Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Com dívida de R$ 65 bilhões, Oi entra com pedido de recuperação judicial

Terça, 21/6/2016 7:08.

Por Mônica Scaramuzzo e Cynthia Decloedt (AE)

A Oi, quarta maior operadora de telefonia do País e maior concessionária de linhas fixas, pediu recuperação judicial. Uma das apostas malsucedidas do governo do ex-presidente Lula de criar, com a ajuda federal, empresas "campeãs nacionais", capazes de concorrer com as multinacionais, a operadora tentou, nesses últimos meses, renegociar uma dívida financeira de cerca de R$ 50 bilhões, sem sucesso.

No processo protocolado ontem na Justiça do Rio, a empresa declara débitos totais de R$ 65,4 bilhões. A diferença refere-se contingenciamentos (disputas judiciais), de cerca de R$ 13 bilhões, e dívidas com fornecedores. A operadora tem 60 dias para apresentar um plano de reestruturação aos credores.

Esse é o maior processo de recuperação judicial de uma empresa no País e o maior de uma companhia privada na América Latina. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai acompanhar o processo. Por se tratar de uma concessão, havia dúvidas se a Oi poderia entrar com pedido de proteção na Justiça. Nas últimas semanas, esse tema estava sendo debatido com a agência. "A Oi só perderia a concessão se fosse liquidada ou se suas operações estivessem comprometidas", disse uma fonte a par do assunto. Mas a Anatel, por ora, não descarta retirar a concessão, disse uma fonte ligada à agência.

A avaliação do governo é de que o problema da companhia é financeiro, não operacional, e ela precisa continuar a funcionar para gerar as receitas necessárias para o pagamento de suas dívidas.

Fontes ligadas à Oi afirmam que a empresa manterá normalmente os seus serviços aos consumidores e que não haverá riscos de "apagão", nem afetará seus trabalhadores e fornecedores. As especulações de problemas com o serviço, às vésperas da Olimpíada no Rio, levaram os conselheiros da empresa a se decidirem mais rápido pelo pedido de recuperação, até para dirimir esses boatos no mercado, disse outra fonte também a par do assunto.

Em comunicado, a operadora informou que "o pedido de recuperação judicial é a medida mais adequada, neste momento, para preservar a continuidade da oferta de serviços de qualidade a seus clientes, dentro das regras e compromissos assumidos com a Anatel; preservar o valor das empresas da Oi; manter a continuidade de seu negócio (...), de seus clientes, seus acionistas e demais ‘stakeholders’; além de proteger o caixa da companhia".

Crise aguda

Altamente endividada, o projeto da companhia de se tornar uma multinacional brasileira começou a naufragar poucos meses após o anúncio da fusão com a Portugal Telecom (PT), em outubro de 2013 O calote de cerca de ¤ 900 milhões da Rioforte, holding não financeira do grupo Espírito Santo, um dos acionistas da PT, levou a Oi a rever os termos da fusão e obrigou a companhia a fazer uma capitalização, à época, de R$ 14 bilhões. Após esse episódio, as relações entre acionistas brasileiros e portugueses azedaram de vez, agravando mais a crise da operadora, que vendeu ativos em Portugal e viu sua dívida aumentar.

Em abril passado, a Oi anunciou a contratação do banco Moelis e da PJT Partners, ambos americanos, para fazer reestruturação financeira. "A companhia estava pagando cerca de R$ 7 bilhões de juros da dívida e teria de desembolsar R$ 17 bilhões este ano, dinheiro que a companhia não tem", disse a fonte ligada à companhia.

No início de junho, o executivo Bayard Gontijo renunciou à presidência por desgastes com acionistas e credores. Dos R$ 50 bilhões de dívida financeira, cerca de 70% estão com credores internacionais. Esses exigiram ficar com 95% das ações na troca de uma parte da dívida por ações. Já os acionistas queriam ceder apenas 70%. Os bancos rolariam suas dívidas.

Com a recuperação judicial, todos ficam no mesmo barco. Os bancos públicos, como BNDES, que também é acionista, Banco do Brasil e Caixa, juntos, têm dívida de cerca de R$ 12 bilhões. As negociações, agora, começam do zero. (Colaborou Anne Warth) 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Enquanto a maioria quer aumentar quantidade de leis ele deseja o contrário


Geral

Houve um vazamento de grande proporção e reparos estão sendo feitos


Cidade

Prefeitos nunca investiram em reservação de água bruta  


Opinião

No Brasil isso é quase um diploma de honestidade


Publicidade


Publicidade


Seu Dinheiro

Acordo pode ter provocado um aumento de bilhões na conta de luz dos consumidores.


