Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Prefeitura de Porto Belo emite nova nota sobre mancha na água
Divulgação

Sexta, 22/1/2016 10:16.

Na noite desta quinta-feira, a prefeitura de Porto Belo publicou uma nota sobre as possíveis causas da mancha escura na foz do Rio Perequê. Eles concluíram que a coloração pode ser resultante de níveis elevados de elementos químicos, matéria orgânica e microalgas.

Veja a nota:

O resultado da análise da água em 12 pontos da bacia do rio Perequê e do ribeirão da Vó ajudou a Prefeitura de Porto Belo a esclarecer a mancha na foz do rio. As amostras coletadas pela Famap (Fundação do Meio Ambiente de Porto Belo) e Vigilância Sanitária identificaram índices elevados de cor aparente, em torno de 500 uH (Unidade Hazen) com picos de até 1320 uH. A título de comparação, a água distribuída nas torneiras é de, no máximo, 15 uH. Também apresentaram níveis elevados de ferro, manganês e matéria orgânica.

A incidência desses três componentes, provavelmente originados a partir de solos turfosos da região e manguezais, podem juntamente com a presença de microalgas, identificadas pelo estudo da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina) e Univali (Universidade do Vale do Itajaí), explicar os elevados índices de cor. O contraste dessa água, de cor bastante elevada, ao encontrar o mar, de cor mais clara, causa a mancha captada no último domingo. Segundo o estudo da Univali, a presença das microalgas não prejudica a saúde. Outro laudo da Fatma já havia descartado a poluição como causa da mancha.

É importante ressaltar que essas amostras foram coletadas em vários pontos da bacia do rio Perequê, tanto no lado de Porto Belo quanto de Itapema, e ribeirão da Vó. Todos esses pontos mostram que essa cor é uma característica regional e não de um ponto específico. A título de exemplo, a concentração de ferro na amostra coletada junto à ponte do rio Perequê, na BR-101, apresentou valor de 3,45 mg/L. São mais de 10 vezes o limite possível para a água potável.

A Prefeitura de Porto Belo continuará realizando análises para entender melhor esse fenômeno. Uma possível explicação é o fato da região estar alagada em consequência das chuvas em excesso ao longo de 2015. A decomposição da vegetação nesses pontos alagadiços pode ter gerado ácidos húmicos e taninos, bem como dissolvido metais como ferro e manganês presentes no solo.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeitura de Porto Belo emite nova nota sobre mancha na água

Divulgação
Sexta, 22/1/2016 10:16.

Na noite desta quinta-feira, a prefeitura de Porto Belo publicou uma nota sobre as possíveis causas da mancha escura na foz do Rio Perequê. Eles concluíram que a coloração pode ser resultante de níveis elevados de elementos químicos, matéria orgânica e microalgas.

Veja a nota:

O resultado da análise da água em 12 pontos da bacia do rio Perequê e do ribeirão da Vó ajudou a Prefeitura de Porto Belo a esclarecer a mancha na foz do rio. As amostras coletadas pela Famap (Fundação do Meio Ambiente de Porto Belo) e Vigilância Sanitária identificaram índices elevados de cor aparente, em torno de 500 uH (Unidade Hazen) com picos de até 1320 uH. A título de comparação, a água distribuída nas torneiras é de, no máximo, 15 uH. Também apresentaram níveis elevados de ferro, manganês e matéria orgânica.

A incidência desses três componentes, provavelmente originados a partir de solos turfosos da região e manguezais, podem juntamente com a presença de microalgas, identificadas pelo estudo da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina) e Univali (Universidade do Vale do Itajaí), explicar os elevados índices de cor. O contraste dessa água, de cor bastante elevada, ao encontrar o mar, de cor mais clara, causa a mancha captada no último domingo. Segundo o estudo da Univali, a presença das microalgas não prejudica a saúde. Outro laudo da Fatma já havia descartado a poluição como causa da mancha.

É importante ressaltar que essas amostras foram coletadas em vários pontos da bacia do rio Perequê, tanto no lado de Porto Belo quanto de Itapema, e ribeirão da Vó. Todos esses pontos mostram que essa cor é uma característica regional e não de um ponto específico. A título de exemplo, a concentração de ferro na amostra coletada junto à ponte do rio Perequê, na BR-101, apresentou valor de 3,45 mg/L. São mais de 10 vezes o limite possível para a água potável.

A Prefeitura de Porto Belo continuará realizando análises para entender melhor esse fenômeno. Uma possível explicação é o fato da região estar alagada em consequência das chuvas em excesso ao longo de 2015. A decomposição da vegetação nesses pontos alagadiços pode ter gerado ácidos húmicos e taninos, bem como dissolvido metais como ferro e manganês presentes no solo.

Publicidade

Publicidade