Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Prefeito deve explicações à sociedade sobre o estacionamento rotativo
Jéssica Teles.
Dom Parking cobra, mas não paga.

Quinta, 30/6/2016 8:01.

O prefeito Edson Piriquito que na semana passada mandou suspender o contrato do estacionamento rotativo em Balneário Camboriú deve explicações à sociedade dos motivos pelos quais a prefeitura deixou de cobrar um ano de pagamentos devidos pela concessionária, a Dom Parking.

Esse desleixo com o dinheiro público começou a ser conhecido quando o Observatório Social oficiou à prefeitura, indagando sobre a quantidade de vagas e pedindo cópias dos comprovantes dos pagamentos feitos pela Dom Parking à prefeitura. Por contrato, a concessionária precisa pagar por mês cerca de R$ 30,00 por vaga que explora, algo em torno de R$ 60 mil.

Antes de a prefeitura enviar resposta ao Observatório Social, o Página 3 apurou que há 12 meses a Dom Parking não pagava e a dívida acumulada estava em R$ R$ 734.771.27.

Nesse meio tempo um grupo de advogados, zelando pelos direitos de cidadania, preparou uma ação popular (assinada pelo vereador Leonardo Piruka) pedindo, dentre outras coisas, o rompimento do contrato e a responsabilização também do prefeito Piriquito por não exercer o controle como deveria fazê-lo.

A Dom Parking tem um péssimo retrospecto. Em 2014 o Página 3 constatou que a empresa não estava em dia com a prefeitura e o controle era feito pessoalmente por Niênio Gontijo, mais tarde identificado como integrante da quadrilha que assaltou o cofre público na obra da Passarela da Barra. Na ocasião e posteriormente, com a empresa sempre inadimplente, o prefeito poderia ter rompido o contrato, mas não o fez.

Na quarta-feira,dia 22, a juíza Adriana Lisbôa, da Vara da Fazenda, determinou o congelamento da quantidade de vagas e que o prefeito prestasse esclarecimento sobre vários aspectos. Só então Edson Piriquito tomou uma atitude.

A cobrança do estacionamento está suspensa. A idéia predominante é que os créditos que as pessoas possuem serão compensados quando e se houver um novo concessionário.

A Dom Parking foi à justiça pedindo a retomada do serviço, mas a juíza Adriana Lisbôa, da Vara da Fazenda Pública, aguardará informações da prefeitura antes de decidir.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Política


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeito deve explicações à sociedade sobre o estacionamento rotativo

Jéssica Teles.
Dom Parking cobra, mas não paga.
Dom Parking cobra, mas não paga.
Quinta, 30/6/2016 8:01.

O prefeito Edson Piriquito que na semana passada mandou suspender o contrato do estacionamento rotativo em Balneário Camboriú deve explicações à sociedade dos motivos pelos quais a prefeitura deixou de cobrar um ano de pagamentos devidos pela concessionária, a Dom Parking.

Esse desleixo com o dinheiro público começou a ser conhecido quando o Observatório Social oficiou à prefeitura, indagando sobre a quantidade de vagas e pedindo cópias dos comprovantes dos pagamentos feitos pela Dom Parking à prefeitura. Por contrato, a concessionária precisa pagar por mês cerca de R$ 30,00 por vaga que explora, algo em torno de R$ 60 mil.

Antes de a prefeitura enviar resposta ao Observatório Social, o Página 3 apurou que há 12 meses a Dom Parking não pagava e a dívida acumulada estava em R$ R$ 734.771.27.

Nesse meio tempo um grupo de advogados, zelando pelos direitos de cidadania, preparou uma ação popular (assinada pelo vereador Leonardo Piruka) pedindo, dentre outras coisas, o rompimento do contrato e a responsabilização também do prefeito Piriquito por não exercer o controle como deveria fazê-lo.

A Dom Parking tem um péssimo retrospecto. Em 2014 o Página 3 constatou que a empresa não estava em dia com a prefeitura e o controle era feito pessoalmente por Niênio Gontijo, mais tarde identificado como integrante da quadrilha que assaltou o cofre público na obra da Passarela da Barra. Na ocasião e posteriormente, com a empresa sempre inadimplente, o prefeito poderia ter rompido o contrato, mas não o fez.

Na quarta-feira,dia 22, a juíza Adriana Lisbôa, da Vara da Fazenda, determinou o congelamento da quantidade de vagas e que o prefeito prestasse esclarecimento sobre vários aspectos. Só então Edson Piriquito tomou uma atitude.

A cobrança do estacionamento está suspensa. A idéia predominante é que os créditos que as pessoas possuem serão compensados quando e se houver um novo concessionário.

A Dom Parking foi à justiça pedindo a retomada do serviço, mas a juíza Adriana Lisbôa, da Vara da Fazenda Pública, aguardará informações da prefeitura antes de decidir.
 

Publicidade

Publicidade