Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

EUA são destino de empresas que querem ir para o exterior

Domingo, 26/6/2016 9:11.

Por Lu Aiko Otta

Brasília, 25 (AE) - Os Estados Unidos são, disparado, o principal mercado procurado pelas empresas brasileiras que já exportam e decidem abrir uma operação no exterior. O país é citado por 68,8% das empresas que buscam expansão internacional nos próximos três anos, segundo pesquisa realizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). Em seguida vêm Colômbia, México, Argentina e - surpresa - os Emirados Árabes Unidos.

Ao abrir um escritório, entreposto, parceria, franquia, filial ou uma operação no exterior, a empresa exportadora aumenta seu faturamento pelo simples fato de estar mais próxima do cliente. Ela também consegue adaptar melhor seu produto ou serviço ao mercado local e mapear melhor a demanda.

Outra vantagem é trazer inovações para o Brasil. É por essa razão que os programas de apoio à internacionalização serão fortalecidos no atual governo, como estratégia para aumentar as exportações e dar a elas uma base mais consolidada.

A pesquisa da Apex, respondida por 229 empresas exportadoras, mostra que o principal objetivo ao buscar a internacionalização é vender mais. Essa foi a resposta de 72,7% das empresas que vão abrir operações no exterior para se expandir e por 77,7% daquelas que o farão para exportar ou manter sua operação. A expansão internacional foi considerada "altamente importante" por 83,6% das entrevistadas.

"Temos casos aqui em que a simples abertura de um escritório no exterior fez as vendas da empresa aumentarem 30%", conta Juarez Leal, coordenador de Internacionalização da Apex. Na média, as empresas brasileiras obtêm 5% de suas receitas no exterior. O número sobe para 34% nas internacionalizadas.

A entrada em outros mercados ajuda a manter o faturamento das empresas em épocas de crise como a atual. "Hoje, nossas operações no exterior representam 60% das nossas receitas", diz Lisiane Kunst, diretora executiva da Artecola, uma empresa que fornece adesivos para indústrias. Por exemplo, a cola que fecha as embalagens de leite longa vida ou a que une partes de um automóvel.

Houve época em que as operações fora do País davam prejuízo, mas a empresa manteve sua aposta na internacionalização, que começou em 1997 com a compra de fábricas já instaladas, boa parte delas sendo empresas familiares, dentro de uma estratégia de expansão no longo prazo. Hoje ela é a segunda maior fornecedora do produto no mercado latino-americano e está instalada na Argentina, Colômbia, Chile, Peru e México. É a sétima empresa mais internacionalizada do País.

Inovação

A diversificação de riscos, como fez a empresa, é uma das principais razões pelas quais as companhias decidem operar no exterior. Mas existem outros motivos. Por exemplo, a inovação.

Foi atrás das novidades que a Giraffas, rede de lanchonetes, instalou-se na terra do fast food. "Os Estados Unidos são o mercado onde tudo acontece antes", diz o diretor de Expansão do grupo, Eduardo Guerra. "Queremos entender o caminho e aplicar no Brasil." Ele explica que o segmento que mais cresce no mercado norte-americano é o fast casual, algo intermediário entre McDonald’s e Outback. É nesse grupo que o Giraffas opera lá. O forte são pratos feitos de arroz, feijão, salada e uma proteína - o carro-chefe é picanha.

O escritório da Apex em Miami foi base para o início da operação da Giraffas. "Eles ajudaram muito." Além da infraestrutura, a agência auxilia as empresas de diversas formas. Quando um empresário a procura dizendo que quer ir para o exterior, responde a um questionário que mede o quanto ele está preparado para a empreitada e mostra onde ele, potencialmente, enfrentará problemas. "Já ajudamos muitas empresas, por isso sabemos onde estão os gargalos", diz Leal. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Negócios

