Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Porto de Itajaí agoniza enquanto o de Navegantes cresce sem parar

Quinta, 17/11/2016 9:13.

O Porto de Itajaí está em franca decadência do lado de cá (Itajaí) e bombando do lado de lá (Navegantes), comprovando a expectativa de que o porto privado acabaria liquidando com o outro, que está sujeito a normas ditadas pelo governo e sindicatos.

O custo do porto privado é menor e isso fez o seu principal cliente, que explora linhas para a Ásia, trocar Itajaí por Navegantes.

“A situação é caótica” descreveu uma fonte se referindo à perda de competividade. Em 2006 o cais público e a APM Terminals, os principais atores do lado de cá, movimentaram 7,4 milhões de toneladas e neste ano o total ainda não chegou a 1,5 milhão. Do outro lado, o total já bateu em 7,2 milhões de toneladas.

Os reflexos na economia de Itajaí são enormes e só não se tornaram mais agudos porque parte da logística ainda está no município, mas do jeito que a coisa caminha se transferirá paulatinamente para Navegantes.

Os sinais são visíveis: entre 2010 e 2016 a população de Navegantes aumentou 24% e a de Itajaí 14%. No mesmo período, enquanto o orçamento da prefeitura de Itajaí subiu 63% e o de Navegantes cresceu 163%.

O cenário parece irreversível porque portos públicos não são competitivos. No caso de Itajaí a situação é mais grave porque o porto está dentro da cidade o que impede ou encarece expansões e onera a logística.

Cronograma de um desastre

2007 – Inaugurada a Portonave em Navegantes.
2008 – Enchente carrega dois berços de atracação do porto de Itajaí.
2011 – Enchente causa novas avarias, de menor monta.
2013 – Governo federal inicia obras de reforma nos berços 3 e 4. Deveriam durar oito a doze meses, mas três anos depois ainda não estão prontas e pararam desde junho por falta de pagamento. Ainda naquele ano toda as decisões importantes deixaram de ser tomadas localmente e passaram à alçada de Brasília.
2016 – Portonave se destaca como 10º principal porto brasileiro em movimentação de containers.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Porto de Itajaí agoniza enquanto o de Navegantes cresce sem parar

Quinta, 17/11/2016 9:13.

O Porto de Itajaí está em franca decadência do lado de cá (Itajaí) e bombando do lado de lá (Navegantes), comprovando a expectativa de que o porto privado acabaria liquidando com o outro, que está sujeito a normas ditadas pelo governo e sindicatos.

O custo do porto privado é menor e isso fez o seu principal cliente, que explora linhas para a Ásia, trocar Itajaí por Navegantes.

“A situação é caótica” descreveu uma fonte se referindo à perda de competividade. Em 2006 o cais público e a APM Terminals, os principais atores do lado de cá, movimentaram 7,4 milhões de toneladas e neste ano o total ainda não chegou a 1,5 milhão. Do outro lado, o total já bateu em 7,2 milhões de toneladas.

Os reflexos na economia de Itajaí são enormes e só não se tornaram mais agudos porque parte da logística ainda está no município, mas do jeito que a coisa caminha se transferirá paulatinamente para Navegantes.

Os sinais são visíveis: entre 2010 e 2016 a população de Navegantes aumentou 24% e a de Itajaí 14%. No mesmo período, enquanto o orçamento da prefeitura de Itajaí subiu 63% e o de Navegantes cresceu 163%.

O cenário parece irreversível porque portos públicos não são competitivos. No caso de Itajaí a situação é mais grave porque o porto está dentro da cidade o que impede ou encarece expansões e onera a logística.

Cronograma de um desastre

2007 – Inaugurada a Portonave em Navegantes.
2008 – Enchente carrega dois berços de atracação do porto de Itajaí.
2011 – Enchente causa novas avarias, de menor monta.
2013 – Governo federal inicia obras de reforma nos berços 3 e 4. Deveriam durar oito a doze meses, mas três anos depois ainda não estão prontas e pararam desde junho por falta de pagamento. Ainda naquele ano toda as decisões importantes deixaram de ser tomadas localmente e passaram à alçada de Brasília.
2016 – Portonave se destaca como 10º principal porto brasileiro em movimentação de containers.

 

Publicidade

Publicidade