Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Censura à Folha de S.Paulo foi 'mau exemplo' do Brasil, diz entidade mundial de jornais

Sexta, 17/2/2017 8:04.

(FOLHAPRESS) - A decisão de um juiz de Brasília que censurou reportagem da Folha de S.Paulo sobre a primeira-dama Marcela Temer foi um caso "absurdo e preocupante" e um "mau exemplo" do Brasil para a liberdade de imprensa, afirmou nesta quinta (16) Rodrigo Bonilla, gerente para a América Latina da Wan-Ifra (Associação Mundial de Jornais, na sigla em inglês).

Para ele, o episódio "pode produzir uma autocensura aos jornalistas e fazer com que eles fiquem com medo de publicar outras reportagens sobre a primeira-dama".

Na última sexta (10), a pedido do subchefe para Assuntos Jurídicos da Presidência da República, Gustavo Vale do Rocha, o juiz Hilmar Raposo Filho concedeu liminar que impedia o jornal de publicar informações sobre a tentativa de um hacker de chantagear Marcela no ano passado.

A petição do Planalto pedia que os textos publicados fossem "imediatamente retirados do site e recolhidas eventuais edições impressas" e "sob pena de multa de R$ 500.000,00 por acesso no site e edição vendida".

Nesta quarta (15), o desembargador Arnoldo Camanho de Assis, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, aceitou recurso da Folha de S.Paulo e suspendeu os efeitos da decisão.

Bonilla diz que o próprio pedido de multa pode inibir o trabalho da imprensa. O gerente afirma que a Wan-Ifra segue o entendimento da ANJ (Associação Nacional de Jornais) e considera que houve "censura prévia" ao jornal, já que a ação foi protocolada antes da publicação do material.

A reação de entidades que condenaram a censura, segundo ele, é importante para que a imprensa do Brasil se distancie de exemplos "mais extremos" na América do Sul, como o Equador, onde o presidente Rafael Correa enfrenta com frequência meios de comunicação nos tribunais. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Esportes


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral

 Evento objetiva fomentar o turismo através da observação de aves


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Censura à Folha de S.Paulo foi 'mau exemplo' do Brasil, diz entidade mundial de jornais

Publicidade

Sexta, 17/2/2017 8:04.

(FOLHAPRESS) - A decisão de um juiz de Brasília que censurou reportagem da Folha de S.Paulo sobre a primeira-dama Marcela Temer foi um caso "absurdo e preocupante" e um "mau exemplo" do Brasil para a liberdade de imprensa, afirmou nesta quinta (16) Rodrigo Bonilla, gerente para a América Latina da Wan-Ifra (Associação Mundial de Jornais, na sigla em inglês).

Para ele, o episódio "pode produzir uma autocensura aos jornalistas e fazer com que eles fiquem com medo de publicar outras reportagens sobre a primeira-dama".

Na última sexta (10), a pedido do subchefe para Assuntos Jurídicos da Presidência da República, Gustavo Vale do Rocha, o juiz Hilmar Raposo Filho concedeu liminar que impedia o jornal de publicar informações sobre a tentativa de um hacker de chantagear Marcela no ano passado.

A petição do Planalto pedia que os textos publicados fossem "imediatamente retirados do site e recolhidas eventuais edições impressas" e "sob pena de multa de R$ 500.000,00 por acesso no site e edição vendida".

Nesta quarta (15), o desembargador Arnoldo Camanho de Assis, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, aceitou recurso da Folha de S.Paulo e suspendeu os efeitos da decisão.

Bonilla diz que o próprio pedido de multa pode inibir o trabalho da imprensa. O gerente afirma que a Wan-Ifra segue o entendimento da ANJ (Associação Nacional de Jornais) e considera que houve "censura prévia" ao jornal, já que a ação foi protocolada antes da publicação do material.

A reação de entidades que condenaram a censura, segundo ele, é importante para que a imprensa do Brasil se distancie de exemplos "mais extremos" na América do Sul, como o Equador, onde o presidente Rafael Correa enfrenta com frequência meios de comunicação nos tribunais. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade