Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Pastor Lindolfo Weingärtner faleceu

Ele foi o primeiro pastor da comunidade de Balneário

Quarta, 21/3/2018 9:49.
Pastor Lindolfo com o presidente da comunidade Fridolino Probst (falecido) e o atual pastor Valdim Utech, em junho de 2006, quando a comunidade luterana de Balneário comemorava 50 anos de fundação.

Publicidade

O pastor luterano Lindolfo Weingärtner faleceu nesta terça-feira (20), aos 94 anos de idade, em Brusque, onde era pastor emérito na Paróquia Martim Lutero, pertencente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB). Ele não atuava desde a década de 1970.

Pastor Lindolfo era bastante conhecido na região. Ele foi o primeiro pastor da comunidade luterana de Balneário Camboriú, onde atuou de 1956 a 1961.

Naquela época ele morava em Brusque e atendia várias comunidades na região, entre elas Itajaí e Balneário Camboriú, onde os cultos eram realizados na casa de Berty Jensen, fundadora do grupo da OASE Pioneiras em 12 de junho de 1956. Eram apenas 14 mulheres que se reuniam na praia, mas para assistir aos cultos dominicais precisam deslocar suas famílias até Itajaí. Foi então que Berty abriu as portas de sua casa para realizar os cultos ministrados pelo pastor Lindolfo, até 1961 quando foi inaugurada a ‘igrejinha’ da Rua 2300.

Catarinense de Águas Mornas, pastor Lindolfo sempre atuou em comunidades catarinenses e gaúchas. Em 1948 trabalhou como pastor em Timbó, depois em Ituporanga. Em 1950, assumiu a direção da Escola Evangélica em Panambi/RS. Em 1953, voltou a trabalhar em Itoupava Central e depois em Brusque. Em 1960, tornou-se professor de Teologia Prática na Faculdade de Teologia, onde trabalhou por 11 anos. Neste período, fez o seu Doutorado na Universidade de Erlangen, na Alemanha, versando sobre Umbanda, publicado em 1969. Ele foi o primeiro docente brasileiro de tempo integral a ministrar aulas em Português na Faculdade de Teologia.

O seu último campo de trabalho, antes da aposentadoria, foi, de março de 1972 até julho de 1975, na Paróquia da Paz em Joinville.

Além de pastor e professor, era poeta e escritor, teve vários títulos publicados no Brasil e no exterior.

Era casado com Margarida Elisabeth, da família Hatzky (falecida em 1989). O casal teve duas filhas e dois filhos. Depois de viúvo, contraiu matrimônio com Erna Jönk.

Ele encontrava-se bastante debilitado e estava internado no Hospital Azambuja, em Brusque, cidade em que residia.

O enterro será nesta quarta-feira (21), às 16h, no cemitério central de Brusque.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Pastor Lindolfo com o presidente da comunidade Fridolino Probst (falecido) e o atual pastor Valdim Utech, em junho de 2006, quando a comunidade luterana de Balneário comemorava 50 anos de fundação.
Pastor Lindolfo com o presidente da comunidade Fridolino Probst (falecido) e o atual pastor Valdim Utech, em junho de 2006, quando a comunidade luterana de Balneário comemorava 50 anos de fundação.

Pastor Lindolfo Weingärtner faleceu

Ele foi o primeiro pastor da comunidade de Balneário

Publicidade

Quarta, 21/3/2018 9:49.

O pastor luterano Lindolfo Weingärtner faleceu nesta terça-feira (20), aos 94 anos de idade, em Brusque, onde era pastor emérito na Paróquia Martim Lutero, pertencente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB). Ele não atuava desde a década de 1970.

Pastor Lindolfo era bastante conhecido na região. Ele foi o primeiro pastor da comunidade luterana de Balneário Camboriú, onde atuou de 1956 a 1961.

Naquela época ele morava em Brusque e atendia várias comunidades na região, entre elas Itajaí e Balneário Camboriú, onde os cultos eram realizados na casa de Berty Jensen, fundadora do grupo da OASE Pioneiras em 12 de junho de 1956. Eram apenas 14 mulheres que se reuniam na praia, mas para assistir aos cultos dominicais precisam deslocar suas famílias até Itajaí. Foi então que Berty abriu as portas de sua casa para realizar os cultos ministrados pelo pastor Lindolfo, até 1961 quando foi inaugurada a ‘igrejinha’ da Rua 2300.

Catarinense de Águas Mornas, pastor Lindolfo sempre atuou em comunidades catarinenses e gaúchas. Em 1948 trabalhou como pastor em Timbó, depois em Ituporanga. Em 1950, assumiu a direção da Escola Evangélica em Panambi/RS. Em 1953, voltou a trabalhar em Itoupava Central e depois em Brusque. Em 1960, tornou-se professor de Teologia Prática na Faculdade de Teologia, onde trabalhou por 11 anos. Neste período, fez o seu Doutorado na Universidade de Erlangen, na Alemanha, versando sobre Umbanda, publicado em 1969. Ele foi o primeiro docente brasileiro de tempo integral a ministrar aulas em Português na Faculdade de Teologia.

O seu último campo de trabalho, antes da aposentadoria, foi, de março de 1972 até julho de 1975, na Paróquia da Paz em Joinville.

Além de pastor e professor, era poeta e escritor, teve vários títulos publicados no Brasil e no exterior.

Era casado com Margarida Elisabeth, da família Hatzky (falecida em 1989). O casal teve duas filhas e dois filhos. Depois de viúvo, contraiu matrimônio com Erna Jönk.

Ele encontrava-se bastante debilitado e estava internado no Hospital Azambuja, em Brusque, cidade em que residia.

O enterro será nesta quarta-feira (21), às 16h, no cemitério central de Brusque.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade