Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
CPI avança na apuração das fraudes na prefeitura

Depoente diz que despachante de nome "Verinha" tinha acesso livre até a computadores

Sexta, 2/3/2018 7:08.
Waldemar Cezar Neto.
Integrantes da CPI escutando depoimentos.

Publicidade

Entre os depoimentos tomados pela CPI da Câmara de Vereadores que investiga irregularidades nas secretarias da Fazenda e do Planejamento um servidor disse ontem (1) que uma lobista conhecida como “Verinha” tinha amplo acesso ao setor de licenciamento de projetos, inclusive usando computadores da prefeitura.

“Verinha” é constantemente citada como despachante de interesses privados na prefeitura e aparentemente a própria polícia está à sua procura para prestar esclarecimentos.

Os depoimentos de ontem se concentraram em alvarás de construção falsificados e o sumiço do livro de protocolo dos Habite-se emitidos que ficava sob guarda de um dos depoentes.

Até o momento o alvará falsificado que desperta mais atenção dos integrantes da CPI é o do edifício Essence Residence da construtora Prime Brasil porque a empresa obteve o documento e também houve fraude no sistema de computadores dando como quitados adicionais construtivos que não foram pagos.

Existe a suspeita que isso só seria possível se houvesse ligação entre pessoas da secretaria da Planejamento e da área de processamento de dados e uma dessas conexões foi admitida nos depoimentos.

As fraudes na prefeitura culminaram com o assassinato do engenheiro Sérgio Renato Silva, responsável pela aprovação de projetos, no momento em que investigava a falsificação da sua assinatura em documentos do setor.

Os executores do crime assim como os supostos contratantes estão presos, mas a polícia ainda não conseguiu chegar à pessoa ou pessoas que encomendaram a morte do engenheiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Waldemar Cezar Neto.
Integrantes da CPI escutando depoimentos.
Integrantes da CPI escutando depoimentos.

CPI avança na apuração das fraudes na prefeitura

Depoente diz que despachante de nome "Verinha" tinha acesso livre até a computadores

Publicidade

Sexta, 2/3/2018 7:08.

Entre os depoimentos tomados pela CPI da Câmara de Vereadores que investiga irregularidades nas secretarias da Fazenda e do Planejamento um servidor disse ontem (1) que uma lobista conhecida como “Verinha” tinha amplo acesso ao setor de licenciamento de projetos, inclusive usando computadores da prefeitura.

“Verinha” é constantemente citada como despachante de interesses privados na prefeitura e aparentemente a própria polícia está à sua procura para prestar esclarecimentos.

Os depoimentos de ontem se concentraram em alvarás de construção falsificados e o sumiço do livro de protocolo dos Habite-se emitidos que ficava sob guarda de um dos depoentes.

Até o momento o alvará falsificado que desperta mais atenção dos integrantes da CPI é o do edifício Essence Residence da construtora Prime Brasil porque a empresa obteve o documento e também houve fraude no sistema de computadores dando como quitados adicionais construtivos que não foram pagos.

Existe a suspeita que isso só seria possível se houvesse ligação entre pessoas da secretaria da Planejamento e da área de processamento de dados e uma dessas conexões foi admitida nos depoimentos.

As fraudes na prefeitura culminaram com o assassinato do engenheiro Sérgio Renato Silva, responsável pela aprovação de projetos, no momento em que investigava a falsificação da sua assinatura em documentos do setor.

Os executores do crime assim como os supostos contratantes estão presos, mas a polícia ainda não conseguiu chegar à pessoa ou pessoas que encomendaram a morte do engenheiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade