Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Prefeitura de Porto Belo emite nova nota sobre mancha na água
Divulgação

Sexta, 22/1/2016 10:16.

Na noite desta quinta-feira, a prefeitura de Porto Belo publicou uma nota sobre as possíveis causas da mancha escura na foz do Rio Perequê. Eles concluíram que a coloração pode ser resultante de níveis elevados de elementos químicos, matéria orgânica e microalgas.

Veja a nota:

O resultado da análise da água em 12 pontos da bacia do rio Perequê e do ribeirão da Vó ajudou a Prefeitura de Porto Belo a esclarecer a mancha na foz do rio. As amostras coletadas pela Famap (Fundação do Meio Ambiente de Porto Belo) e Vigilância Sanitária identificaram índices elevados de cor aparente, em torno de 500 uH (Unidade Hazen) com picos de até 1320 uH. A título de comparação, a água distribuída nas torneiras é de, no máximo, 15 uH. Também apresentaram níveis elevados de ferro, manganês e matéria orgânica.

A incidência desses três componentes, provavelmente originados a partir de solos turfosos da região e manguezais, podem juntamente com a presença de microalgas, identificadas pelo estudo da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina) e Univali (Universidade do Vale do Itajaí), explicar os elevados índices de cor. O contraste dessa água, de cor bastante elevada, ao encontrar o mar, de cor mais clara, causa a mancha captada no último domingo. Segundo o estudo da Univali, a presença das microalgas não prejudica a saúde. Outro laudo da Fatma já havia descartado a poluição como causa da mancha.

É importante ressaltar que essas amostras foram coletadas em vários pontos da bacia do rio Perequê, tanto no lado de Porto Belo quanto de Itapema, e ribeirão da Vó. Todos esses pontos mostram que essa cor é uma característica regional e não de um ponto específico. A título de exemplo, a concentração de ferro na amostra coletada junto à ponte do rio Perequê, na BR-101, apresentou valor de 3,45 mg/L. São mais de 10 vezes o limite possível para a água potável.

A Prefeitura de Porto Belo continuará realizando análises para entender melhor esse fenômeno. Uma possível explicação é o fato da região estar alagada em consequência das chuvas em excesso ao longo de 2015. A decomposição da vegetação nesses pontos alagadiços pode ter gerado ácidos húmicos e taninos, bem como dissolvido metais como ferro e manganês presentes no solo.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Volume de resíduos não é um indicador seguro da quantidade de turistas


Policia

Praça central de Balneário Camboriú é o ponto preferido também de andarilhos e usuários 


Policia

A suspeita é que funcionários dos gabinetes da Alerj devolviam parte dos salários


Política


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeitura de Porto Belo emite nova nota sobre mancha na água

Divulgação
Sexta, 22/1/2016 10:16.

Na noite desta quinta-feira, a prefeitura de Porto Belo publicou uma nota sobre as possíveis causas da mancha escura na foz do Rio Perequê. Eles concluíram que a coloração pode ser resultante de níveis elevados de elementos químicos, matéria orgânica e microalgas.

Veja a nota:

O resultado da análise da água em 12 pontos da bacia do rio Perequê e do ribeirão da Vó ajudou a Prefeitura de Porto Belo a esclarecer a mancha na foz do rio. As amostras coletadas pela Famap (Fundação do Meio Ambiente de Porto Belo) e Vigilância Sanitária identificaram índices elevados de cor aparente, em torno de 500 uH (Unidade Hazen) com picos de até 1320 uH. A título de comparação, a água distribuída nas torneiras é de, no máximo, 15 uH. Também apresentaram níveis elevados de ferro, manganês e matéria orgânica.

A incidência desses três componentes, provavelmente originados a partir de solos turfosos da região e manguezais, podem juntamente com a presença de microalgas, identificadas pelo estudo da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina) e Univali (Universidade do Vale do Itajaí), explicar os elevados índices de cor. O contraste dessa água, de cor bastante elevada, ao encontrar o mar, de cor mais clara, causa a mancha captada no último domingo. Segundo o estudo da Univali, a presença das microalgas não prejudica a saúde. Outro laudo da Fatma já havia descartado a poluição como causa da mancha.

É importante ressaltar que essas amostras foram coletadas em vários pontos da bacia do rio Perequê, tanto no lado de Porto Belo quanto de Itapema, e ribeirão da Vó. Todos esses pontos mostram que essa cor é uma característica regional e não de um ponto específico. A título de exemplo, a concentração de ferro na amostra coletada junto à ponte do rio Perequê, na BR-101, apresentou valor de 3,45 mg/L. São mais de 10 vezes o limite possível para a água potável.

A Prefeitura de Porto Belo continuará realizando análises para entender melhor esse fenômeno. Uma possível explicação é o fato da região estar alagada em consequência das chuvas em excesso ao longo de 2015. A decomposição da vegetação nesses pontos alagadiços pode ter gerado ácidos húmicos e taninos, bem como dissolvido metais como ferro e manganês presentes no solo.

Publicidade

Publicidade