Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Procura por emprego é grande, mas vagas são poucas
Arquivo JP3.
José Peixe, 200 pessoas na fila.

Quinta, 12/1/2017 6:11.

É grande a procura por emprego no Sine de Balneário Camboriú que retornou as atividades na segunda-feira, depois de um recesso de 20 dias.

O coordenador José Peixe disse que a maioria dos desempregados é de fora, principalmente do Rio Grande do Sul. Informou também que há poucas vagas e somente na próxima segunda-feira (16) a situação volta à normalidade.

"Precisamos contatar as empresas cadastradas, para saber de vagas e isso tudo leva alguns dias até normalizar", declarou. Na terça-feira havia 35 vagas apenas.

Segundo o coordenador o ano fechou com quase duas centenas de vagas, das quais 100 para Emasa (limpeza), sendo que 50 delas foram preenchidas por haitianos, que encontram-se em situação difícil na cidade, não somente pela falta de ofertas de trabalho, mas também pela dificuldade do idioma.

"Esta temporada está diferente. Houveram contratações no início de janeiro, mas agora o número reduziu. A procura é muito grande, segunda-feira tinha 200 pessoas na fila e a temporada não está tudo aquilo", disse Peixe.

Outra fila grande na reabertura foi a do seguro desemprego, com mais de 150 pessoas querendo dar entrada no pedido. "Fizemos agendamentos para a semana e segunda-feira já normalizará o atendimento", tranquilizou.

Peixe disse que a situação complicada de outros estados, principalmente Rio Grande do Sul, acaba se refletindo aqui, porque as pessoas imaginam que na temporada tem vaga sobrando.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Procura por emprego é grande, mas vagas são poucas

Arquivo JP3.
José Peixe, 200 pessoas na fila.
José Peixe, 200 pessoas na fila.
Quinta, 12/1/2017 6:11.

É grande a procura por emprego no Sine de Balneário Camboriú que retornou as atividades na segunda-feira, depois de um recesso de 20 dias.

O coordenador José Peixe disse que a maioria dos desempregados é de fora, principalmente do Rio Grande do Sul. Informou também que há poucas vagas e somente na próxima segunda-feira (16) a situação volta à normalidade.

"Precisamos contatar as empresas cadastradas, para saber de vagas e isso tudo leva alguns dias até normalizar", declarou. Na terça-feira havia 35 vagas apenas.

Segundo o coordenador o ano fechou com quase duas centenas de vagas, das quais 100 para Emasa (limpeza), sendo que 50 delas foram preenchidas por haitianos, que encontram-se em situação difícil na cidade, não somente pela falta de ofertas de trabalho, mas também pela dificuldade do idioma.

"Esta temporada está diferente. Houveram contratações no início de janeiro, mas agora o número reduziu. A procura é muito grande, segunda-feira tinha 200 pessoas na fila e a temporada não está tudo aquilo", disse Peixe.

Outra fila grande na reabertura foi a do seguro desemprego, com mais de 150 pessoas querendo dar entrada no pedido. "Fizemos agendamentos para a semana e segunda-feira já normalizará o atendimento", tranquilizou.

Peixe disse que a situação complicada de outros estados, principalmente Rio Grande do Sul, acaba se refletindo aqui, porque as pessoas imaginam que na temporada tem vaga sobrando.  

Publicidade

Publicidade