Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Censura à Folha de S.Paulo foi 'mau exemplo' do Brasil, diz entidade mundial de jornais

Sexta, 17/2/2017 8:04.

(FOLHAPRESS) - A decisão de um juiz de Brasília que censurou reportagem da Folha de S.Paulo sobre a primeira-dama Marcela Temer foi um caso "absurdo e preocupante" e um "mau exemplo" do Brasil para a liberdade de imprensa, afirmou nesta quinta (16) Rodrigo Bonilla, gerente para a América Latina da Wan-Ifra (Associação Mundial de Jornais, na sigla em inglês).

Para ele, o episódio "pode produzir uma autocensura aos jornalistas e fazer com que eles fiquem com medo de publicar outras reportagens sobre a primeira-dama".

Na última sexta (10), a pedido do subchefe para Assuntos Jurídicos da Presidência da República, Gustavo Vale do Rocha, o juiz Hilmar Raposo Filho concedeu liminar que impedia o jornal de publicar informações sobre a tentativa de um hacker de chantagear Marcela no ano passado.

A petição do Planalto pedia que os textos publicados fossem "imediatamente retirados do site e recolhidas eventuais edições impressas" e "sob pena de multa de R$ 500.000,00 por acesso no site e edição vendida".

Nesta quarta (15), o desembargador Arnoldo Camanho de Assis, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, aceitou recurso da Folha de S.Paulo e suspendeu os efeitos da decisão.

Bonilla diz que o próprio pedido de multa pode inibir o trabalho da imprensa. O gerente afirma que a Wan-Ifra segue o entendimento da ANJ (Associação Nacional de Jornais) e considera que houve "censura prévia" ao jornal, já que a ação foi protocolada antes da publicação do material.

A reação de entidades que condenaram a censura, segundo ele, é importante para que a imprensa do Brasil se distancie de exemplos "mais extremos" na América do Sul, como o Equador, onde o presidente Rafael Correa enfrenta com frequência meios de comunicação nos tribunais. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Fabrício Oliveira é acusado de omissão em relação ao loteamento clandestino Vila Fortaleza


Política


Cidade

Devido a declarações falsas, BC Port é alvo de investigação 


Cidade

Vice-prefeito quer estudar o assunto com mais cuidado 


Publicidade


Publicidade


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Esportes


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Censura à Folha de S.Paulo foi 'mau exemplo' do Brasil, diz entidade mundial de jornais

Sexta, 17/2/2017 8:04.

(FOLHAPRESS) - A decisão de um juiz de Brasília que censurou reportagem da Folha de S.Paulo sobre a primeira-dama Marcela Temer foi um caso "absurdo e preocupante" e um "mau exemplo" do Brasil para a liberdade de imprensa, afirmou nesta quinta (16) Rodrigo Bonilla, gerente para a América Latina da Wan-Ifra (Associação Mundial de Jornais, na sigla em inglês).

Para ele, o episódio "pode produzir uma autocensura aos jornalistas e fazer com que eles fiquem com medo de publicar outras reportagens sobre a primeira-dama".

Na última sexta (10), a pedido do subchefe para Assuntos Jurídicos da Presidência da República, Gustavo Vale do Rocha, o juiz Hilmar Raposo Filho concedeu liminar que impedia o jornal de publicar informações sobre a tentativa de um hacker de chantagear Marcela no ano passado.

A petição do Planalto pedia que os textos publicados fossem "imediatamente retirados do site e recolhidas eventuais edições impressas" e "sob pena de multa de R$ 500.000,00 por acesso no site e edição vendida".

Nesta quarta (15), o desembargador Arnoldo Camanho de Assis, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, aceitou recurso da Folha de S.Paulo e suspendeu os efeitos da decisão.

Bonilla diz que o próprio pedido de multa pode inibir o trabalho da imprensa. O gerente afirma que a Wan-Ifra segue o entendimento da ANJ (Associação Nacional de Jornais) e considera que houve "censura prévia" ao jornal, já que a ação foi protocolada antes da publicação do material.

A reação de entidades que condenaram a censura, segundo ele, é importante para que a imprensa do Brasil se distancie de exemplos "mais extremos" na América do Sul, como o Equador, onde o presidente Rafael Correa enfrenta com frequência meios de comunicação nos tribunais. 

Publicidade

Publicidade