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Editais

Renovação de Licença Ambiental de Operação


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Com dívida de R$ 65 bilhões, Oi entra com pedido de recuperação judicial

Terça, 21/6/2016 7:08.

Por Mônica Scaramuzzo e Cynthia Decloedt (AE)

A Oi, quarta maior operadora de telefonia do País e maior concessionária de linhas fixas, pediu recuperação judicial. Uma das apostas malsucedidas do governo do ex-presidente Lula de criar, com a ajuda federal, empresas "campeãs nacionais", capazes de concorrer com as multinacionais, a operadora tentou, nesses últimos meses, renegociar uma dívida financeira de cerca de R$ 50 bilhões, sem sucesso.

No processo protocolado ontem na Justiça do Rio, a empresa declara débitos totais de R$ 65,4 bilhões. A diferença refere-se contingenciamentos (disputas judiciais), de cerca de R$ 13 bilhões, e dívidas com fornecedores. A operadora tem 60 dias para apresentar um plano de reestruturação aos credores.

Esse é o maior processo de recuperação judicial de uma empresa no País e o maior de uma companhia privada na América Latina. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai acompanhar o processo. Por se tratar de uma concessão, havia dúvidas se a Oi poderia entrar com pedido de proteção na Justiça. Nas últimas semanas, esse tema estava sendo debatido com a agência. "A Oi só perderia a concessão se fosse liquidada ou se suas operações estivessem comprometidas", disse uma fonte a par do assunto. Mas a Anatel, por ora, não descarta retirar a concessão, disse uma fonte ligada à agência.

A avaliação do governo é de que o problema da companhia é financeiro, não operacional, e ela precisa continuar a funcionar para gerar as receitas necessárias para o pagamento de suas dívidas.

Fontes ligadas à Oi afirmam que a empresa manterá normalmente os seus serviços aos consumidores e que não haverá riscos de "apagão", nem afetará seus trabalhadores e fornecedores. As especulações de problemas com o serviço, às vésperas da Olimpíada no Rio, levaram os conselheiros da empresa a se decidirem mais rápido pelo pedido de recuperação, até para dirimir esses boatos no mercado, disse outra fonte também a par do assunto.

Em comunicado, a operadora informou que "o pedido de recuperação judicial é a medida mais adequada, neste momento, para preservar a continuidade da oferta de serviços de qualidade a seus clientes, dentro das regras e compromissos assumidos com a Anatel; preservar o valor das empresas da Oi; manter a continuidade de seu negócio (...), de seus clientes, seus acionistas e demais ‘stakeholders’; além de proteger o caixa da companhia".

Crise aguda

Altamente endividada, o projeto da companhia de se tornar uma multinacional brasileira começou a naufragar poucos meses após o anúncio da fusão com a Portugal Telecom (PT), em outubro de 2013 O calote de cerca de ¤ 900 milhões da Rioforte, holding não financeira do grupo Espírito Santo, um dos acionistas da PT, levou a Oi a rever os termos da fusão e obrigou a companhia a fazer uma capitalização, à época, de R$ 14 bilhões. Após esse episódio, as relações entre acionistas brasileiros e portugueses azedaram de vez, agravando mais a crise da operadora, que vendeu ativos em Portugal e viu sua dívida aumentar.

Em abril passado, a Oi anunciou a contratação do banco Moelis e da PJT Partners, ambos americanos, para fazer reestruturação financeira. "A companhia estava pagando cerca de R$ 7 bilhões de juros da dívida e teria de desembolsar R$ 17 bilhões este ano, dinheiro que a companhia não tem", disse a fonte ligada à companhia.

No início de junho, o executivo Bayard Gontijo renunciou à presidência por desgastes com acionistas e credores. Dos R$ 50 bilhões de dívida financeira, cerca de 70% estão com credores internacionais. Esses exigiram ficar com 95% das ações na troca de uma parte da dívida por ações. Já os acionistas queriam ceder apenas 70%. Os bancos rolariam suas dívidas.

Com a recuperação judicial, todos ficam no mesmo barco. Os bancos públicos, como BNDES, que também é acionista, Banco do Brasil e Caixa, juntos, têm dívida de cerca de R$ 12 bilhões. As negociações, agora, começam do zero. (Colaborou Anne Warth) 

Publicidade

Publicidade