Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Qual destino dar ao bicho de estimação quando ele morre?

Quarta, 8/6/2016 9:40.

Em Balneário Camboriú vivem milhares de cachorros e gatos, tanto nas ruas da cidade, como em abrigos, apartamentos e residências. Mas o que fazer quando os bichinhos morrem? Houve uma época em que a secretaria do Meio Ambiente recolhia o animal e transportava ao aterro sanitário.

Quando a psicóloga Christina Barichello foi vereadora, propôs a construção de um cemitério municipal para animais, mas o projeto não foi adiante. O secretário do Meio Ambiente, Rodrigo Ribeiro Torres, conta que a Semam não se responsabiliza mais por isso. “Há na região um crematório específico para animais. Hoje não há serviço gratuito, somente o descarte comum”, diz. Rodrigo acrescenta que quando há casos de animais ‘ errantes’ que morrem na rua, a prefeitura encaminha para o crematório.

Crematório

O serviço citado pelo secretário é o Caminho dos Animais, que fica ao lado do Crematório Vaticano. O funcionário Thiago Danieli explica que realizam mensalmente de 15 a 20 atendimentos, não só de cães e gatos como também furões, aves e coelhos. O animal é recolhido na residência ou na clínica veterinária (não é cobrado traslado).

“A família pode vir até o crematório e se despedir, mas não pode assistir a cerimônia até o final, pois já houve casos de pessoas que passaram mal”, informa. Hoje há dois valores: R$ 390 para animais até 20kg e acima disso (até no máximo 45kg) R$ 490. Nesses valores está inclusa a urna.

Thiago lembra que na região ainda não é tão comum procurarem os serviços, e que por conta da crise,  o número de atendimentos também vem caindo, porém quando as pessoas são apegadas aos seus animais preferem cremar e não destiná-los ao aterro. Ele afirma que hoje não há convênio com a prefeitura ou ONGs, mas que já atenderam cães da Viva Bicho. O local funciona todos os dias das 8h30 às 12h e das 13h30 às 18h. Infomações: 3398-1724.

Descarte comum

Para quem não pode gastar com cremação, a opção é descartar o corpo do animal através da Ambiental. O gerente regional da empresa, Eduardo Alvino da Silva, conta que esse serviço faz parte da coleta hospitalar.

O caminhão recolhe os animais, que devem estar ensacados, em casas ou em clínicas veterinárias e os encaminha ao aterro sanitário. Hoje os serviços são focados somente em animais de pequeno porte, cães da raça Dogue Alemão e cavalos, por exemplo, não podem ser recolhidos, porque não há como transportá-los.

Eduardo conta que a destinação final mais adequada no aterro seria a incineração, mas como a região não possui esse serviço, os animais são dispostos junto com o lixo comum.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Enquanto a maioria quer aumentar quantidade de leis ele deseja o contrário


Geral

Houve um vazamento de grande proporção e reparos estão sendo feitos


Cidade

Prefeitos nunca investiram em reservação de água bruta  


Opinião

No Brasil isso é quase um diploma de honestidade


Publicidade


Publicidade


Seu Dinheiro

Acordo pode ter provocado um aumento de bilhões na conta de luz dos consumidores.


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Editais

Renovação de Licença Ambiental de Operação


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Qual destino dar ao bicho de estimação quando ele morre?

Quarta, 8/6/2016 9:40.

Em Balneário Camboriú vivem milhares de cachorros e gatos, tanto nas ruas da cidade, como em abrigos, apartamentos e residências. Mas o que fazer quando os bichinhos morrem? Houve uma época em que a secretaria do Meio Ambiente recolhia o animal e transportava ao aterro sanitário.

Quando a psicóloga Christina Barichello foi vereadora, propôs a construção de um cemitério municipal para animais, mas o projeto não foi adiante. O secretário do Meio Ambiente, Rodrigo Ribeiro Torres, conta que a Semam não se responsabiliza mais por isso. “Há na região um crematório específico para animais. Hoje não há serviço gratuito, somente o descarte comum”, diz. Rodrigo acrescenta que quando há casos de animais ‘ errantes’ que morrem na rua, a prefeitura encaminha para o crematório.

Crematório

O serviço citado pelo secretário é o Caminho dos Animais, que fica ao lado do Crematório Vaticano. O funcionário Thiago Danieli explica que realizam mensalmente de 15 a 20 atendimentos, não só de cães e gatos como também furões, aves e coelhos. O animal é recolhido na residência ou na clínica veterinária (não é cobrado traslado).

“A família pode vir até o crematório e se despedir, mas não pode assistir a cerimônia até o final, pois já houve casos de pessoas que passaram mal”, informa. Hoje há dois valores: R$ 390 para animais até 20kg e acima disso (até no máximo 45kg) R$ 490. Nesses valores está inclusa a urna.

Thiago lembra que na região ainda não é tão comum procurarem os serviços, e que por conta da crise,  o número de atendimentos também vem caindo, porém quando as pessoas são apegadas aos seus animais preferem cremar e não destiná-los ao aterro. Ele afirma que hoje não há convênio com a prefeitura ou ONGs, mas que já atenderam cães da Viva Bicho. O local funciona todos os dias das 8h30 às 12h e das 13h30 às 18h. Infomações: 3398-1724.

Descarte comum

Para quem não pode gastar com cremação, a opção é descartar o corpo do animal através da Ambiental. O gerente regional da empresa, Eduardo Alvino da Silva, conta que esse serviço faz parte da coleta hospitalar.

O caminhão recolhe os animais, que devem estar ensacados, em casas ou em clínicas veterinárias e os encaminha ao aterro sanitário. Hoje os serviços são focados somente em animais de pequeno porte, cães da raça Dogue Alemão e cavalos, por exemplo, não podem ser recolhidos, porque não há como transportá-los.

Eduardo conta que a destinação final mais adequada no aterro seria a incineração, mas como a região não possui esse serviço, os animais são dispostos junto com o lixo comum.

Publicidade

Publicidade