Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Empresa desiste de Maracanã, que tem só um interessado em assumir gestão

Quarta, 22/2/2017 17:36.

SÉRGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A GL Events desistiu de participar da negociação para administrar o Maracanã. Na justificativa, o grupo francês alega que os documentos exigidos pela Odebrecht não davam segurança jurídica para a operação da GL.

A empresa disputava com a Lagardère, outra francesa, a compra do Consórcio Maracanã, empresa formada pela Odebrecht (95%) e AEG (5%) para gerir a arena por 35 anos.

A GL afirmou que ainda tem interesse no estádio, mas não no formato atual. A Odebrecht pretendia anunciar nos próximos dias o vencedor.

Com a decisão da GL, a Lagardère fica próxima de fechar o negócio.

A empresa deverá pagar cerca de R$ 60 milhões aos executivos da Odebrecht, além de pagar cerca de R$ 5,5 milhões por ano para o Governo do Rio.

A Lagardère administra mais de 60 arenas no planeta. No Brasil, a Lagardère tem o Castelão, em Fortaleza, e o Independência, em Belo Horizonte.

O Consórcio Maracanã venceu a licitação em 2013, mas desistiu de operar o estádio no ano passado.

Neste período, a empresa acumulou um prejuízo de mais de R$ 170 milhões.

Palco da final da Copa do Mundo e das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos, o Maracanã foi reformado em 2013 por cerca de R$ 1,2 bilhão. A obra tocada pela Odebrecht e Andrade Gutierrez entrou na Lava Jato.

Executivos da empreiteira afirmaram a procuradores que o ex-governador do Rio Sérgio Cabral cobrou propina pela obra. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Esportes


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral

 Evento objetiva fomentar o turismo através da observação de aves


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Empresa desiste de Maracanã, que tem só um interessado em assumir gestão

Publicidade

Quarta, 22/2/2017 17:36.

SÉRGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A GL Events desistiu de participar da negociação para administrar o Maracanã. Na justificativa, o grupo francês alega que os documentos exigidos pela Odebrecht não davam segurança jurídica para a operação da GL.

A empresa disputava com a Lagardère, outra francesa, a compra do Consórcio Maracanã, empresa formada pela Odebrecht (95%) e AEG (5%) para gerir a arena por 35 anos.

A GL afirmou que ainda tem interesse no estádio, mas não no formato atual. A Odebrecht pretendia anunciar nos próximos dias o vencedor.

Com a decisão da GL, a Lagardère fica próxima de fechar o negócio.

A empresa deverá pagar cerca de R$ 60 milhões aos executivos da Odebrecht, além de pagar cerca de R$ 5,5 milhões por ano para o Governo do Rio.

A Lagardère administra mais de 60 arenas no planeta. No Brasil, a Lagardère tem o Castelão, em Fortaleza, e o Independência, em Belo Horizonte.

O Consórcio Maracanã venceu a licitação em 2013, mas desistiu de operar o estádio no ano passado.

Neste período, a empresa acumulou um prejuízo de mais de R$ 170 milhões.

Palco da final da Copa do Mundo e das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos, o Maracanã foi reformado em 2013 por cerca de R$ 1,2 bilhão. A obra tocada pela Odebrecht e Andrade Gutierrez entrou na Lava Jato.

Executivos da empreiteira afirmaram a procuradores que o ex-governador do Rio Sérgio Cabral cobrou propina pela obra. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade