Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Camboriú e Balneário Camboriú pretendem se unir para tratamento de esgoto

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás

Segunda, 11/12/2017 13:01.
Divulgação.
Fabrício e Elcio encaminhando um acordo histórico entre Balneário e sua cidade-mãe.

Publicidade

O prefeito de Balneário Camboriú Fabrício Oliveira e o prefeito de Camboriú Elcio Kuhnen estão conversando para que a Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) implante a rede de esgotos no vizinho município.

A sugestão foi feita por Fabrício e acolhida com entusiasmo por Elcio. “Nem consigo dormir direito” disse o prefeito vizinho ao Página 3 na manhã desta segunda-feira (11).

O estudo técnico e econômico será feito pela Emasa e apresentado às autoridades de Camboriú até março.

A ideia é a Emasa implantar o esgoto e cobrar por isso.

O padrão normal é o esgoto representar 40% a 50% da conta de saneamento.

Na gestão anterior a prefeita de Camboriú Luzia Coppi Mathias privatizou por 35 anos o filé -a distribuição de água-, mas não o osso -a rede de esgotos- e dessa forma a cidade continua sem tratamento.

Os técnicos da Emasa constataram que Balneário Camboriú deverá ter até o final do ano que vem 100% da sua rede de esgotos implantada, mas suas águas continuarão sofrendo o despejo de efluentes das 80.000 pessoas que residem em Camboriú.

Em 2005, quando foi criada a Emasa, o então prefeito Rubens Spernau propôs a criação de uma empresa intermunicipal de saneamento para cuidar das duas cidades, mas os vereadores de Camboriú se opuseram.

Foi um erro histórico que condenou a vizinha cidade a mais uma década e meia, pelo menos, de deficiências no fornecimento de água e tratamento de esgotos. Agora o tema foi retomado.

A Emasa é superavitária e continuará sendo na medida em que as grandes obras de infraestrutura estão sendo concluídas. Para os próximos anos há necessidade de ampliar o tratamento de esgotos e de água tratada.

Também precisa aumentar a reserva de água bruta e de água tratada, além de iniciar um vigoroso programa de substituição de tubulações que em muitos casos têm mais de três décadas.

O prefeito Elcio Kuhnen adjetivou a iniciativa de “fantástica” porque por falta de documentação e projeto sua cidade perdeu cerca de R$ 80 milhões do governo federal que seriam aplicados em esgoto e simplesmente não tem como investir nessa área.

“O rio Camboriú é um patrimônio das duas cidades e Balneário só despoluirá totalmente suas praias se houver saneamento em Camboriú. Temos a Emasa pronta, com capacidade de investimento e isso é mais importante do que o alargamento da praia, é um ganho para 50 anos” destacou o prefeito camboriuense.

Ele relatou que a administração e a população estão insatisfeitas com a concessionária e não afasta que no futuro o consórcio intermunicipal se estenda também para o fornecimento de água.

Elcio acredita que a iniciativa será aprovada porque são dois prefeitos em primeiro mandato com compromisso de progresso e desenvolvimento. “Sem energia e saneamento não funciona, temos que ultrapassar essa fase, isso é qualidade de vida, evita doenças, estamos numa das melhores regiões do sul do mundo” comemorou o prefeito ressaltando que a iniciativa não envolve política partidária e sim interesse público.

“Estamos tratando com seriedade e responsabilidade o Canal do Marambaia e temos que enfrentar de frente a questão do Rio Camboriú. Esse projeto pode tornar as nossas praias as mais limpas do sul do país. Reflete na balneabilidade, mas é acima de tudo uma questão de saúde pública”, declarou o prefeito Fabrício Oliveira.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação.
Fabrício e Elcio encaminhando um acordo histórico entre Balneário e sua cidade-mãe.
Fabrício e Elcio encaminhando um acordo histórico entre Balneário e sua cidade-mãe.

Camboriú e Balneário Camboriú pretendem se unir para tratamento de esgoto

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás

Publicidade

Segunda, 11/12/2017 13:01.

O prefeito de Balneário Camboriú Fabrício Oliveira e o prefeito de Camboriú Elcio Kuhnen estão conversando para que a Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) implante a rede de esgotos no vizinho município.

A sugestão foi feita por Fabrício e acolhida com entusiasmo por Elcio. “Nem consigo dormir direito” disse o prefeito vizinho ao Página 3 na manhã desta segunda-feira (11).

O estudo técnico e econômico será feito pela Emasa e apresentado às autoridades de Camboriú até março.

A ideia é a Emasa implantar o esgoto e cobrar por isso.

O padrão normal é o esgoto representar 40% a 50% da conta de saneamento.

Na gestão anterior a prefeita de Camboriú Luzia Coppi Mathias privatizou por 35 anos o filé -a distribuição de água-, mas não o osso -a rede de esgotos- e dessa forma a cidade continua sem tratamento.

Os técnicos da Emasa constataram que Balneário Camboriú deverá ter até o final do ano que vem 100% da sua rede de esgotos implantada, mas suas águas continuarão sofrendo o despejo de efluentes das 80.000 pessoas que residem em Camboriú.

Em 2005, quando foi criada a Emasa, o então prefeito Rubens Spernau propôs a criação de uma empresa intermunicipal de saneamento para cuidar das duas cidades, mas os vereadores de Camboriú se opuseram.

Foi um erro histórico que condenou a vizinha cidade a mais uma década e meia, pelo menos, de deficiências no fornecimento de água e tratamento de esgotos. Agora o tema foi retomado.

A Emasa é superavitária e continuará sendo na medida em que as grandes obras de infraestrutura estão sendo concluídas. Para os próximos anos há necessidade de ampliar o tratamento de esgotos e de água tratada.

Também precisa aumentar a reserva de água bruta e de água tratada, além de iniciar um vigoroso programa de substituição de tubulações que em muitos casos têm mais de três décadas.

O prefeito Elcio Kuhnen adjetivou a iniciativa de “fantástica” porque por falta de documentação e projeto sua cidade perdeu cerca de R$ 80 milhões do governo federal que seriam aplicados em esgoto e simplesmente não tem como investir nessa área.

“O rio Camboriú é um patrimônio das duas cidades e Balneário só despoluirá totalmente suas praias se houver saneamento em Camboriú. Temos a Emasa pronta, com capacidade de investimento e isso é mais importante do que o alargamento da praia, é um ganho para 50 anos” destacou o prefeito camboriuense.

Ele relatou que a administração e a população estão insatisfeitas com a concessionária e não afasta que no futuro o consórcio intermunicipal se estenda também para o fornecimento de água.

Elcio acredita que a iniciativa será aprovada porque são dois prefeitos em primeiro mandato com compromisso de progresso e desenvolvimento. “Sem energia e saneamento não funciona, temos que ultrapassar essa fase, isso é qualidade de vida, evita doenças, estamos numa das melhores regiões do sul do mundo” comemorou o prefeito ressaltando que a iniciativa não envolve política partidária e sim interesse público.

“Estamos tratando com seriedade e responsabilidade o Canal do Marambaia e temos que enfrentar de frente a questão do Rio Camboriú. Esse projeto pode tornar as nossas praias as mais limpas do sul do país. Reflete na balneabilidade, mas é acima de tudo uma questão de saúde pública”, declarou o prefeito Fabrício Oliveira.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade