4 ovos esverdeados cada. A incubação, feita pela fêmea, dura em média 12 dias, e após 17 dias os filhotes tornam-se independentes. Aos 12 meses alcança a maturidade sexual. Espécie semiflorestal, adapta-se também a áreas urbanas. Só canta em época de acasalamento, na primavera (agosto a dezembro).

Porque votar no Sabiá-branco: este pássaro assim como o seu primo. o Sabiá-laranjeira, ave símbolo do Brasil, além da sua beleza e elegância, tem um lindo canto flautado e harmonioso. Muito fácil de ser ouvido na primavera em todos os cantos de Balneário Camboriú, inclusive no Centro.

6 - Saíra-bico-fino - Dacnis cayana: Mede de 11 a 13cm, pesa de 15 a 16g. Tem bico afilado, róseo na base, e pernas vermelho-claras. Apresenta dimorfismo sexual. Macho é azul turquesa com garganta e dorso pretos, enquanto a fêmea é verde com a cabeça azulada.

Alimenta-se de pequenos frutos e néctar, sementes, além de pequenos artrópodes, como grilos, lagartas, mariposas, besouros, larvas, borboletas, aranhas capturados entre a vegetação. É a fêmea que constrói o ninho, que tem a forma de uma taça profunda, entre as folhas de uma árvore a uma altura de 5 a 7 metros do solo. O macho é responsável pela defesa do território, contra intrusos. Os 2 ou 3 ovos são esbranquiçados ou branco-esverdeados com manchas cinza-claras e são incubados pela fêmea. Durante este período ela é, às vezes, alimentada pelo macho. Os filhotes são alimentados pelo casal e permanecem no ninho cerca de 13 dias. O casal tem mais de uma ninhada por temporada. Vive em casais ou pequenos grupos. Habita o interior e as bordas de florestas zonas arbustivas com árvores. Frequenta jardins e tratadores, principalmente no inverno, e costuma beber em bebedouros de beija-flores.

Porque votar na Sabiá-bico-fino: com certeza a mais bela das candidatas. O macho predominantemente azul representa o nosso céu em um lindo dia de verão e a fêmea predominantemente verde representa as nossas matas e o verde da costa esmeralda do Atlântico Sul. Apesar de toda sua beleza é um pássaro muito discreto, muitas vezes passa despercebido. Como se alimenta de frutos e néctar das flores é muito comum avistá-los em tratadores para pássaros e bebedouros para beija-flores.


Votação

A votação acontece neste link.


Referências

AVES CATARINENSES, Enciclopédia de aves de Santa Catarina. Disponivel em: HTTP://www.avescatarinenses.com.br/

ROSÁRIO, Lenir A. As aves de Santa Catarina: distribuição geográfica e meio ambiente. Florianópolis: Fatma, 1996.

SIGRIST, Tomas. Aves do Brasil: uma visão artística. São Paulo: Avis Brasilis, 2004.

VOITINA, Cristiano. Aves Catarinenses. Santa Catarina, 2017.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Campanha para escolha da ave símbolo de Balneário Camboriú termina neste sábado

Júnior Jucoski
Foto enviada por Junior Jucoski para campanha #BC54Anos
Foto enviada por Junior Jucoski para campanha #BC54Anos

A campanha para escolher a ave símbolo de Balneário Camboriú termina neste sábado(15). A votação é virtual. São seis candidatas. A vencedora será anunciada no próximo dia 4, Dia Mundial das Aves.

A iniciativa é do biólogo e pesquisador Cristiano Voitina, de Balneário Camboriú, responsável pelo projeto ‘Aves Catarinenses’.

A campanha ganhou a parceria da secretaria de Educação, do coordenador de tecnologia da informação, dos professores dos laboratórios de informática direcionado pela diretora de Projeto Especiais (professora Nilzete Teixeira), por meio do Programa Terra Limpa de educação ambiental, além de alguns núcleos que também se envolveram.

Conheça as aves candidatas:

1 - Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura: Mede de 15 a 18 cm, pesa entre 6 e 9g. Sua cauda bifurcada confere a esta ave o seu nome popular. Alimenta-se principalmente de néctar, mas também caça artrópodes pequenos com grande agilidade. É atrevido, extremamente territorialista e briguento.

