Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Trump recua, e diz que assentamentos de Israel podem não ajudar para paz

Sexta, 3/2/2017 5:09.

(FOLHAPRESS) - A Casa Branca disse nesta quinta (2) que a construção de novas colônias de Israel nos territórios palestinos pode não ajudar a paz, um recuo do presidente Donald Trump na política que prometeu ter com o Estado judaico.

Segundo o porta-voz do republicano, Sean Spicer, Trump não tomou nenhuma posição sobre a obra das colônias, mas o assunto será discutido em visita do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, a Washington, no dia 15:

"Apesar de nós não acreditarmos que a existência de assentamentos seja um impedimento para a paz, a construção de novos assentamentos ou a expansão dos existentes além de seus limites pode não ajudar a chegar a este objetivo."

A declaração é feita horas após Netanyahu anunciar o primeiro assentamento novo na Cisjordânia em 24 anos, com capacidade para 3.000 casas. O local servirá para abrigar os moradores de outra colônia, que será derrubada após uma decisão da Justiça.

Desde a posse de Trump, em 20 de janeiro, o governo israelense prometeu construir mais 5.500 casas em colônias nos territórios palestinos, contrariando a rejeição da comunidade internacional, principalmente da Europa.

O chefe de governo é movido principalmente pelo apoio do republicano. Trump indicou como seu embaixador no país David Friedman, que financiou assentamentos e prometeu mudar a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, e indicou o genro, Jared Kushner, que é judeu, para assessorá-lo no processo de paz.

O americano também criticou seu antecessor, Barack Obama, por se abster na votação no Conselho de Segurança da ONU que condenou a colonização dos territórios palestinos e exige que Israel ponha fim nos novos projetos.

A chegada de Trump acontece após oito anos em que o governo israelense passou às turras com Obama. O democrata via a construção dos assentamentos como prejudicial e tentou um acordo de paz no Oriente Médio.

Atualmente mais de 400 mil israelenses moram em colônias na Cisjordânia e 200 mil em Jerusalém Oriental, territórios que os palestinos reivindicam como parte de seu futuro Estado. Há outras cem colônias ilegais na região. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Política


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Trump recua, e diz que assentamentos de Israel podem não ajudar para paz

Sexta, 3/2/2017 5:09.

(FOLHAPRESS) - A Casa Branca disse nesta quinta (2) que a construção de novas colônias de Israel nos territórios palestinos pode não ajudar a paz, um recuo do presidente Donald Trump na política que prometeu ter com o Estado judaico.

Segundo o porta-voz do republicano, Sean Spicer, Trump não tomou nenhuma posição sobre a obra das colônias, mas o assunto será discutido em visita do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, a Washington, no dia 15:

"Apesar de nós não acreditarmos que a existência de assentamentos seja um impedimento para a paz, a construção de novos assentamentos ou a expansão dos existentes além de seus limites pode não ajudar a chegar a este objetivo."

A declaração é feita horas após Netanyahu anunciar o primeiro assentamento novo na Cisjordânia em 24 anos, com capacidade para 3.000 casas. O local servirá para abrigar os moradores de outra colônia, que será derrubada após uma decisão da Justiça.

Desde a posse de Trump, em 20 de janeiro, o governo israelense prometeu construir mais 5.500 casas em colônias nos territórios palestinos, contrariando a rejeição da comunidade internacional, principalmente da Europa.

O chefe de governo é movido principalmente pelo apoio do republicano. Trump indicou como seu embaixador no país David Friedman, que financiou assentamentos e prometeu mudar a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, e indicou o genro, Jared Kushner, que é judeu, para assessorá-lo no processo de paz.

O americano também criticou seu antecessor, Barack Obama, por se abster na votação no Conselho de Segurança da ONU que condenou a colonização dos territórios palestinos e exige que Israel ponha fim nos novos projetos.

A chegada de Trump acontece após oito anos em que o governo israelense passou às turras com Obama. O democrata via a construção dos assentamentos como prejudicial e tentou um acordo de paz no Oriente Médio.

Atualmente mais de 400 mil israelenses moram em colônias na Cisjordânia e 200 mil em Jerusalém Oriental, territórios que os palestinos reivindicam como parte de seu futuro Estado. Há outras cem colônias ilegais na região. 

Publicidade

Publicidade