Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Sob governo Piriquito Emasa piorou indicadores de desempenho
Waldemar Cezar Neto.
Espuma na saída do tratamento de esgoto: Emasa tem desempenho econômico, técnico e operacional ruim.

Terça, 28/6/2016 7:52.

A prefeitura está com uma campanha publicitária na praça e entre as maravilhas que supostamente o governo Edson Piriquito realizou estão os avanços no saneamento básico, mas é propaganda enganosa, a cidade regrediu nesta área.

Isso fica claro ao examinar a série histórica do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), produzido pela Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades.

Entre 2008 e 2015 Balneário Camboriú investiu, em valores corrigidos, R$ 87 milhões em obras de esgoto, mas algumas ficaram pela metade e outras não funcionaram de maneira satisfatória.

Dinheiro não falta, a Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), arrecadou nos últimos três anos R$ 170 milhões e seus superávits orçamentários são constantes. Neste ano, por exemplo, o faturamento tende a ser 30% acima do previsto.

Ao comparar os indicadores de 2008 (último da administração Rubens Spernau) com 2014 (último relatório disponível no SNIS), o retrocesso no saneamento e o descontrole administrativo ficam evidentes porque:

- A despesa de pessoal por m3 de água faturada subiu 18%;

- A despesa de pessoal e serviços de terceiros nas despesas totais com serviços aumentou 28%.

- A evasão de receitas aumentou 234% o que pode ser também um indicativo de corrupção.

- A quantidade de economias de esgoto atendidas por pessoal próprio caiu de 4.433 para 1.675. Isso indica que tem mais pessoal próprio, mas o resultado é incompatível com o crescimento das despesas com terceiros.

- O índice de atendimento de esgoto continua igual a 2007. Esse indicador leva em conta a água produzida e o esgoto tratado.

- A quantidade de empregados próprios a cada mil economias atendidas aumentou 53%. Este número, cruzado com os demais, mostra que tem mais funcionários próprios e mais contratados de terceiros com resultados piores.

Todos esses dados, inclusive os de outros anos podem ser vistos em http://www.snis.gov.br

 O diretor geral da Emasa, André Ritzmann, foi consultado, disse que retornaria com uma resposta mas não o fez. Ele é uma  espécie de diretor figurativo, raramente em respostas a dar. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Sob governo Piriquito Emasa piorou indicadores de desempenho

Waldemar Cezar Neto.
Espuma na saída do tratamento de esgoto: Emasa tem desempenho econômico, técnico e operacional ruim.
Espuma na saída do tratamento de esgoto: Emasa tem desempenho econômico, técnico e operacional ruim.
Terça, 28/6/2016 7:52.

A prefeitura está com uma campanha publicitária na praça e entre as maravilhas que supostamente o governo Edson Piriquito realizou estão os avanços no saneamento básico, mas é propaganda enganosa, a cidade regrediu nesta área.

Isso fica claro ao examinar a série histórica do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), produzido pela Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades.

Entre 2008 e 2015 Balneário Camboriú investiu, em valores corrigidos, R$ 87 milhões em obras de esgoto, mas algumas ficaram pela metade e outras não funcionaram de maneira satisfatória.

Dinheiro não falta, a Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), arrecadou nos últimos três anos R$ 170 milhões e seus superávits orçamentários são constantes. Neste ano, por exemplo, o faturamento tende a ser 30% acima do previsto.

Ao comparar os indicadores de 2008 (último da administração Rubens Spernau) com 2014 (último relatório disponível no SNIS), o retrocesso no saneamento e o descontrole administrativo ficam evidentes porque:

- A despesa de pessoal por m3 de água faturada subiu 18%;

- A despesa de pessoal e serviços de terceiros nas despesas totais com serviços aumentou 28%.

- A evasão de receitas aumentou 234% o que pode ser também um indicativo de corrupção.

- A quantidade de economias de esgoto atendidas por pessoal próprio caiu de 4.433 para 1.675. Isso indica que tem mais pessoal próprio, mas o resultado é incompatível com o crescimento das despesas com terceiros.

- O índice de atendimento de esgoto continua igual a 2007. Esse indicador leva em conta a água produzida e o esgoto tratado.

- A quantidade de empregados próprios a cada mil economias atendidas aumentou 53%. Este número, cruzado com os demais, mostra que tem mais funcionários próprios e mais contratados de terceiros com resultados piores.

Todos esses dados, inclusive os de outros anos podem ser vistos em http://www.snis.gov.br

 O diretor geral da Emasa, André Ritzmann, foi consultado, disse que retornaria com uma resposta mas não o fez. Ele é uma  espécie de diretor figurativo, raramente em respostas a dar. 

Publicidade

Publicidade