Seus hábitos reprodutivos são bem curiosos, pois tanto o macho quanto a fêmea pode acasalar com vários parceiros. A fêmea é responsável pela construção do ninho, por chocar os ovos e cuidar da alimentação dos filhotes. Cabe ao macho defender o território. Constrói o ninho em forma de tigela com materiais vegetais sobre a forquilha de uma árvore ou arbusto, a cerca de 2 a 3m do solo. A postura é de até 3 ovos brancos e o período de incubação de 15 dias. Os filhotesdeixam o ninho com 22 a 24 dias.

Porque votar no beija-flor-tesoura: seu colorido possui o azul do céu e o verde do mar e das nossas matas. Comum em toda a cidade tanto no Centro como nos bairros mais afastados, visitantes assíduos de nossos jardins e bebedouros para beija-flores.

2- Cambacica – Coereba flaveola: Mede aproximadamente 10,8 cm. Pesa cerca de 10g. Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea possuem mesma coloração. Plumagem amarela na região ventral, dorso marrom, e listras brancas e pretas na cabeça. O juvenil possui tonalidade parda, e a região ventral levemente amarelada.

É Onívora, alimenta-se de artrópodes e também frutas como banana, mamão, jabuticaba e laranja, também néctar. É atraída pelas garrafas de água açucarada. Pode construir dois tipos de ninho, para reprodução ou apenas para pernoite. O ninho para reprodução é construído pelo casal, feito de capim seco de formato esférico com entrada lateral, recebe de até 3 ovos, incubados pela fêmea. Muito ativa e agressiva. Costuma viver aos pares ou solitária. Habita áreas abertas, onde existam flores, até mesmo jardins, grande adaptabilidade a áreas urbanas. A fêmea canta com menor frequência que o macho. Costuma tomar diversos banhos ao dia devido ao contato com o néctar.

Porque votar na Cambacica: muito comum em toda a cidade. Com hábitos semelhantes ao dos beija-flores. Quem tem bebedouros em sua casa as conhecem muito bem, basta esquecer de colocar comida no bebedouro que ela reclama com seu Tzi, Tzi, Tzi... podendo até entrar na casa para reclamar dos seus direitos. Não é encrenqueira, mas não foge de uma briga. Extremamente adaptada e comum em todas as Américas.

3 - Gaiovota – Larus dominicanu: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. É a maior gaivota do Brasil. Mede aproximadamente 58cm, chegando a pesar 1 kg. O adulto possui a cabeça e as partes inferiores brancas, e o dorso e partes superiores das asas pretas. Tem o bico amarelado, manchado na ponta de
vermelho.

As gaivotas apresentam uma dieta generalista e oportunista, consome peixes mortos encontrados na praia, pescados por ela mesma ou roubados de outras aves, ovos, moluscos e pequenos vertebrados como anfíbios e roedores. Também visita depósitos de lixo à procura de algo que possa matar sua fome. Reproduz-se em pequenas colônias em ilhas próximas ao continente. Constrói seu ninho no solo, utilizando gramíneas, penas e gravetos. Defende bravamente o território do ninho. Põe três ovos verdes com manchas marrons que são incubados pelo casal num período de 24 a 30 dias. È uma ave sociável, vive com os da mesma espécie, mas frequenta bandos mistos em áreas marítimas e outras áreas alagadas, como estuários e foz de rios. Diz um ditado popular: “Gaivota em terra, tempestade no mar”.

Porque votar na Gaivota: é uma boa representante para Balneário Camboriú, assim como todos os habitantes da cidade gosta de praia e sol. Com hábitos litorâneos, extremamente oportunista e adaptável a mudanças. Comum em todas as Américas inclusive nas ilhas.

4 - Garça-branca-pequena - Egretta thula: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. Mede de 48 a 68cm e pesa aproximadamente 370g. Tem tarsos e bico pretos, pés amarelados. É completamente branca. Como as outras garças e socós, ela voa com o pescoço encolhido e as pernas estendidas.

Come principalmente pequenos peixes e invertebrados aquáticos, mas se alimenta também de anfíbios, insetos e pequenos répteis. Seu ninho é construído pelo casal, uma plataforma de gravetos sobre árvores ou arbustos, normalmente em ambientes aquáticos e em ninhais, onde se encontram também outras espécies. São postos entre 3 e 7 ovos verde-azulados e a incubação dura 25 dias. Habita ambientes aquáticos cercados por florestas. Vivem em bandos. Para dormir podem migrar pequenas distâncias.

