Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Preço sobe e faturamento de livrarias cai 9,2% em 2016 no Brasil

Segunda, 16/1/2017 16:57.

(FOLHAPRESS) - O resultado do mercado editorial em 2016 é como aqueles romances em que, já na metade, adivinha-se o final: a queda de 9,2% no faturamento, comparando com os resultados de 2015.

Esse percentual leva em conta a inflação no período e foi divulgado nesta segunda (16) no balanço anual do "Painel de Vendas de Livros no Brasil", estudo realizado pelo Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e pela Nielsen BookScan.

Livrarias, bancas e supermercados venderam 10,8% títulos a menos do que em 2015, num reflexo da crise econômica. As promoções de final de ano e as vendas para o Natal ajudaram, com crescimento de 12,5% na quantidade de livros comercializados e aumento de 30% no faturamento.

Mas não foram suficientes para compensar a recessão, já anunciada ao longo de 2016 nos balanços semestrais do Snel. Comparativamente, foi possível visualizar o impacto do arrefecimento da onda de livros de colorir, que seguraram o mercado no ano anterior.

O preço médio do livro subiu 8,93%. Se em 2015 custava R$ 35,49, em 2016, foi a R$ 38,66. O aumento, acima da inflação, foi necessário "para fechar as contas", afirma Ismael Borges, gestor do Bookscan no Brasil, em nota divulgada à imprensa.

Os livros mais vendidos no país continuaram sendo os de não ficção. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Esportes


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral

 Evento objetiva fomentar o turismo através da observação de aves


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Preço sobe e faturamento de livrarias cai 9,2% em 2016 no Brasil

Publicidade

Segunda, 16/1/2017 16:57.

(FOLHAPRESS) - O resultado do mercado editorial em 2016 é como aqueles romances em que, já na metade, adivinha-se o final: a queda de 9,2% no faturamento, comparando com os resultados de 2015.

Esse percentual leva em conta a inflação no período e foi divulgado nesta segunda (16) no balanço anual do "Painel de Vendas de Livros no Brasil", estudo realizado pelo Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e pela Nielsen BookScan.

Livrarias, bancas e supermercados venderam 10,8% títulos a menos do que em 2015, num reflexo da crise econômica. As promoções de final de ano e as vendas para o Natal ajudaram, com crescimento de 12,5% na quantidade de livros comercializados e aumento de 30% no faturamento.

Mas não foram suficientes para compensar a recessão, já anunciada ao longo de 2016 nos balanços semestrais do Snel. Comparativamente, foi possível visualizar o impacto do arrefecimento da onda de livros de colorir, que seguraram o mercado no ano anterior.

O preço médio do livro subiu 8,93%. Se em 2015 custava R$ 35,49, em 2016, foi a R$ 38,66. O aumento, acima da inflação, foi necessário "para fechar as contas", afirma Ismael Borges, gestor do Bookscan no Brasil, em nota divulgada à imprensa.

Os livros mais vendidos no país continuaram sendo os de não ficção. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade