Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Saiba mais sobre a onda ocorrida no litoral Sul de Santa Catarina
Ascom

Segunda, 17/10/2016 11:40.

Por Carlos Eduardo Salles de Araujo – Oceanógrafo Epagri/Ciram

A onda que provocou prejuízos no litoral Sul do Estado na tarde de domingo (16) pode ser classificada como um meteotsunami. Com características similares aos tsunamis gerados por abalos sísmicos, o meteotsunami se diferencia no processo de geração, sendo causado por perturbações locais na pressão atmosférica associada a sistemas meteorológicos de deslocamento rápido.

Estas perturbações na pressão do ar podem gerar ondas no mar ou amplificar as ondulações existentes e que viajam na mesma velocidade e direção do sistema atmosférico sobrejacente.

O desenvolvimento de um meteotsunami depende de fatores como a intensidade, a direção, a velocidade e a duração com que a perturbação atmosférica viaja sobre um corpo d'água com profundidade local que permita a amplificação da altura das ondas. Na região sul do Brasil as ondas tipicamente começam a empinar por causa do atrito com o fundo em profundidades menores que 80 metros.

Como os tsunamis, o meteotsunami afeta toda a coluna d'água e pode se tornar perigoso quando se desloca para águas rasas, o que faz com a que a onda reduza sua velocidade e tenha sua altura e intensidade aumentadas (empinamento). Um aumento ainda maior pode ocorrer se a onda se propagar em corpos d'água semi fechados, como portos, baías e enseadas.

A maioria dos meteotsunamis é muito pequena para ser notada, mas uma pequena parcela pode atingir grandes proporções e provocar impactos devastadores como a destruição de estruturas e inundação costeira. Comparativamente, entretanto, mesmo os meteotsunamis mais intensos são menos severos do que os tsunamis de origem geológica, como os ocorridos em 2004 no Oceano Índico e em 2011 do Japão.

Embora os efeitos possam perdurar de horas até alguns dias, o meteotsunami atinge a costa de forma imediata. O fenômeno não deve ser confundido com as ressacas, normalmente associadas às tempestades subtropicais. As ressacas ocorrem quando os ventos fortes empurram as águas em direção a costa, fazendo com que o nível do mar suba de forma consistente por algumas horas.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Volume de resíduos não é um indicador seguro da quantidade de turistas


Policia

Praça central de Balneário Camboriú é o ponto preferido também de andarilhos e usuários 


Policia

A suspeita é que funcionários dos gabinetes da Alerj devolviam parte dos salários


Política


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Saiba mais sobre a onda ocorrida no litoral Sul de Santa Catarina

Ascom
Segunda, 17/10/2016 11:40.

Por Carlos Eduardo Salles de Araujo – Oceanógrafo Epagri/Ciram

A onda que provocou prejuízos no litoral Sul do Estado na tarde de domingo (16) pode ser classificada como um meteotsunami. Com características similares aos tsunamis gerados por abalos sísmicos, o meteotsunami se diferencia no processo de geração, sendo causado por perturbações locais na pressão atmosférica associada a sistemas meteorológicos de deslocamento rápido.

Estas perturbações na pressão do ar podem gerar ondas no mar ou amplificar as ondulações existentes e que viajam na mesma velocidade e direção do sistema atmosférico sobrejacente.

O desenvolvimento de um meteotsunami depende de fatores como a intensidade, a direção, a velocidade e a duração com que a perturbação atmosférica viaja sobre um corpo d'água com profundidade local que permita a amplificação da altura das ondas. Na região sul do Brasil as ondas tipicamente começam a empinar por causa do atrito com o fundo em profundidades menores que 80 metros.

Como os tsunamis, o meteotsunami afeta toda a coluna d'água e pode se tornar perigoso quando se desloca para águas rasas, o que faz com a que a onda reduza sua velocidade e tenha sua altura e intensidade aumentadas (empinamento). Um aumento ainda maior pode ocorrer se a onda se propagar em corpos d'água semi fechados, como portos, baías e enseadas.

A maioria dos meteotsunamis é muito pequena para ser notada, mas uma pequena parcela pode atingir grandes proporções e provocar impactos devastadores como a destruição de estruturas e inundação costeira. Comparativamente, entretanto, mesmo os meteotsunamis mais intensos são menos severos do que os tsunamis de origem geológica, como os ocorridos em 2004 no Oceano Índico e em 2011 do Japão.

Embora os efeitos possam perdurar de horas até alguns dias, o meteotsunami atinge a costa de forma imediata. O fenômeno não deve ser confundido com as ressacas, normalmente associadas às tempestades subtropicais. As ressacas ocorrem quando os ventos fortes empurram as águas em direção a costa, fazendo com que o nível do mar suba de forma consistente por algumas horas.

Publicidade

Publicidade