Porque votar na Garça-branca-pequena: ave extremamente elegante e esbelta, vive sempre próxima a ambientes aquáticos, principalmente as margens do Rio Camboriú, fácil de ser avistada na Barra e na Barra Sul e muitas vezes na Praia Central. Como a base da sua alimentação é o peixe é uma excelente pescadora, com técnicas elaboradas, assim como os primeiros habitantes de Balneário Camboriú que viveram da pesca e vivem até os dias de hoje.

5 - Sabiá-branco - Turdus amaurochalinus: Não possui dimorfismo sexual, macho e fêmea são iguais. Mede aproximadamente 23cm. Apenas o macho canta. Possui uma máscara negra entre o olho e o bico. A cabeça é achatada, parecendo que o bico está no mesmo plano da testa. O bico é amarelo-vivo e o papo é branco com riscos escuros.

É onívoro, come invertebrados e pequenos frutos. Constrói seu ninho em forma de tigela, usando raízes e barro. Entre agosto e dezembro acontece o período reprodutivo. São geralmente 4 ninhadas por temporada, com 2 a 4 ovos esverdeados cada. A incubação, feita pela fêmea, dura em média 12 dias, e após 17 dias os filhotes tornam-se independentes. Aos 12 meses alcança a maturidade sexual. Espécie semiflorestal, adapta-se também a áreas urbanas. Só canta em época de acasalamento, na primavera (agosto a dezembro).

Porque votar no Sabiá-branco: este pássaro assim como o seu primo. o Sabiá-laranjeira, ave símbolo do Brasil, além da sua beleza e elegância, tem um lindo canto flautado e harmonioso. Muito fácil de ser ouvido na primavera em todos os cantos de Balneário Camboriú, inclusive no Centro.

6 - Saíra-bico-fino - Dacnis cayana: Mede de 11 a 13cm, pesa de 15 a 16g. Tem bico afilado, róseo na base, e pernas vermelho-claras. Apresenta dimorfismo sexual. Macho é azul turquesa com garganta e dorso pretos, enquanto a fêmea é verde com a cabeça azulada.

Alimenta-se de pequenos frutos e néctar, sementes, além de pequenos artrópodes, como grilos, lagartas, mariposas, besouros, larvas, borboletas, aranhas capturados entre a vegetação. É a fêmea que constrói o ninho, que tem a forma de uma taça profunda, entre as folhas de uma árvore a uma altura de 5 a 7 metros do solo. O macho é responsável pela defesa do território, contra intrusos. Os 2 ou 3 ovos são esbranquiçados ou branco-esverdeados com manchas cinza-claras e são incubados pela fêmea. Durante este período ela é, às vezes, alimentada pelo macho. Os filhotes são alimentados pelo casal e permanecem no ninho cerca de 13 dias. O casal tem mais de uma ninhada por temporada. Vive em casais ou pequenos grupos. Habita o interior e as bordas de florestas zonas arbustivas com árvores. Frequenta jardins e tratadores, principalmente no inverno, e costuma beber em bebedouros de beija-flores.

Porque votar na Sabiá-bico-fino: com certeza a mais bela das candidatas. O macho predominantemente azul representa o nosso céu em um lindo dia de verão e a fêmea predominantemente verde representa as nossas matas e o verde da costa esmeralda do Atlântico Sul. Apesar de toda sua beleza é um pássaro muito discreto, muitas vezes passa despercebido. Como se alimenta de frutos e néctar das flores é muito comum avistá-los em tratadores para pássaros e bebedouros para beija-flores.


Votação

A votação acontece neste link.


Referências

AVES CATARINENSES, Enciclopédia de aves de Santa Catarina. Disponivel em: HTTP://www.avescatarinenses.com.br/

ROSÁRIO, Lenir A. As aves de Santa Catarina: distribuição geográfica e meio ambiente. Florianópolis: Fatma, 1996.

SIGRIST, Tomas. Aves do Brasil: uma visão artística. São Paulo: Avis Brasilis, 2004.

VOITINA, Cristiano. Aves Catarinenses. Santa Catarina, 2017.

Publicidade

Publicidade