Empresa planeja outros dois grandes investimentos na cidade


Geral

Desde o tempo da Casan instalações estavam irregulares 


Cidade

Alerta com tom de ultimato a Fabrício Oliveira


Cidade

Plano é ampliar melhorias para as demais agrestes até 2020


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

EUA são destino de empresas que querem ir para o exterior

Por Lu Aiko Otta

Brasília, 25 (AE) - Os Estados Unidos são, disparado, o principal mercado procurado pelas empresas brasileiras que já exportam e decidem abrir uma operação no exterior. O país é citado por 68,8% das empresas que buscam expansão internacional nos próximos três anos, segundo pesquisa realizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). Em seguida vêm Colômbia, México, Argentina e - surpresa - os Emirados Árabes Unidos.

Ao abrir um escritório, entreposto, parceria, franquia, filial ou uma operação no exterior, a empresa exportadora aumenta seu faturamento pelo simples fato de estar mais próxima do cliente. Ela também consegue adaptar melhor seu produto ou serviço ao mercado local e mapear melhor a demanda.

Outra vantagem é trazer inovações para o Brasil. É por essa razão que os programas de apoio à internacionalização serão fortalecidos no atual governo, como estratégia para aumentar as exportações e dar a elas uma base mais consolidada.

A pesquisa da Apex, respondida por 229 empresas exportadoras, mostra que o principal objetivo ao buscar a internacionalização é vender mais. Essa foi a resposta de 72,7% das empresas que vão abrir operações no exterior para se expandir e por 77,7% daquelas que o farão para exportar ou manter sua operação. A expansão internacional foi considerada "altamente importante" por 83,6% das entrevistadas.

"Temos casos aqui em que a simples abertura de um escritório no exterior fez as vendas da empresa aumentarem 30%", conta Juarez Leal, coordenador de Internacionalização da Apex. Na média, as empresas brasileiras obtêm 5% de suas receitas no exterior. O número sobe para 34% nas internacionalizadas.

A entrada em outros mercados ajuda a manter o faturamento das empresas em épocas de crise como a atual. "Hoje, nossas operações no exterior representam 60% das nossas receitas", diz Lisiane Kunst, diretora executiva da Artecola, uma empresa que fornece adesivos para indústrias. Por exemplo, a cola que fecha as embalagens de leite longa vida ou a que une partes de um automóvel.

Houve época em que as operações fora do País davam prejuízo, mas a empresa manteve sua aposta na internacionalização, que começou em 1997 com a compra de fábricas já instaladas, boa parte delas sendo empresas familiares, dentro de uma estratégia de expansão no longo prazo. Hoje ela é a segunda maior fornecedora do produto no mercado latino-americano e está instalada na Argentina, Colômbia, Chile, Peru e México. É a sétima empresa mais internacionalizada do País.

Inovação

A diversificação de riscos, como fez a empresa, é uma das principais razões pelas quais as companhias decidem operar no exterior. Mas existem outros motivos. Por exemplo, a inovação.

Foi atrás das novidades que a Giraffas, rede de lanchonetes, instalou-se na terra do fast food. "Os Estados Unidos são o mercado onde tudo acontece antes", diz o diretor de Expansão do grupo, Eduardo Guerra. "Queremos entender o caminho e aplicar no Brasil." Ele explica que o segmento que mais cresce no mercado norte-americano é o fast casual, algo intermediário entre McDonald’s e Outback. É nesse grupo que o Giraffas opera lá. O forte são pratos feitos de arroz, feijão, salada e uma proteína - o carro-chefe é picanha.

O escritório da Apex em Miami foi base para o início da operação da Giraffas. "Eles ajudaram muito." Além da infraestrutura, a agência auxilia as empresas de diversas formas. Quando um empresário a procura dizendo que quer ir para o exterior, responde a um questionário que mede o quanto ele está preparado para a empreitada e mostra onde ele, potencialmente, enfrentará problemas. "Já ajudamos muitas empresas, por isso sabemos onde estão os gargalos", diz Leal. 

Publicidade

Publicidade